Publicidade
Entretenimento
Vida

Nesta sexta-feira, 29, Silvetty Montilla se apresenta no Teatro Manauara e no TS Club

A diva drag faz parte da famosa trupe “Terça insana”. Silvetty exibe seu humor nos palcos de todo o Brasil há quase 30 anos 26/05/2015 às 14:11
Show 1
Silvetty conta histórias e bate bola com o público em “É o que tem para hoje”
Jony Clay Manaus (AM)

Dois anos depois de se apresentar em Manaus com a trupe do “Terça insana”, Silvetty Montilla volta à cidade com “É o que tem pra hoje!”. O novo espetáculo de humor da diva drag é também o seu primeiro em estilo stand-up comedy, mas o formato não é nenhuma novidade para ela, que há 28 anos vem exibindo seu humor nos palcos de teatros, bares e clubes noturnos de São Paulo e do resto do País.

“Até pessoas como Nany People, que é bem conceituada em se tratando de stand-up, dizia que isso é o que eu faço. O que mudou é que hoje colocaram um nome”, comenta Silvetty, que apresenta seu “É o que tem pra hoje!” no Teatro Manauara nesta sexta-feira, dia 29, às 21h. No palco, ela revela o talento e a experiência de quase três décadas de humor.

“Tem humor, tem tudo, e é o que tem pra hoje, como eu costumo dizer. Tem um pouquinho de tudo o que faço, do que acontece no meu dia a dia, nos meus shows, nos meus 28 anos de carreira”, antecipa ela sobre o show, que terá ainda a participação de Vagner Cavalcante, também diretor do espetáculo, e do ator e comediante amazonense Arnaldo Barreto, que apresenta sua personagem Marília Garbaré, sátira da entrevistadora Marília Gabriela.

'REVIVAL'

Após a apresentação no Manauara, Silvetty ainda bate ponto no TS Club, onde comanda o “Revival Silvetty Montilla”. Na casa a partir das 23h30, a artista revive episódios de sua carreira na cena noturna gay. Histórias e momentos divertidos para relembrar é o que não faltam na trajetória dessa artista, cuja bagagem inclui nada menos que os papéis de transformista, ator, humorista, cantor, apresentador, repórter e bailarino.

“Quando comecei minha carreira eu só dançava, era bailarino. Depois veio o transformista. Hoje o nome mais forte é drag queen, mas na época se usava ‘ator transformista’ para o homem que se veste de mulher”, recorda a artista, que embora assuma o título de drag, não é adepta do visual espalhafatoso comum ao estilo. “Sou mais mulher, feminina, sem exagero”.

Silvetty – nascido Silvio Cássio Bernardo – ainda dividiu o trabalho nos bares e clubes com o de auxiliar de promotoria em São Paulo, antes de optar pelo primeiro. “Sempre fui boêmio, gostava da noite, não gostava de acordar cedo”, diz. A partir daí, outros talentos vieram à tona, como o de apresentadora – que surgiu quando ela teve de substituir uma colega num bar no interior paulista.

“O bar estava cheio. Estavam esperando outra apresentadora, e entro eu. O povo xingava, e eu gritava de volta”, conta ela, divertida, que apesar disso fez sucesso, e desde lá segue a mesma fórmula nos palcos. “Meu show é muito de improviso. É um bate-bola, as pessoas falam e eu respondo”.

TV E MUITO MAIS

Além dos palcos, o talento também levou Silvetty aos teatros, atuando em peças tradicionais, e à televisão, onde teve participações em programas como o “Eliana”, “Toma lá dá cá” e o mais recente “Pé na cova”, estes a convite de Miguel Falabella. “Sou fã número zero do Falabella, acho ele um rei Midas”, declara a drag.

Silvetty também se arriscou na política – foi duas vezes candidata a vereadora por São Paulo, mas não levou, apesar de ter tido boas votações. Por ora, a célebre artista do universo gay prefere dar um tempo nas urnas, dedicando-se mais aos shows pelo Brasil todo – inclusive Manaus, onde os fãs já demonstram ansiedade pelas redes sociais. “Muita gente me conhece aí e já manda mensagens pelo Instagram”, conta ela, que também deixa seu recado: “Espero que vão ao teatro, espero fazer o meu melhor e que seja uma coisa maravilhosa, para podermos voltar uma outra vez”.

ORIGEM

Nascido Silvio Cássio Bernardo, em 1967, é um dos maiores artistas da noite gay brasileira. Recebeu vários títulos de beleza gay, como o Miss Brasil 1990 ou o Miss Cidade de São Paulo. Em 28 anos de carreira, vem fazendo shows em clubes de todo o Brasil. Atuou ainda em várias peças teatrais e fez participações em atrações televisivas, como “Eliana” e “Pé na cova”. Estreia em breve na peça “As três Marias”, em São Paulo.

SERVIÇO

O que é: Espetáculo de humor “É o que tem pra hoje!”, com Silvetty Montilla

Onde: Teatro Manauara, Manauara Shopping, avenida Umberto Calderaro Filho, 1.300, Adrianópolis

Quando: Sexta-feira, dia 29, às 21h

Quanto: R$ 30 (meia), à venda na bilheteria do local e pelo www.ingresse.com

O que é: “Revival Silvetty Montilla”

Onde: TS Club, Boulevard Vivaldo Lima, 33, Centro

Quando: Sexta, dia 29, a partir das 23h30

Quanto: R$ 25, à venda na bilheteria do local

Realização: ON Assessoria & Produção Cultural


Publicidade
Publicidade