Publicidade
Entretenimento
Carnaval

Parintinenses estão no Rio de Janeiro para os ensaios técnicos da Imperatriz

Waldir Santana e Maria Azedo participam dos ensaios técnicos da agremiação. Brena Dianná chega por lá nesta quinta (23) 21/02/2017 às 12:02 - Atualizado em 21/02/2017 às 12:03
Show portal
Ex-cunhã e ex-pajé do boi Caprichoso foram convidados para desfilar em homenagem à contribuição prestada por eles ao bumbá azul (Fotos: Reprodução)
Laynna Feitoza Manaus (AM)

Parte dos holofotes do Carnaval carioca estão mirando sobre duas figuras muito importantes do Festival de Parintins: trata-se de Maria Azedo e Waldir Santana, ex-cunhã e ex-pajé do boi Caprichoso, que estão em solo carioca participando dos ensaios técnicos da escola de samba Imperatriz Leopoldinense e levaram os foliões à loucura. Os dois nomes terão a trajetória artística homenageada no desfile da agremiação, que este ano ostenta o tema “A mística xinguana – o clamor que vem da floresta”, contando a história dos povos do Xingu.

Maria e Waldir estão no Rio de Janeiro à espera de Brena Dianná, rainha do folclore do touro negro, que deve chegar à capital fluminense nesta quinta (23) para se juntar ao time de parintinenses nos ensaios. A Imperatriz será a terceira escola a desfilar na Marquês de Sapucaí no próximo domingo (26), às 23h (horário de Manaus). “Está vindo uma comitiva grande de Parintins e Manaus, afinal de contas, quando tocam no nome do nosso boi-bumbá é uma coisa maravilhosa. Quando falamos de Parintins e do povo do Amazonas eles querem saber como é, e é uma loucura”, destaca Waldir.

Santana, que por 30 anos deu vida ao pajé do boi Caprichoso, interpretará um pajé xinguano no desfile. Ele revela ainda que uma comitiva com cerca de 12 caciques, 10 tuxauas e nove pajés do Xingu deve chegar ao Rio de Janeiro hoje (21) para participar do desfile da agremiação. Ele, por sua vez, não esconde a emoção de estar próximo das figuras indígenas que sempre interpretou ao longo desses anos. “Vai ser um negócio muito forte isso aí”, reverencia ele.

Kayapó

Já Maria Azedo vai interpretar uma índia kayapó, tribo que habita a Amazônia brasileira, e virá no quarto carro da Imperatriz. Neste mesmo carro virá o cacique Raoni, grande líder kayapó reconhecido internacionalmente por defender a Amazônia, de acordo com Maria. “Estou nas nuvens de alegria”, declara ela. “Aqui tudo é muito intenso, as pessoas ficam enlouquecidas quando a gente fala em Parintins. Ontem fomos para o ensaio de quadra, no meio dos componentes sambar. Foi incrível”, assegura ela.

Por serem ex-itens do Festival Folclórico de Parintins – que possui muitos profissionais trabalhando nos galpões do Carnaval e que possuem suas técnicas de trabalho muito admiradas pelos carnavalescos do Sudeste - tanto Maria quanto Waldir chamaram muita atenção nos ensaios.“As perguntas [que faziam] eram mais do tipo ‘esse cabelo é seu mesmo?’ ou ‘em quanto tempo começa a preparação para o Festival?’. E outras eram dizendo que querem muito conhecer o Festival. “A bateria contagia e eu vivia arrepiada. Todo mundo leva muito a sério”, encerra ela.

David Assayag não participará do desfile

(Foto: Magaiver Fernandes/Divulgação)

O levantador de toadas do Caprichoso, David Assayag, afirmou em entrevista ao BEM VIVER que não vai participar do desfile da Imperatriz. O parintinense gravou o samba-enredo da escola, chamado “Xingu, o clamor que vem da floresta” na sua voz. Conforme David, que havia sido escalado para ser um dos destaques da agremiação, sua ausência no desfile se dará por conta do Carnaboi no município de Parintins, que vai acontecer no dia 27 – um dia após o desfile da escola. “Vai coincidir com a data e seria inviável”, explica Assayag.

Serviço

o quê: Desfile da escola de samba Imperatriz Leopoldinense

onde: Marquês de Sapucaí, no Rio de Janeiro

quando: Domingo (26), às 23h (horário local)

Publicidade
Publicidade