Quinta-feira, 21 de Novembro de 2019
Vida

Novo filme de Sérgio Andrade começa a ser filmado em 2014

Após o sucesso “A Floresta de Jonathas”, o cineasta vai contar a história de um jovem indígena que resolve sair de sua comunidade e ir para a cidade. O longa será rodado em Manaus e os testes com atores já começaram



1.jpg Cineasta Sérgio Andrade trabalha em novo filme
10/09/2013 às 17:13

O cineasta amazonense Sérgio Andrade já está com um novo filme no forno. Após o bem sucedido “A Floresta de Jonathas”, o diretor está trabalhando no longa “Antes o tempo não acabava”, que deve começar a ser filmado no ano que vem.

O longa vai contar a história do personagem fictício Anderson, um jovem indígena, com 20 anos de idade, que entra em choque com tradições arcaicas e acaba deixando a comunidade onde mora e seguindo para o centro de Manaus.



“O filme vai mostrar ainda o velho pajé da comunidade querendo refazer um ritual da iniciação masculina, pois acredita que Anderson ficou ‘sem coragem para o mundo’”, explica Sérgio.

O roteiro foi contemplado no Petrobras Cultural e no Ibermídia, e está em processo de pré-produção. As filmagens devem começar em agosto de 2014. Já foram feitos alguns testes iniciais com atores e não-atores indígenas e o diretor já adiantou que todas as filmagens serão feitas em Manaus.

A respeito da expectativa dessa nova produção, Sérgio garante que aprendeu muito com “A Floresta...” e prevê bons resultados para o novo projeto. “Com 'A Floresta', aprendi que ter produzido e dirigido uma obra totalmente amazônica, com pessoal e conceitos amazônicos, um olhar de alguém local sobre sua própria terra, tentando evitar os clichês e estereótipos recorrentes, agrada público e crítica, acredite. Por tudo isso, estou bastante contente nessa nova produção e menos ansioso do que quando fiz ‘A Floresta’”, destacou.

 

Experiência acumulada

Sérgio Andrade percorreu vários lugares exibindo o filme “A Floresta de Jonathas” e disse ter percebido que o público aprovou o material. Desde que estreou no Festival do Rio, ele já percorreu 16 festivais de cinema, sendo oito fora do País, e ainda tem uma agenda fechada de festivais para ir até dezembro deste ano.

O filme também será lançado nos cinemas de Manaus, São Paulo e Rio de Janeiro no próximo mês de dezembro e está sendo exibido nos vôos da Air France.

Além disso, o diretor já negociou o longa em três países europeus para circuito comercial em salas de cinema e com uma TV internacional – que ele ainda prefere manter em segredo. Antes do filme, Sérgio já havia vendido o curta “Cachoeira” para um canal em Portugal e na Espanha.

“Essa escalada do filme em festivais fez o mundo aplaudir e nos dá muita satisfação. A receptividade tem sido muito boa e cada lugar tem particularidades quanto às opiniões de público", avalia o cineasta. "Na Europa, por exemplo, é muito observado a faceta artística do filme. O oriental admira muito o lado 'atmosfera' do longa, a natureza, o ambiente. Já o Ocidente e o Brasil se surpreendem com uma Amazônia vista por um outro ângulo e cheia de novos conceitos”, completa.

Novos projetos

Para o futuro, o diretor revelou que quer voltar a fazer curtas e tem o plano de fazer uma animação infantil, em 2015 ou 2016. “Nas minhas viagens, andei filmando umas coisas bem interessantes que pretendo transformar num curta documentário experimental”.



Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.