Publicidade
Entretenimento
Projeto Apoena

Os velhinhos e as crianças: 'Linhas do tempo' desembarca em escolas públicas

Inaugurada em 2013, a primeira exposição já teve mais de cinco mil visitantes 03/04/2016 às 07:00 - Atualizado em 03/04/2016 às 16:46
Felipe Wanderley Manaus (AM)

Em 2013, a exposição “Linhas do Tempo” lançou a jovem artista plástica Hadna Abreu como uma das mais talentosas de sua geração e foi um sucesso entre públicos de todas as idades. Quase três anos depois de sua inauguração na Galeria do Largo, e de bem recebidas passagens por duas importantes capitais brasileiras – Salvador e São Paulo –, eis que os “velhinhos” estão de volta.

Espécie de tributo poético à chamada Terceira Idade, a exposição compõe a programação do projeto Apoena, que leva apresentações, palestras, oficinas e outras atividades artísticas para escolas da rede pública municipal de Manaus entre os meses de março a junho deste ano, com patrocínio do edital de Ocupação Artística da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos, ManausCult.

As obras, 11 ilustrações e duas esculturas, serão exibidas de 25 a 29 de abril, na Escola Municipal Raimundo Theodoro Botinelly, na Comunidade Riacho Doce III, e de 23 de maio a 2 de junho, na Comunidade Católica São Mateus, ambos na Zona Norte de Manaus. É a primeira vez que o trabalho é exposto especialmente para o público de jovens e crianças, e a novidade tem animado a artista.

“Mesmo eles não estarem acostumados tanto à arte, acho que o tema é um pouco próximo deles, o fato de se trabalhar com idosos. Toda criança maioria tem avó, tio idoso, alguém na história dele que ele tenha referência. A exposição é algo diferente, mas ao mesmo tempo familiar”, diz a artista plástica, que conversou com a reportagem do Bem Viver sobre a expectativa para a exposição nas escolas.

“Não vai ser algo tão diferente para eles do que se fosse uma exposição de arte contemporânea, abstrata. O público (infanto-juvenil) às vezes percebe coisas que o adulto não percebe, são mais sensíveis”, diz a artista, que estará presente na exposição. “Vai ter uma paradinha pra explicar o meu trabalho, quem eu sou, qual a minha profissão, o que os trabalhos representam pra mim”, diz ela, cuja inspiração para a obra veio dos avós, que depois do sucesso da primeira exposição, até hoje recebem visitas de pessoas que só os conheciam por meio do traço e da sensibilidade artística de Abreu.

Projeto Apoena

De autoria da bailarina amazonense Francis Baiardi, o projeto é patrocinado pelo edital de Ocupação Artística da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos, ManausCult. Na programação, que contemplou nos meses de fevereiro e março a Escola Municipal Ulysses Guimarães, no bairro Amazonino Mendes, estão ainda oficinas, palestras e apresentações de teatro, música, cinema e dança.
 

Publicidade
Publicidade