Quinta-feira, 21 de Novembro de 2019
Vida

No ar em 'Os Dez Mandamentos', Carlos Bonow fala de personagem vilão e carreira artística

Em entrevista exclusiva ao BEM VIVER TV, ator carioca lembra como começou a atuar e revela o nome de uma colega com quem sonha em contracenar um dia



1.jpg Ahmós é proprietário do prostíbulo Casa de Senet
24/07/2015 às 14:29

Na novela bíblica “Os Dez Mandamentos” (Record/TV A Crítica), Ahmós é um sujeito manipulador que está sempre preocupado com os próprios interesses. Para o dono do prostíbulo Casa de Senet, suas empregadas não passam de mercadorias que ele oferece aos poderosos do Egito em troca de informações sobre seus lados ocultos. Quem dá vida ao personagem com ares de vilão é o ator carioca Carlos Bonow, 42, que conversou com o BEM VIVER TV sobre o sucesso da atração, projetos futuros, rotina fitness e muito mais.

Ele diz apostar suas fichas, por exemplo, na presença de Ahmós na trama de “Os Dez Mandamentos”. “Esse não é meu primeiro vilão, mas eu estou vendo que ele vem pesado. Na própria Record eu já fiz um cara da máfia em ‘Poder Paralelo’ e um vilão ‘Máscaras’, mas esse último era um pau mandado, tapado, enfim. O Ahmós não, ele é poderoso, é o cara. Ninguém manda nele”, comenta.



conjunto da obraPara Bonow, que passou por uma série de folhetins na Globo antes de assinar com a Record, esse tipo de personagem impõe outros tipos de desafio ao ator. “É um universo totalmente diferente do meu. O Ahmós não tem nada a ver comigo, então o grande desafio é construir um universo com o qual a gente não se identifica e tomá-lo como se fosse 100% nosso”.

Ele atribui o sucesso da novela inspirada na história de Moisés ao conjunto da obra: elenco, figurino, trama, etc. “Acho que a Vivian [de Oliveira, a autora] acertou em cheio. É impressionante como ela escreve bem, a maneira que ela coloca a trama e respeita a Bíblia. O figurino é maravilhoso, o cenário é incrível. O sucesso vem de tudo isso somado à direção do Avancini e graças aos investimentos gigantescos da Record. Boa parte dos efeitos especiais, por exemplo, são feitos em Londres”.

Tudo ao mesmo tempo

Bonow deu início à carreira artística para valer aos 17 anos, mas antes disso ele chegou a fazer algumas figurações na televisão. “Eu morava na Barra da Tijuca e nessa época não tinha nada para ator lá, nenhum curso. Então comecei fazendo figuração para ver como funcionava o mundo da televisão e, por meio de indicações, acabei iniciando também no teatro, que era o que eu queria. Foi maravilhoso”, recorda.

O desejo de ser ator veio junto com a adolescência e com a recusa dele em se formar engenheiro, médico ou advogado. “Pelo contrário, eu queria ser tudo aquilo ao mesmo tempo e não me imaginava tendo uma rotina. Eu estava começando a gostar de teatro e vi que ali eu poderia me realizar, ser tudo que eu pudesse ser. As coisas começaram a se encaixar nessa época”.

Filem e musical

Hoje ele tem mais de 20 peças no currículo, inúmeras campanhas publicitárias e papéis interpretados em novelas (como “Malhação”, “Senhora do Destino” e “Pé na Jaca”) e no cinema (“Se eu fosse você 2” e “Até que a sorte nos separe”). Dia 7 de agosto o ator estreia o musical “Estúpido Cupido”, em que canta e dança um repertório sessentista, e tem em vista o filme “Escravidão”, que vai dirigir ao lado de Alessandra Lelis.

“São muitas pessoas”, responde Bonow quando perguntado sobre com quem gostaria de trabalhar no futuro. “Sobretudo com a Glória Pires, que foi minha fada madrinha no início da minha carreira e me preparou no meu primeiro teste. Eu trabalhei com ela em ‘Se eu Fosse Você 2’, mas tomara que venha outro longa-metragem ou alguma coisa que possamos fazer juntos, já que ela não é de teatro”.

Intimidade com o mar

Com o corpo enxuto aos 42 anos, Carlos Bonow mantém o corpo e a mente em harmonia à base de muito exercício e proximidade com a natureza. Por isso, não é raro ver o ator pegando uma onda nas praias do Rio. Ele diz que o mar é para onde costuma fugir quando quer relaxar. 

“Surfar é o que recarrega minhas energias. Fora isso, faço treinamento funcional pesado de 4 a 5 vezes por semana com Claudio Castilho Baiano. Não me privo de nada, mas balanceio e tento não comer muito à noite. Adoro cerveja, churrasco e comidas pesadas, mas procuro sempre manter o equilíbrio”.

Uma companhia de todas as horas é o filho dele de cinco anos, Conrado. “Tenho um filhão maravilhoso que já é um artista. Ele assiste a ‘Os Dez Mandamentos’ comigo e adora. Estamos sempre brincando juntos, indo ao cinema ou ao teatro. O importante é nós nos divertirmos juntos em qualquer atividade”.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.