Publicidade
Entretenimento
CULTURA POP

Palestra no Festival Retrô-Geek discute representação feminina nos quadrinhos

Encontro acontece neste fim de semana, no Palacete Provincial, e contará com programação gratuita. Saiba como participar: 14/11/2018 às 14:31 - Atualizado em 15/11/2018 às 09:15
Show b0814 20f a66045a3 f9e0 48af a65d c0017663769f
Foto: Divulgação
Rosiel Mendonça Manaus (AM)

Entre sexta-feira (16) e domingo (18) acontece a segunda edição do Festival Retrô-Geek Manaus, no Palacete Provincial (Praça Heliodoro Balbi, Centro), com uma ampla programação voltada aos fãs de quadrinhos e cultura pop. Shows, exibição de filmes, exposições, concursos de cosplay e jogos estão entre as atividades que serão oferecidas gratuitamente ao público.

Um dos destaques vai para a palestra da ilustradora e pesquisadora Carol Peace, com realização no sábado (17), a partir das 11h, que abordará a representação feminina no universo das HQs. Filiada do Clube dos Quadrinheiros de Manaus, Carol é uma ávida consumidora de HQs desde que aprendeu a ler, aos quatro anos de idade, e depois de um tempo começou a sentir falta de personagens femininas inspiradoras nesses trabalhos. “Observar a representação feminina em todas as mídias se tornou um exercício diário, ainda mais porque sempre estou recomendando títulos em minhas redes sociais”, comenta.

Para ela, uma coisa é certa: as personagens femininas deixaram de ser donzelas indefesas para se tornarem protagonistas de suas próprias histórias. Mas essa representação ainda é cheia de altos e baixos. “Temos histórias que trazem mulheres fortes e independentes de personagens masculinos, mas também temos aquelas típicas ‘mulheres em geladeiras’, que são desvalorizadas”, completa Carol. No primeiro caso, ela cita quadrinhos da nova geração da Marvel, como Miss Marvel e Garota Esquilo, que conseguem introduzir temas como cultura, etnia e papéis de gênero numa linguagem simples e com desenhos cativantes.

Para a ilustradora amazonense, tentativas de mudar a forma como as mulheres aparecem nas HQs, principalmente quando partem de grandes companhias como a DC e a Marvel, ainda esbarram na resistência e no preconceito de alguns fãs. E, ao contrário do que se pensa, o público feminino que compra quadrinhos é bem significativo e não deve ser desprezado:

“As grandes produtoras demoraram um pouco para perceber que a fatia de mercado composta por mulheres é diversa e bastante expressiva, talvez por isso ainda haja, de certa maneira, um alarde sobre mulheres que consomem histórias em quadrinhos”, acrescenta.

Visões diferentes

De acordo com Carol, a autoria das HQs faz toda a diferença. Ela aponta como exemplo os quadrinhos solo de personagens como Batgirl, Batwoman e Mulher Maravilha, da DC Comics, que eram produzidos por times quase que completamente masculinos.

“A partir do momento em que esses títulos passaram para mulheres como Gail Simone, o foco deixou de ser a sexualização e fetichização dessas personagens para ser realmente a histórias delas como heroínas e também como mulheres ainda mais realistas”.

Na Marvel aconteceu a mesma coisa: quando a equipe composta por Sana Amanat, Stephen Wacker, G. Willow Wilson e Adrian Alphona recebeu sinal verde, surgiu a nova Miss Marvel, Kamala Khan.

Por outro lado, Carol destaca que histórias de estúdios menores ou independentes costumam ser mais diversas e inclusivas nesse aspecto. “Temos trabalhos fantásticos como ‘Angel’s Power’, ‘Starpunch Girl’, ‘Rock and Riot’ e ‘Hade’s Holiday’, todos produzidos por mulheres. A Image também tem investido muito em quadrinhos com temáticas mais diversas e igualitárias, como ‘Snotgirl’, ‘Bitch Planet’, ‘Deadly Class’, ‘Paper Girls’, entre outros”.

Serviço

o quê: 2º Festival Retrô-Geek Manaus

quando: Dia 16, das 16h às 20h; dia 17, das 8h30 às 13h30 e de 16h até 23h; dia 18, das 8h30 às 20h

onde: Palacete Provincial (Praça Heliodoro Balbi, s/n, Centro)

quanto: Gratuito

Publicidade
Publicidade