Publicidade
Entretenimento
Vida

Pitada regional: pratos internacionais com toque amazônico em Manaus

Receitas clássicas da gastronomia mundial ganham um sabor diferenciado com ingredientes típicos da Região, agradando todos os paladares 23/07/2013 às 09:56
Show 1
‘Amazonizado’ é mais gostoso! Os chefs e clientes da região já descobriram a novidade
Cynthia Blink Manaus, AM

Um toque amazônico sempre faz bem. Pelo menos na gastronomia essa afirmativa pode ser comprovada. Os chefes e donos de restaurantes da cidade vão longe para aprimorar suas técnicas. Trocam experiências com pessoas de toda a parte do mundo. Mas, ao voltar para casa não resistem em deixar perfeito o sabor que estava bom. É quando se coloca um recheio de cupuaçu, acrescenta uma calda da banana pacovã ou um tucupi àquela clássica receita estrangeira.

“Nunca me arrependi de incluir os ingredientes amazônicos. Em quatro anos de ‘Barbacoa’, sempre que experimento algo novo, funciona”, garante o chef Anilton Silva. Ele está à frente da única franquia local do restaurante que tem no cardápio um espaço reservado para a gastronomia regional.

No Creme Brûlée tradicional, francês, não existe o gostinho da banana, mas no Creme Brûlée Amazônico sim. A novidade foi aprovada tanto pelo paladar brasileiro quanto pelo dos próprios franceses, segundo afirma o Anilton: “Já recebemos franceses e outros estrangeiros que viram no menu, acharam curioso, pediram e gostaram mais desse que do original”, orgulha-se o chef.

E da panqueca de doce de leite da Argentina, o chef Anilton fez a panqueca de doce de cupuaçu com sorvete de creme. Já da torta holandesa, nasceu a torta holandesa cabocla, onde foi acrescentado o chocolate e a castanha do Brasil, inclui também o sorvete de castanha. Apostando nesse seguimento, o chef avisa que o restaurante “Barbacoa”, de Manaus, terá mais novidades nos pratos a partir dessa semana.

À francesa

Responsável pelos experimentos culinários de uma das casas com maior variedade de crepes regionalizados, o restaurante “Naoca”, Igor Saade também está sempre se atualizando. “O curso mais recente que fiz foi em Brasília e o resultado já pode ser conferido no cardápio”.

A receita da massa é fiel a da francesa com algum segredo da casa, revela Igor, mas o recheio é completamente baré. “Nós temos duas páginas no cardápio somente para os crepes, divididos em salgados e doces. Os mais famosos são: Naoca, Parintins e Cacique”, explica Saade, que é proprietário do restaurante juntamente com seu sócio, Walber Cabral.

O Crepe Parintins está na lista dos crepes salgados, no recheio: estrogonofe de filé com batata palha. Pelos ingredientes é possível notar que não é um prato leve.

“Temos todos os crepes nos tamanhos mirim (pequeno) e açu (grande). Normalmente, as mulheres pedem o mirim e os homens o açu. Vale por uma refeição”.

Outro que está na lista dos crepes salgados e é um dos preferidos dos clientes é o Naoca, especialidade da casa, e no recheio: mussarela, jambú no tucupi e camarões rosa. Entre os crepes doces, a sensação é o de banana com chocolate. Ele não tem muito mistério é exatamente como o nome diz. “Nunca que a combinação daria errado”, afirma Igor.

As receitas dessas iguarias são secretas, mas quem quiser testar pode, assim como eles, fazer suas adaptações às receitas tradicionais.

Serviço

O que é: Restaurante com comida regional
Onde: Barbacoa Manauara Shopping.
Informa-ções: (92) 3659-3448]

O que é: Creperia com comida regional
Onde: Naoca - Rua Rio Juruá 660 Vieiralves
Informa-ções: (92) 3131-3000

Publicidade
Publicidade