Publicidade
Entretenimento
Vida

Música lírica é celebrada no primeiro dia do Festival Amazonas de Ópera

O primeiro dia do evento reuniu na plateia cerca de 600 pessoas e no palco do Teatro Amazonas 64 membros da Orquestra Amazonas Filarmônica, 28 do Coral do Amazonas, 30 do Coral Infantil do Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro e três solistas nacionais: Pepes do Valle, Denise de Freitas e Juremir Vieira, além de outros três grandes solistas internacionais – o búlgaro Marcin Bronikowski, a russa Olga Trifonova e o espanhol José Luis Sola 26/05/2013 às 22:10
Show 1
Ópera em concerto 'Rei Roger', na abertura do XVII Festival Amazonas de Ópera
acritica.com Manaus

A ópera em concerto “Rei Roger”, de Karol Szymanowski, foi a escolhida para abrir a 17ª edição do Festival Amazonas de Ópera, que teve início neste domingo (14). O primeiro dia do evento – que já entrou para o calendário amazonense como um dos principais do Estado - reuniu na plateia cerca de 600 pessoas e no palco do Teatro Amazonas 64 membros da Orquestra Amazonas Filarmônica, 28 do Coral do Amazonas, 30 do Coral Infantil do Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro e três solistas nacionais: Pepes do Valle, Denise de Freitas e Juremir Vieira, além de outros três grandes solistas internacionais – o búlgaro Marcin Bronikowski, a russa Olga Trifonova e o espanhol José Luis Sola.

Segundo o titular da Secretaria de Cultura do Amazonas e diretor-geral do FAO, Robério Braga, uma das premissas do festival daqui para frente é mesclar gerações e conquistar cada vez mais públicos diferentes.

“Inclusive nós vamos fazer uma ópera infantil (‘A Raposa Astuta’) voltada para o público infantil e trabalhada por crianças, apresentada por crianças. Então, o que você constata é extremamente significativo, não só do ponto de vista da diversidade das idades, das gerações, como da diversidade econômica e social. A plateia e os artistas refletem essa realidade da diversidade econômica e sociocultural da nossa terra”, assegurou o secretário de cultura.

A participação e potencialização dos artistas locais também é um dos focos da ópera, de acordo com Braga. “Nós importamos profissionais durante três anos, nos primeiros três festivais de ópera, e começamos a além de importar, produzir. Construir com os artistas locais, com os técnicos locais e preparar esses profissionais sob todas as áreas de atuação, seja na área artística em si, na de direção, logística, criação, figurino, entre outros”, complementou.

A grandiosidade do FAO, que é equivalente à outros festivais de ópera do país também é exaltada pelo secretário. “Hoje dispomos de um acervo patrimonial do povo amazonense, da Central Técnica de Produção (CTP), que nos permite realizar um festival de ópera com dois meses de duração, com um investimento que é aplicado em uma única ópera no sul do país. Quando São Paulo e Rio de Janeiro faz uma ópera, ela custa no mínimo R$ 5 milhões. E R$ 5 milhões é quanto custa nosso festival”, comemorou o secretário.

O festival fica em cartaz até 1º de junho e reúne ao todo 33 eventos: a íntegra de três óperas, recitais, vesperais, convivências e concertos. A maioria das apresentações tem entrada grátis, com exceção das realizadas no palco do Teatro Amazonas.

Os eventos acontecem no Teatro da Instalação, Centro Cultural Largo de São Sebastião, Centro Cultural Palácio da Justiça (CCPJ), Centro de Convivência Padre Vignola (Cidade Nova), Centro de Convivência do Idoso (Aparecida) e no Município de Itapiranga (distante a 227 quilômetros de Manaus).

Homenagens

Nesta edição há três grandes homenageados: Richard Wagner e Giuseppe Verdi, pelas comemorações de seus bicentenários, e Benjamin Britten, festejando seu centenário de nascimento para a música clássica. A direção geral é assinada pelo secretário de Estado da Cultura, Robério Braga, a artística pelo maestro Luiz Fernando Malheiro, e a adjunta por Marcelo de Jesus.

A programação do 17º FAO conta com a montagem das óperas: “Aventuras da Raposa Astuta”; de Leos Janacek; “Parsifal”, de Richard Wagner; e “O Morcego”, de Johann Strauss Filho. Além de ter recitais em Manaus, o festival levará o Concerto Bradesco Acessível à população do Município de Itapiranga, dia 1º de junho, às 19h.  



Publicidade
Publicidade