Publicidade
Entretenimento
Festival de Parintins

Poetas do Boi Caprichoso conhecem proposta do tema 2017 durante encontro em Parintins

Um convite aos poetas azulados para mergulhar na temática “A Poética do Imaginário Caboclo”, por meio de toadas de rituais, lendas, figuras típicas regionais, galera, foi feito pelo Conselho de Arte do Caprichoso 29/10/2016 às 13:40 - Atualizado em 29/10/2016 às 13:46
Show 14522994 1214183291981440 3588084269043841152 n
Foto: Divulgação/Boi-Bumbá Caprichoso
acritica.com* Manaus (AM)

Toada decide o Festival Folclórico de Parintins e o caminho para a vitória do Boi Caprichoso começa com a música. Um convite aos poetas azulados para mergulhar na temática “A Poética do Imaginário Caboclo”, por meio de toadas de rituais, lendas, figuras típicas regionais, galera, foi feito pelo Conselho de Arte da Associação Cultural Boi-Bumbá Caprichoso, no Contemporâneo Festas e Eventos, na noite desta sexta-feira, 28.

O encontro com os compositores em Parintins teve transmissão simultânea para o escritório do Boi Caprichoso em Manaus e poetas caboclos tiraram dúvidas em relação aos prazos de entrega das obras musicais produzidas em estúdio. Termina dia 10 de novembro o edital para toadas livres ou genéricas do CD da Galera, no qual estão inseridos os itens Boi-Bumbá Evolução, Sinhazinha da Fazenda, Porta-Estandarte, Rainha do Folclore e Cunhã-Poranga.

Quanto as toadas estratégicas, o prazo de entrega das obras musicais se estende até o final do ano de 2016. Durante o encontro, o coordenador do Conselho de Arte do Boi-Bumbá Caprichoso, Ericky Nakanome, apresentou qual a proposta de “A Poética do Imaginário Caboclo”. Segundo ele, fundamentado em João de Jesus Paes Loureiro, trata-se de um tema com conceito artístico contemporâneo. “É a reinvenção do folclore”, salientou.

Diretamente de Manaus, o coordenador do Conselho Musical do Boi Caprichoso, Mauro Antony, enalteceu a iniciativa do Conselho de Arte em chamar os compositores azulados para o bate-papo e assim difundir um princípio de igualdade de informação. “O tema vai inspirar os poetas a fazer grandes obras”, ressaltou. Ele respondeu às perguntas frequentes dos compositores de Parintins sobre a escolha das toadas do CD da Galera.

A pedido do presidente do Boi Caprichoso, Babá Tupinambá, todo o processo de seleção das toadas livres ou genéricas será em Parintins. O dirigente azulado acompanhou da China o encontro com os compositores através de videoconferência e pontuou a importância de uma trilha sonora com toadas de qualidade para conduzir o Boi Caprichoso ao título de campeão do Festival Folclórico de Parintins 2017.

Para o compositor Adriano Aguiar, o encontro serve para entender melhor o tema de forma abrangente. “É um norte para nós compositores. Todos os compositores saíram satisfeitos e foram esclarecidas muitas dúvidas. Está de parabéns o presidente Babá Tupinambá, com toda diretoria e Conselho de Arte, por valorizar os compositores. Quando valorizados, o intuito de fazer cada vez mais e se superar em termos de toadas é maior”, frisou.

O músico Moisés Colares elogiou a seriedade do Conselho de Arte em promover, pela primeira vez, um encontro aberto voltado aos poetas para debater o tema. “Há 16 anos eu sou músico do Boi-Bumbá Caprichoso e é a primeira vez que o Conselho de Arte chama os compositores para falar o que quer. Então, agora sim, os compositores vão trabalhar de uma forma livre e o boi só não vai fazer um repertório bom se não quiser”, avaliou.

O compositor Jean Carlos Maciel considerou muito importante o Conselho de Arte ter conversa franca com os compositores e que assim se inicia um processo de transparência. “Os conselheiros debatem sobre o tema e dão diretriz pro compositor fazer suas toadas, pois tudo tem um gasto, tem um custo. É sempre bom ter uma diretriz diretamente do Conselho de Arte do Boi Caprichoso e agora é partir para a criação”, pontuou.

Em Parintins, o encontro teve a participação de Adriano Aguiar, Geovane Bastos, Davi Nakauth, Everton Auzier, Bené Siqueira, Moisés Colares, Juarez Lima Filho. A mesa do Conselho de Artes era formada pelos membros Simão Assayag, Juarez Lima, Ericky Nakanome, Socorrinha Carvalho e Chico Cardoso. Em Manaus, acompanharam a videoconferência os compositores Roberto Júnior, Mailzon Mendes, junto com Mauro Antony, e o presidente do Movimento Marujada, Carlos Nery.

*Com informações da assessoria de imprensa

Publicidade
Publicidade