Sábado, 20 de Julho de 2019
Vida

Os incômodos causados por torções: o que fazer e o que evitar?

De acordo com o ortopedista, o tratamento desse tipo de lesão é acompanhado da prescrição de antiinflamatório - não hormonal. “Em alguns casos, tratamos também com analgésicos”, completou o médico



1.jpg Caso o prazo estipulado para a recuperação seja completo e o paciente continue a sentir desconforto na área da lesão, ele deverá retornar ao ortopedista
11/07/2013 às 00:02

Quem assistiu à apresentação da Cunhã-Poranga do Boi Garantido Tatiane Barros, no Festival Folclórico de Parintins, não imagina o “perrengue” que a musa do bumbá passou na Ilha Tupinambarana. Na quarta-feira que antecedeu a festa, em um dos ensaios da batucada, a cunhã sofreu uma entorse no tornozelo direito.

Determinada a se apresentar no final de semana, Tatiane utilizou-se de compressas com gelo, antiinflamatórios e analgésicos para suportar a dor e defender o item no Bumbódromo, esforço que valeu a pena: o Garantido se sagrou campeão da 48ª edição do festival. “No dia em que saiu o resultado, achei que nem fosse conseguir ir à festa da vitória, tamanha era a dor”, confessou a musa.

No entanto, segundo o ortopedista Rafael Jacob Benoliel, a coragem da cunhã foi bastante arriscada. “Existe um protocolo para contusões e entorse, o P.R.I.C.E.”, revelou o médico. Neste conjunto de procedimentos, o paciente deve seguir, a partir do momento em que sofrer a lesão, cinco etapas, representadas pelas letras do protocolo. São elas: Protection (Proteção), Rest (Repouso/Descanso), Ice (Gelo), Compression (Compressão) e Elevation (Elevação).

Além desses procedimentos, é recomendável, também, que o paciente realize fisioterapia, independente da gravidade da entorse.

“A fisioterapia é indispensável. Em todo e qualquer caso é recomendada, porque é ela que vai acelerar a cicatrização. Hoje em dia, a fisioterapia anda de mãos dadas com a ortopedia”, defendeu Rafael, que, atualmente, atende no Pronto Socorro de Fraturas Ltda., no Millennium Center (Avenida Constantino Nery, 4º andar, sala 409).

Remédios

De acordo com o ortopedista, o tratamento desse tipo de lesão é acompanhado da prescrição de antiinflamatório - não hormonal. “Em alguns casos, tratamos também com analgésicos”, completou.

O tempo de tratamento com remédios depende da resposta de cada paciente. Um trauma razoável, por exemplo, leva entre 7 e 10 dias para obter uma resposta satisfatória. “Em casos mais graves, o tratamento pode continuar por até dois meses”, frisou Rafael.

Caso o prazo estipulado para a recuperação seja completo e o paciente continue a sentir desconforto na área da lesão, ele deverá retornar ao ortopedista. “Pode ter ocorrido uma lesão interna ou a lesão de alguma cartilagem, o que leva à artrose. Aí tem que fazer ressonância magnética ou tomografia, em alguns dos casos”, encerrou o médico.

Salto: com uma resposta de tratamento satisfatória, a mulher pode voltar a usá-lo em duas semanas.

Bota ortopédica: são recomendadas em entorses mais graves, dos tipos 2 ou 3.

Compressa: deve ser realizada sempre com gelo. Máximo de 20 minutos e em intervalos de 3h.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.