Publicidade
Entretenimento
HUMOR

Morte do humorista David Cunha, o 'Espanta' completa 10 anos; relembre sua trajetória

Há exatos 10 anos, o público se despedia do humorista, que faleceu em um acidente de carro na BR-304, a 50km e Mossoró (cidade do Rio Grande do Norte), no auge de sua carreira, a caminho de um show 25/11/2016 às 18:35
Show espanta morte
Espanta é lembrado, até hoje, como um dos principais nomes do humor brasileiro (Foto: Divulgação)
Alexandre Pequeno Manaus (AM)

Quem acompanhou o cenário humorístico nos anos 90 e início dos anos 2000, certamente se lembrará de um dos maiores nomes do gênero: Espanta. Há exatos 10 anos, o público se despedia do humorista, que faleceu em um acidente de carro na BR-304, a 50km e Mossoró (cidade do Rio Grande do Norte), no auge de sua carreira, a caminho de um show. Mas sua obra permanece viva, seja na memória de fãs ou eternizada através de inúmeros vídeos de seus personagens, shows, hospedados no Youtube.

David Cunha Alves de Araújo de batismo, o humorista "virou" Espanta ainda na adolescência, época em que ele era vendedor ambulante. Aos 17 anos, ele serviu à Marinha por três anos, e depois disso, voltou pra Natal para ser recepcionista em um hotel. Mas a sua vida começou a mudar quando ele começou a trabalhar em uma multinacional do Nordeste.

Em 1983, ele foi convidado para uma convenção no Rio de Janeiro. Walter Mattheos, diretor da Sadia na época, o convidou para o palco do evento para entreter cerca de 800 convidados. O show virou um espetáculo de improviso de quarenta e cinco minutos. A partir daí ele nunca mais saiu dos palcos.

"Ele era humorista 24h por dia. Eu o achava mais engraçado fora do palco. Se tivesse uma brecha, ele contava piada em posto de gasolina, restaurante, até em avião. Ele era capaz de transformar qualquer assunto, conversa de rua, em algo engraçado", comenta Lúcia de Oliveira Saraiva, viúva de David. Lúcia relembra que “Espanta” estava no auge de sua carreira "Ele tinha uma média de 40 apresentações por mês, lotando casas de shows pelo país", complementa. Ela reitera que o único problema que via na agenda era que o humorista gostava de dirigir em alta velocidade.

(Lúcia recorda o humorista com saudades. Foto: Acervo pessoal)

Após a morte do marido, Lúcia de Oliveira organizou o “Tributo ao Espanta” em algumas cidades e contou com ajuda dos humoristas e amigos de David.

Repercussão nacional

O humorista integrou a temporada 1999/2000 do elenco da Escolinha do Professor Raimundo, de Chico Anysio, na Rede Globo com o personagem Mário Manguaça, um aluno bêbado, conhecido pelos bares pelo codinome "Pudim de Cana". Anos depois, ele foi o grande vencedor da segunda edição do "Festival de Piadas" do Show do Tom, na Rede Record. Pelo contato frequente, Espanta e Tom Cavalcante tornaram-se grandes amigos.

(David integrou o elenco da "Escolinha do Professor Raimundo", como "Pudim de Cana". Foto: Reprodução)

"Poder falar do David, é sempre um prazer, um orgulho muito grande, mesmo não estando nesse plano, faço minhas orações. Ele está sempre na minha lembrança", diz Tom.

Publicidade
Publicidade