Terça-feira, 12 de Novembro de 2019
Vida

Musical ‘Eterno Aprendiz Eterno - Gonzaguinha’ chega a Manaus

Não dá mais pra segurar, explode coração... Esta é a sensação dos amantes da Música Popular Brasileira ao saber que o espetáculo desembarca na cidade



1.jpg Espetáculo intercala músicas de Gonzaguinha e dramaturgia
19/07/2015 às 15:13

Com um repertório que intercala dramaturgia e 16 canções, os fãs de Gonzaguinha poderão conferir nos dias 31 de julho e 1º de agosto, às 21h, no Teatro Manauara, um repertório que inclui as músicas “Explode Coração”, “Recado”, “Começaria Tudo Outra vez” e “Muleque”, além do texto dramatúrgico do poeta paraibano Gildes Bezerra.

O BEM VIVER conversou com o ator e produtor Rogério Silvestre, que dá vida ao cantor. Ele encena momentos marcantes da vida do artista carioca, como a influência da infância no Morro do São Carlos, no Rio de Janeiro, os primeiros passos na carreira artística, os embates com a ditadura militar e a relação conflituosa com o pai Luiz Gonzaga. Ele garante que além dos textos, a banda que interpreta as canções de Gonzaguinha é espetacular.



“O diretor musical é o Rafael Toledo, muito conhecido em Minas e já tocou com vários artistas da MPB. As 16 músicas são interpretadas pelos instrumentistas Omar fontes (pianista e tecladista), Peter Mesquita (baixista), Alcione Ziolkowki, que já tocou com Zeca Baleiro, e o Buda. Os vocais ficam a cargo da jovem, porém talentosa Bruna Moraes, e do Paulo Francisco Tiso (Tutuca), que por curiosidade tem um timbre muito parecido ao do Gonzaguinha. Além disso, o pai dele é o guitarrista Fredera, que acompanhou a banda do cantor durante alguns anos, e seu tio é o pianista Wagner Tiso, que nos anos 70 fez alguns arranjos de canções para Gonzaguinha”, disse o ator.

Manaus

A equipe ficou muito feliz de ter no roteiro Manaus e ele se declara admirador da cidade. “Eu senti vontade de conhecer a cidade depois de assistir um filme do cineasta alemão Werner Herzog, no qual ele grava no teatro, e eu considero o Teatro Amazonas um dos mais bonitos do nosso País, apesar de que não vou me apresentar lá, mas vou conhecer. Além disso, a cidade tem uma importância dentro do quadro brasileiro e o Amazonas no quadro mundial, já que está na maior floresta tropical do mundo”, disse Rogério.

Ele acredita no sucesso da apresentação na cidade, pois todo mundo já teve um momento marcante embalado por alguma canção do cantor. “As músicas do Gonzaguinha já fizeram ou ainda fazem parte da vida de muita gente, sendo na voz dele ou de outros artistas. Assim aconteceu comigo logo no início da carreira. Eu saí da minha cidade para o Rio e não tinha nada, não conhecia ninguém e assim que cheguei ganhei o cd do Gonzaguinha, que tinha a música “O cavaleiro solitário” e essa música me tocava muito, pois eu achava que tudo ia ser fácil e de repente eu percebi que não bem era assim.”

O ator garante que o espetáculo toca a alma dos espectadores. “O público ri e chora, mas no final sai em êxtase e com alegria de viver. O espetáculo toca o coração das pessoas de uma maneira diferente. Você sai com vontade gritar eu amo a vida, a vida é bela”.

Rogério diz estar contente com a repercussão do espetáculo pelas cidades por onde passou e que interpretar o cantor foi caso do destino. “No início eu não estava no projeto, pois vivia no Rio e até estava em cartaz. Fui a Minas fazer uma visita e acabei acompanhado um dos ensaios, quando o ator que iria interpretar Gonzaguinha teve que sair do projeto 15 dias antes da estréia e surgiu o convite. Foi um grande desafio”.

Curriculo recheado

 Rogério Silvestre começou no teatro em 1998, em Minas Gerais e em 1999 foi para o Rio, onde se profissionalizou no Liceu de Artes e Ofício e fez faculdade de cinema. No currículo estão mais de 40 espetáculos, entre adultos e infantis, alguns curtas-metragens além de trabalhos em novelas na Rede Record e na rede Globo. Saiu do Rio e se dedicou a levar algumas produções, juntamente com o pai, para outras cidades.

O Musical

O espetáculo  “O Eterno Aprendiz Eterno – Gonzaguinha” foi criado em 2009, no Sul de Minas Gerais, na cidade de Itajubá, pelo produtor Kleber Lincon e o maestro Amaury Vieira, que encontraram nas músicas e vida do cantor Gonzaguinha, uma inspiração para a realização do projeto. O texto é do poeta paraibano Gildes Bezerraque, que já assinou os roteiros dos shows “Dom Quixote” e “pré-8- Rede nacional”, e que deu ao espetáculo a interpretação da alma do artista, desnudando os seus sentimentos nos momentos da composição de suas canções. Depois de estrear em Minas e passar por temporadas em São Paulo, o espetáculo foi consagrado em 2013, com cinco temporadas de casa lotada em Salvador, duas em São Luís e uma em Belo Horizonte.

Gonzaguinha

Luiz Gonzaga do Nascimento Junior, nasceu em 1945, no Rio de Janeiro. Compôs sua primeira canção aos 14 anos, dando início a carreira de um artista de composição refinada, mas sem perder como base a cultura popular, dando voz às angustias do país, principalmente no período da Ditadura Militar, quanto às paixões arrebatadoras que fazem explodir corações. Gonzaguinha faleceu aos 45 anos, em um acidente de carro, mas teve sucessos interpretados nas vozes de Elis Regina, Maria Bethânia, Fagner, dentre muitos outros.

Serviço

O quê:  Musical “O Eterno Aprendiz Eterno – Gonzaguinha”
Quando:  31/07 e 01/08, às 21h 
Onde: Teatro Manauara (Av. Mario Ypiranga Monteiro, 1300, Adrianópolis)
Quanto: Setor A (R$ 60)/Setor B (R$ 50)
Informações:  Através do telefone (92) 3342-8030


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.