Publicidade
Entretenimento
Vida

O repertório de Elis Regina cantado por eles

Pedro Mariano convidou cantores para homenagear a mãe  03/02/2013 às 14:23
Show 1
Pedro Mariano
Omar Gusmão ---

Um pouco tarde para as comemorações dos 30 de morte de Elis Regina, mas ainda a tempo para rememorar a obra imortal da maior cantora que o Brasil já viu e ouviu, chega às lojas nesse início de ano o CD, DVD e Blu-Ray “Elis por eles”. O projeto idealizado por Pedro Camargo Mariano, filho de Elis, reúne um time eclético dos melhores cantores brasileiros em torno do cancioneiro celebrizado pela “Pimentinha”, morta em 1982.

São 14 cantores adeptos dos mais variados estilos musicais – do sertanejo ao pop rock, passando – é claro – pela MPB. Abrindo o show (que foi gravado no dia 2 de agosto de 2012 no teatro Positivo, em curitiba), Jair Rodrigues solta voz cantando “Upa neguinho” e “Arrastão”, sucessos da época em que ele e Elis apresentavam o programa “O fino da bossa”. Em seguida, Jorge Vercilo canta “Mestre sala dos mares” e Moska (ex-Paulinho) ataca de “Nada será como antes”.

Representante da novíssima geração, Filipe Catto mostra por que é considerado uma das mais belas vozes do atual cenário da MPB exibindo uma belíssima interpretação de “Tatuagem” com sua marcante voz de timbre feminino.

Oitentão

Depois de Emílio Santiago apresentar uma versão burocrática de “Só tinha que ser com você”, Cauby Peixoto mostra que está em plena forma aos 80 anos cantando “Dois pra lá, dois pra cá”. Cauby surge no palco em um telão, numa gravação, mas mesmo sem a presença no palco é uma das performances mais marcantes do show.

Ícone dos anos 1980, o Roupa Nova se transforma num grupo vocal e canta “Casa no campo” a capela, com um arranjo de vozes. Como toda a obra do grupo, o resultado fica na tênue fronteira entre o belo e o brega.

Na segunda parte do show, os destaques ficam por conta de Diogo Nogueira, com “Amor até o fim”e Seu Jorge com “Cai dentro”. Tem também Lenine cantando “Atrás da porta”, Jair Oliveira com “Madalena”, Rogério Flausino entoando “Aprendendo a jogar”, Chitãozinho e Xororó em “Como nossos pais” e o próprio Pedro Mariano numa emocionante versão de “O bêbado e a equilibrista”.

Num final apoteótico e comovente, todos se reúnem no palco para cantar “Redescobrir”. Uma homenagem à altura da genialidade de Elis.


Publicidade
Publicidade