Publicidade
Entretenimento
Vida

Pastor Cláudio Duarte discute relacionamentos evangélicos com humor e sem tabus em Manaus

Pastor carioca usa piadas e exemplos divertidos para ensinar casais a lidar com problemas conjugais. Ele esteve em Manaus e palestrou para 1,2 mil casais 16/02/2016 às 11:17
Show 1
Pastor e comediante Cláudio Duarte
Natália Caplan ---

“Ao invés de casar por amor, case-se para amar.” Essa é uma das recomendações do pastor e comediante Cláudio Duarte, que viaja pelo mundo para ensinar casais a lidar com assuntos sérios e polêmicos de uma maneira divertida. No canal dele no YouTube, contagia cristãos de diferentes denominações e até mesmo quem não professa uma fé, com muita simpatia e irreverência em palestras sobre vida conjugal que quase parecem um stand up.

Casado há 24 anos, pai de dois filhos e conselheiro familiar há duas décadas, o próprio Duarte chegou a se questionar quanto à maneira muito “animada” de ministrar a Palavra. No último fim de semana, ele esteve pela primeira vez em Manaus, no seminário “Família: Projeto de Deus”, no Centro de Convenções Canaã, onde falou a aproximadamente 1,2 mil casais de Manaus e de municípios vizinhos.

“Outro dia, eu assisti um DVD meu. Isso lá é jeito de pregar? Por isso que me chamam de palhaço (risos). Minha mulher disse que Deus me fez pregar assim, porque o diabo que não foi, né? Ele [o diabo] não ia querer que eu pregasse o Evangelho”, brincou, ao ressaltar que recebe muitas críticas de alguns religiosos. “Trabalhar com a Palavra de Deus e humor não é fácil. Mas eu aprendi a lidar com isso [críticas]”, completou.

Apesar de levar milhares de pessoas a gargalhar e aprender, o carioca revelou sofrer oposição e muitas críticas nas redes sociais — ele tem 2,8 milhões de seguidores somente no Facebook. Quem o assiste ao vivo ou até mesmo pela Internet, sabe que há momentos com muitas piadas, sim. Entretanto, diferentemente dos vídeos compartilhados na WEB, apenas com os trechos engraçados, o pastor muda o tom na hora de falar sério.

“Outro dia, um pastor chegou e me disse ‘você não pode dizer isso’. Por quê? Estou dizendo mentiras? ‘Não. Você está dizendo verdades que não devem ser ditas’. Eu sou maduro para entender que algumas coisas que eu falo ainda deixam as pessoas desconfortáveis. Religiosos mandam você fazer o que eles não fazem. Peço muita fé e pouca religiosidade para Deus governar as nossas casas”, declarou.

‘Terapia de casal’

Conhecido como “pastor cheio de graça”, o conferencista também oferece atendimento para casais na Igreja Batista Monte Horebe, na Barra da Tijuca (RJ). Cláudio Duarte compartilha essas histórias reais para mostrar ao público que prestigia as palestras que são situações comuns no convívio conjugal. Porém, dá dicas para que as famílias descubram as falhas e trabalhem na solução efetiva do problema.

“Outro dia, um homem chegou e disse ‘pastor, meu casamento acabou’. Eu disse ‘num cabô’. Ele disse ‘acabou’ e eu ‘num cabô’. As pessoas me acham doido, porque sou um homem de fé. Eu tenho esperança de que, no final, vai dar tudo certo”, afirmou, ao sugerir duas perguntas aos casais que estão em meio a uma crise. “Faça uma leitura do seu casamento. O que está matando a sua família?”, alertou.

Segredo está na ‘forma de amar’

De acordo com o pastor Cláudio Duarte, um dos principais erros das pessoas — principalmente os que moram nos países ocidentais — é a maneira de enxergar o matrimônio. Todos querem amar de uma maneira condicional e, por isso, há tantas brigas, cobranças, expectativas frustradas e separações. O casamento conforme os princípios bíblicos, explica, é totalmente diferente: ama-se sem esperar algo em troca.

“Com exceção de Jacó, que amava Raquel, ninguém casou por amor na Bíblia. Na nossa cultura isso é inconcebível. Por quê o divórcio é tão pequeno no Oriente? As pessoas não casam com quem amam, mas amam com quem se casam. Portanto, você não deve casar por amor, mas casar para amar. O amor precisa ser construído. Quanto mais defeitos e dificuldades você enfrentar, mais você aprenderá a amar”, ressaltou.

Três Perguntas para Cláudio Duarte

Qual é o seu conselho para os recém-casados?

É um tempo de adaptação. Antes, você não precisava dizer aonde ia, que horas vai voltar, o quanto custou [...] O casamento, na verdade, é uma sociedade e toda sociedade necessita de uma prestação de contas e isso não é muito satisfatório. Adaptar é conseguir colocar os pais no seu devido lugar — amá-los e respeitá-los, mas cortar o cordão umbilical.

E o que dizer aos que têm filhos pequenos?

A chegada dos filhos — que são bênçãos e herança do Senhor — traz consigo alguns problemas. Por exemplo, uma criança pequena é capaz de saber o dia que você quer fazer amor com a sua mulher e não dorme. Vai ter as divergências de como educá-la e saber colocar os avós no devido lugar. Precisa-se de muita sabedoria para criar filhos.

Casais ‘veteranos’ devem ter uma atenção especial?

Aqueles que passaram dos 30, 40 anos de casados, estão consolidados. Têm que lidar com as dificuldades da ‘síndrome do ninho vazio’, quando os filhos vão embora. Você já sabe a importância que a esposa/marido tem para você. Ame e cuide mais. E sofrem-se as perdas. Não deixe que elas azedem o coração. Se seu cônjuge vier a falecer, não desista da vida. Pegue a experiência de sucesso que teve e repasse à nova geração. Deixe um legado.

Publicidade
Publicidade