Terça-feira, 23 de Julho de 2019
Vida

Mulheres assumem cabelos ruivos e vermelho vira a cor da estação

Antes tímidas, as mulheres dos cabelos de fogo começaram a assumir o belo tom das madeixas e o charme das sardas no rosto; aprenda como realçar a cor



1.jpg As atrizes Marina Ruy Barbosa e Jessy Garcia exaltam o ruivo nos fios na TV
02/11/2014 às 13:47

Poucas mulheres podem usar batom vermelho e usufruir da plenitude da cor – literalmente. Mais do que nos lábios e nas peças de roupa, o tom costuma fazer a cabeça de algumas seletas mulheres, que, sem medo de ousar, assumem os fios rubros, sendo eles naturais ou não. Representando uma parcela pequena, porém significativa, as ruivas chegam à estação mostrando que o misto de personalidade forte com delicadeza (e às vezes sardas) está lançando convicções: a de que elementos muito além do vinho ou do fogo se aliam a elas.

Na infância, a universitária e modelo Jessy Garcia, 23, sofria bullying por ser ruiva natural. “Me chamavam de cenoura, entre outras coisas”, coloca ela. Hoje, só sobram referências à atriz Marina Ruy Barbosa, atualmente na pele de Ísis, na novela “Império”. “As brincadeiras agora são muito mais na boa”. Natural de Cuba, a moça assume que não tem lá muitos segredos na hora de cuidar dos fios, mas que sempre utiliza shampoo sem sal e tenta mantê-los hidratados porque ruivos naturais também desbotam, acreditem ou não.

“Quando cheguei em Manaus, meu cabelo era mais vermelho. O sol e a água daqui o deixaram em um tom mais amarelo”, afirma ela. O shampoo também tem participação nisso aí: Garcia diz ter muito cuidado com o produto que usa porque ele também pode interferir na cor. “Eu uso o da linha Tresemmé, que não altera tanto”.

Segundo a dermatologista Valeska Francesconi, as sardas recebem o nome técnico de efélides e são muito comuns nos pacientes ruivos. “A presença delas significa que a pele foi exposta aos raios ultravioletas oriundos do Sol. Os ruivos, por não conseguirem se bronzear, ficam ‘sardentos’”, pondera ela. A médica também alega que, por conta da sensibilidade da pele dos ruivos naturais, o fator de proteção solar deve ser de no mínimo 30, reaplicado a cada duas horas.

“São várias as consequências de uma pele não protegida, em especial nos ruivos. Como complicações agudas temos um maior risco de queimaduras de primeiro e segundo graus e de ensolação. São peles com uma maior taxa de envelhecimento com formação de manchas, vasos e rugas mais precocemente”, ressalta.

Como se tornar uma

E para as ruivas não-naturais, o ideal é usar sempre shampoo fixador da cor que elimina os resíduos, além de proteger os cabelos e de conter vitamina E, antioxidantes, filtro UV e magnésio. É o que destaca a hair stylist Cecy Procópio.

“Para manter a cor, a visita deve ser de pelo menos a cada 35/40 dias no salão porque o tom desbota rápido”, alega ela. Além do uso de shampoo sem sal – que causa menos espuma e esta colabora para o desbotamento dos fios – uma dica de tratamento é a cristalização, para intensificar a cor e o brilho dos cabelos.

“Cristalização é uma hidratação que sela as cutículas, mantém a cor e intensifica o brilho. Os tons acobreados, acaju e marrons são o ideal para a pele da mulher amazonense e ótimos para manutenção, pois não perdem os pigmentos como os tons mais dourados, acinzentados, entre outros.

Sobre descoloração: quem quiser se tornar uma ruiva deve escolher entre descolorir antes, alcançar um tom mais vivo, mas deixar os fios mais ressecados; ou jogar o vermelhão por cima do tom natural, ter um cabelo menos vivo no tom, mas com os fios menos agredidos. É por sua conta em risco!

Blog: Mayana Nobre, Designer e blogueira de moda

“Minhas cores (de roupas e acessórios) preferidas para as ruivas são os tons mais fechados e profundos, quando se quer dar um efeito elegante ou criar contraste: os verdes esmeralda, musgo, petróleo, azuis royal, marinho, safira além de tons próximos ao roxo, ameixa, vinho e etc. Para obter uma combinação de cores mais harmoniosa, eu aconselho se basear nas cores associadas ao outono, que funcionam super bem: areia, caramelo, camelo, tons terra, oliva, etc. Estampas nessas cores também ficam bem legais e podem ser combinadas a cores neutras ou complementares.

Ousadia e coragem

Depois das experiências com as cores rosa, azul e verde nos fios, há dois anos a agente administrativa Jéssica Sobreira, 23, é ruiva. “As pessoas sempre se referem a mim pela ruivice. Acham que não sou daqui”, reforça ela, aos risos. Ela pinta os fios todo o santo mês e faz hidratação semanal em casa. Segundo ela, por melhores que sejam os conselhos que você tem, ser ruiva é experimentação pura: uma aprendiz de ruiva vai ter que ter ânimo para testar tintas e demais cosméticos para ver qual agrada mais. “Nesse mês resolvi mudar o tom de ruivo. Coloquei um cobre, mas queria dar um tom mais vermelho. A cor da tinta ficou rosa, mas graças a Deus o resultado final ficou do jeito que eu queria”, destaca.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.