Publicidade
Entretenimento
ESPETÁCULO

Musical de comédia com canções de Odair José chega ao Teatro Amazonas

A estreia na capital amazonense acontece no dia 29 deste mês, às 20h; no dia 30 haverá mais duas sessões, às 16h e 19h. Os ingressos estão sendo vendidos a R$ 10 (meia) 20/09/2018 às 14:21 - Atualizado em 20/09/2018 às 15:22
Show 1403631 f5bf4530 c79a 4218 8533 fb1dde4b0870
Foto: Divulgação
Tiago Melo Manaus (AM)

Cantor da pílula, terror das empregadas domésticas, Bob Dylan da Central do Brasil, Odair José foi um ícone da música brasileira nos anos 70. Não à toa, em 2014, o músico ganhou um espetáculo para chamar de seu pelas mãos do jornalista baiano Sérgio Maggio. Agora, pela primeira vez, quatro anos depois de sua estreia, o musical de comédia “Eu vou tirar você desse lugar: As canções de Odair José” chega aos palcos manauaras nos dias 29 e 30, no Teatro Amazonas. 

Espécie de “Mamma Mia!” brasileiro, sucesso da Broadway inspirado nas canções do grupo sueco ABBA, “Eu vou tirar...” traz 20 canções de Odair José, de um repertório que beira 400 músicas, aliadas a um roteiro inédito e ficcional escrito por Maggio.

“Foi um desafio escolher essas 20. Ouvi todas as 400 canções e o roteiro nasceu das músicas. Apesar de não ser uma história biográfica, o Odair é um cronista que compõe com base nas histórias que viveu. Separei nessas canções alguns personagens recorrentes, como a prostituta, a empregada e o roqueiro, e fui associando-os às canções mais emblemáticas”, disse Maggio, ressaltando que o musical conta com algumas músicas do lado B que só os maiores fãs vão conhecer.

O diretor conta que, após criar o roteiro, que inicialmente possuía 25 músicas, ele enviou a versão para Odair José conferir. “Ele teve total liberdade para inferir. Assim fomos chegando ao formato final. Foi um bate bola muito bom, de forma que as canções passaram pelo crivo dele”, comentou.

Processo de criaçãoDe acordo com Maggio, a trama se inicia em 1923, quando a cidade de São Paulo foi abalada por um escândalo moralista (o assassinato da cortesã Nenê Romano, morta por um jovem e renomado advogado, filho de família tradicional), e segue para o ano de 1973, com o Brasil amordaçado no auge da ditadura militar.

“É nesse contexto que surge a história de um jovem que enfrenta a força patriarcal para realizar o sonho de ser um cantor de rock’n’roll. Tensões políticas e jogos de costumes conduzem a narrativa de uma comédia musical formalmente inspirada em gêneros populares”, explicou Sérgio Maggio.

O desafio de criação era compor uma montagem que fosse esteticamente popular como as mensagens das letras de Odair José, mas que guardasse em si um conteúdo de protesto e indignação social, que fez do cantor e compositor um dos mais censurados pela ditadura militar.

O resultado, segundo Maggio, parece ter agradado ao músico. “Ele conferiu o musical e chorou o espetáculo todo, foi o dia mais importante para toda a equipe”, disse o diretor. “Estou muito feliz em saber que a minha obra serviu a um teatro de qualidade”, completou o cantor goiano.

ElencoEm cena, estão intérpretes de três gerações de musicais brasileiros: Watusi (primeira brasileira e negra a estrelar um show no mítico Moulin Rouge, em Paris), Jones Schneider (de “O Tocador da Viola Envenenada”), Luiz Filipe Ferreira (“O Tocador da Viola Envenenada”), Camila Guerra (“OperAta”), Gabriela Corrêa (“L, O Musical”), Rodrigo Mármore (“Á Margem do Abrigo”), Tainá Baldez (“L, O Musical) e Renato Milan (do projeto “Garçons que Cantam”).

Publicidade
Publicidade