Sábado, 25 de Maio de 2019
Música erudita

Ópera ‘Adriana Lecouvreur’ estreia nesta sexta-feira (27) no Teatro Amazonas

Atração do Festival Amazonas de Ópera, drama revive história de diva da França do século 19



festival.JPG
Atriz francesa Adrienne Lecouvreur inspirou drama homônimo / Foto: Heloisa Bortz/Divulgação
26/05/2016 às 14:36

Considerada uma das maiores estrelas de sua época, a atriz francesa Adrienne Lecouvreur (1692-1730) não deixou os palcos nem mesmo após a morte. Além do talento, ela seria lembrada para sempre pela relação amorosa com o conde Maurice de Saxe, pelo fim precoce, que rumores atribuíram ao envenenamento por uma amante rival, e até pela posterior recusa da Igreja Católica em dar a ela um enterro cristão. Sua história trágica inspirou várias peças e dramas líricos, dentre eles “Adriana Lecouvreur”, do italiano Francesco Cilea, que chega ao palco do Teatro Amazonas amanhã, às 20h, dentro do Festival Amazonas de Ópera (FAO).

A ópera de Cilea, baseada numa peça de Eugène Scribe e Ernest Legouvé de 1849, gira em torno de Adriana, de seu amante Maurizio, conde da Saxônia, e da rival da atriz, a Princesa de Bouillon. A história começa nos bastidores do Comédie-Française, em Paris, e o conflito entre Adriana e a Princesa evolui ao mesmo tempo em que a atriz é cada vez mais reconhecida pelo seu talento.

Adriana, afinal, era uma estrela do showbiz de sua época. Essa noção inspirou o diretor cênico André Heller-Lopes e o diretor musical e regente, Luiz Fernando Malheiro, a trazer a história de amor, traição e vingança ambientada num célebre teatro francês para a atualidade, tendo a hiperexposição midiática e a cultura de celebridades que marcam os dias de hoje como pano de fundo.

“André teve a ideia de que toda a trama se passa num estúdio de televisão, onde há atores, câmeras e microfones ao redor o tempo todo”, conta Malheiro, também diretor artístico do FAO. A montagem, ele assinala, traz “um pouco dessa disputa de celebridades, de excesso de exposição, de fotos, de gente fazendo selfies o tempo todo, de todo mundo sabendo da vida de todo mundo pela mídia”.

Parceria

“Adriana Lecouvreur” é uma coprodução do FAO com o Theatro São Pedro (SP) do qual Malheiro também é diretor artístico e onde a montagem foi encenada há um mês. A remontagem em Manaus, com Edson Vigil à frente, manteve boa parte do elenco original, incluindo a soprano Daniella Carvalho – que fez o papel principal de “Manon Lescaut” no FAO em 2014 –, no papel principal, e a meio-soprano Denise de Freitas, no papel da Princesa de Bouillon.

A montagem no TA tem no elenco ainda quatro cantores líricos do cenário local – Carol Martins, Thalita Azevedo, Fabiano Cardoso e Rafael Lima – e alguns bailarinos do Corpo de Dança do Amazonas (CDA), além do tenor gaúcho Juremir Vieira no papel de Maurizio, no lugar de Eric Herrero, da versão paulista.

O diretor artístico enfatiza o valor da parceria entre o FAO – realizado pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Cultura – e o São Pedro, a primeira a reunir duas instituições de diferentes localidades. “Isso é muito importante, em especial numa época de crise como hoje. Quanto mais os teatros se unirem para dividir custos, mais vamos poder fazer mais coisas. Brigamos por isso há muitos anos, e pela primeira vez estamos podendo fazer”, aponta.

Redescoberta

A parceria entre Manaus e São Paulo permitiu trazer “Adriana Lecouvreur” de volta aos palcos brasileiros após mais de meio século – a última encenação da peça no País foi em 1964. “Ela foi sempre uma peça querida do público operístico, depois caiu no esquecimento, e hoje tem voltado em novas produções e gravações”, assinala Malheiro.

A peça de Cilea é representante do verismo, corrente artística que ganhou espaço na ópera a partir do final do século 19, buscando temas mais próximos da vida cotidiana em lugar dos temas históricos, míticos e grandiosos do Romantismo. Para Malheiro, é também uma peça de grande beleza, que promete encantar o público local.

“É uma ópera super-romântica, muito bonita e fácil de ouvir. Vejo isso mesmo nos bastidores, onde as pessoas ficam extremamente comovidas a cada ensaio. As pessoas vão se comover”, conclui.

Legado

Além de peças e óperas, a história de Adrienne Lecouvreur deu origem a vários filmes, entre eles “Dream of love” (1928), clássico mudo da MGM estrelado por Joan Crawford.

Concerto

Em sua reta final, o FAO 2016 realiza o Concerto Bradesco IV, no dia 30, segunda-feira, às 20h, no Teatro Amazonas, com ingressos a partir de R$ 5 (inteira). Sob regência de Hermes Coelho, o Grupo Vocal do Coral do Amazonas e a Orquestra de Câmara do Amazonas interpretam árias de óperas dos séculos 17 ao 19.

Serviço

O que é: ópera “Adriana Lecouvreur”, de Francesco Cilea – 19º Festival Amazonas de Ópera

Onde: Teatro Amazonas, Largo de São Sebastião, Centro

Quando: sexta, dia 27, e terça-feira, dia 31, às 20h; e domingo, dia 29, às 19h

Quanto: Ingressos de R$ 5 a R$ 50 (valores de inteira), dependendo da localização do assento. À venda na bilheteria do local ou pela BestSeat (www.bestseat.com.br)

Informações: (92) 3232-1768


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.