Publicidade
Entretenimento
Vida

Nova técnica manual colabora no pós-operatório

Novidade, Liberação Tecidual Funcional (LTF) garante melhores resultados após cirurgias plásticas no tratamento pós-operatório 02/04/2015 às 13:29
Show 1
Técnica de Liberação Tecidual Funcional
Jéssica Amorim Manaus

Os dados não negam, o número de pessoas, entre homens e mulheres, que procuram em cirurgias plásticas possibilidades de melhoras estéticas só aumenta. Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), o Brasil já é o País que mais realiza essas cirurgias em todo o mundo, sendo mais comum a lipoaspiração, o implante mamário de silicone, além de procedimentos faciais.

Mas o que nem todo mundo sabe, sobretudo aqueles que realizam a primeira cirurgia, é qual o tratamento pós-operatório mais adequado para fazer. A cirurgia plástica, por ser uma técnica invasiva, costuma desenvolver aderências e fibroses causadas pelos traumas nos tecidos, que comprometem a elasticidade e movimento da pele, além de causar dor, retração e inchaço.

Para tratar dessas inconvenientes consequências, uma novidade foi desenvolvida não tem muito tempo, a Liberação Tecidual Funcional (LTF). Segundo a fisioterapeuta dermato funcional Adriana Guerreiro, “a LTF é uma técnica de terapia manual baseada em pesquisas científicas sobre tensão mecânica versus reparo tecidual. Ela tem a função de reorganizar as estruturas do tecido, devolvendo o metabolismo e a funcionalidade”.

A nova técnica é interessante por garantir o resultado esperado com a cirurgia, pois muitas vezes acontece das pessoas fazerem tratamentos equivocados que acabam piorando ainda mais a situação das aderências e fibroses, quando não se submetem a uma nova cirurgia, acreditando que isto poderá resolver o problema.

Fundadora da primeira clínica em Manaus a oferecer o serviço, Adriana Guerreiro desenvolve o LTF desde 2012, após ter feito o curso com a responsável pela criação da técnica, a fisioterapeuta Mariane Altomare, e garante que outros procedimentos não possibilitam resultados tão positivos. “Só fazer drenagem e fisioterapia não é suficiente. A pessoa fica tempos e tempos fazendo o tratamento e a fibrose não sai, normalmente só estão estimulando ainda mais o colágeno presente no tecido”.

O paciente interessado na nova técnica deve passar por um procedimento de avaliação, e logo após a cirurgia pode realizar a drenagem linfática, que ajuda a aliviar a dor, respeitando o reparo fisiológico. Segundo Adriana, este processo pode ser realizado nas primeiras semanas do pós-operatório, todos os dias. Já o LTF só é recomendado após o décimo quarto dia, que é o período em que se começa a notar a rigidez da região operada.

É importante saber também que a técnica não deve ser aplicada com freqüência. “O corpo precisa de um tempo para apresentar uma resposta. Não adianta fazer todos os dias. A própria doutora Mariana Altomare sugere que o tratamento seja feito uma vez por semana, ou a cada quinze dias, dependendo do caso, para que se possa observar uma evolução”, conta Adriana.

Quando realizar LTF?

A indicação principal da LTF é para cirurgias plásticas, entretanto Adriana conta que é possível realizá-la em outros tipos cirúrgicos, como em procedimentos de retirada de apêndices, que costumam apresentar tecidos rígidos após a cirurgia ou até mesmo na região de cicatriz do parto cesariana, apesar de ser um processo diferenciado. “Acontece das mulheres terem aderência, ai já é diferente, é uma retração cicatricial. Depois que o corpo já cicatrizou mesmo, podemos começar a trabalhar”.

Além disso, entre os pacientes que realizam cirurgia plástica, os que mais procuram o tratamento da LTF são os que realizaram a lipoaspiração. “A técnica pode ser utilizada para o pós-operatório em geral, mas em função da realidade, digo que o procedimento mais comum é a lipo”, afirma Adriana.

Como a estudante de biomedicina, Jéssica Souza, 22 anos, que realizou a lipoaspiração há cinco meses e é paciente de Adriana na Clínica Dermato Funcional. Jéssica conta que devido a fibrose chegou a pensar em fazer uma nova cirurgia para “retocar”. “Fiz por questões estéticas. Primeiro teve a drenagem e depois voltei para tratar a fibrose mesmo. Pensei em tirar mais, mas a Adriana me disse que não preciso de uma nova cirurgia, só continuar tratando a fibrose com a LTF”. E ela se mostra bastante satisfeita, “gosto muito, indico para todas as minhas amigas. Na hora dói um pouco, mas toda vez que faço a sessão, sinto alívio, me sinto outra pessoa”.

A técnica ainda não é muito difundida no Brasil, Adriana acredita que mesmo que vários profissionais a conheçam, ainda é preciso estudar e se aprofundar mais nas pesquisas, mas já acredita muito na potencialidade da técnica, “o que buscamos aqui é trazer qualidade, diminuir a dor e trazer o resultado estético que o paciente queria com a cirurgia”.

Na Clínica Dermato Funcional, há outros trabalhos diferenciados, como a reabilitação de pacientes mastectomizados, tratamentos especiais para gestantes e para o pós-parto, além de serviços de estética facial e corporal.


Serviço

O quê: Liberação Tecidual Funcional

Onde: Clínica Dermato Funcional – Travessa São Pedro Nº5, Lírio do Vale II

Telefone: 99422-0279/98113-9303


Publicidade
Publicidade