Publicidade
Entretenimento
Vida

Primeira classe: bela e competente, Anne César é a entrevistada desta semana

A arquiteta foi Miss Amazonas em 1987 e, apesar de ter todo o potencial, decidiu abandonar as passarelas para dedicar-se aos estudos e à família 24/07/2015 às 14:45
Show 1
A arquiteta diz ter paixão por cada pedacinho de sua casa, planejada por ela mesma
Loyana Camelo Manaus (AM)

Do alto de seus 1,78 de altura somados ao físico em dia, é quase impossível não notar o porte de modelo de Anne César Cavalcante. Não é à toa: seu nome já figurou entre os das mulheres mais belas do País. Ela foi Miss Amazonas em 1987 e conquistou o 4º  lugar do Miss Brasil deste mesmo ano. Mas mesmo com potencial para crescer na área da beleza, decidiu abandonar as passarelas e dedicar-se aos estudos, sendo hoje arquiteta de renome em Manaus. Anne César é a perfeita combinação de beleza, determinação e talento que estampa a primeira classe de hoje.


Quando você iniciou na área da beleza?

Com 14 anos eu já desfilava. Além de Miss,  já fui Glamour Girl, Garota Rio Negro, Garota Dourada,  Rainha do Caprichoso. Participei de vários concursos.


Você foi Miss Amazonas em 1987 e ficou bem colocada no Miss Brasil. Como foi a experiência?

Eu era novinha, nunca havia viajado só.  Foi uma experiência muito válida. Eu gostava de participar de concursos. Engraçado, naquela época eu era bem tímida, hoje nem sou tanto.

Qual era o perfil das meninas que disputavam concursos de beleza naquela época?

Eram meninas da sociedade. Naquela época a coisa era diferente, Manaus era bem menor, todo mundo se conhecia. Os concursos aconteciam em clubes que, por exemplo, meus pais frequentavam, então era algo saudável, acompanhado. Hoje vejo o quanto mudou.

Por que decidiu não continuar na área?

Tive uma criação que sempre valorizou o estudo, trabalho e a família. A beleza estava em segundo plano. Não segui nessa área porque para fazer isso, naquela época, eu teria de me mudar para outro estado. Não era o que eu queria para a minha vida. Comecei a namorar muito cedo porque sempre quis casar, ter filhos, formar uma família. Logo depois do concurso de Miss, eu casei e minha vida se modificou.

Qual é sua formação?

Meu sonho sempre foi a arquitetura, mas não havia esse curso aqui. Fiz economia e logo comecei a trabalhar, deixando o sonho um pouco distante. Assim que veio o curso para Manaus eu quis fazer. Hoje trabalho como arquiteta [Anne é sócia do escritório Ela Arquitetas Associadas] e sou realizada. Amo o que eu faço. 

Você está muito bem na sua idade. O que faz para se cuidar?

É o estilo de vida mesmo. Nunca tive tendência para engordar. Hoje já controlo mais minha alimentação por conta da idade. Procuro também caminhar todos os dias com o meu marido. Tenho uma academia ali atrás [aponta para a área da casa] onde me exercito, apesar de ter pouco tempo para malhar. E não fumo, não bebo. Acho que isso ajuda. 

E referente a estilo, o que gosta de usar?

Sou casual até por causa da minha profissão. Vivo visitando obras, então para mim não há coisa melhor que jeans. Amo saião e vestidos mas só os uso no fim de semana mesmo. Às vezes vou trabalhar de salto e no meio do dia  já troco por uma sapatilha [risos]. 

Gosta de viajar?

Sim! Para mim essa é  uma das melhores formas da gente gastar nosso dinheiro. Meu pai, já falecido, sempre fazia questão de todo o ano fazer uma viagem em família. Quando chegava perto do fim do ano ele dava isso de presente para todos nós. Até me emociono ao lembrar... Esse valor  da importância da família é forte para mim e para meus irmãos, então eu procuro fazer isso com os meus filhos e netos.

Qual o seu destino favorito?

A gente viaja para lugares diferentes, mas gosto muito do Brasil. Vamos todo ano para Fortaleza. Adoro o Nordeste, adoro praia, então lá é o lugar perfeito para relaxar.

BATE-BOLA

Cuidados com a beleza
Não é porque deixou de participar de concursos na área da beleza que Anne César cuida menos da aparência. Ela confessa ser entusiasta de maquiagem  e considera M.A.C sua marca favorita. “Não saio de casa sem rímel e delineador. Acho que o olhar é essencial. Batom também acho importante”, comenta. Com relação a tratamentos estéticos, a arquiteta diz que os faz com a dermatologista Dra. Montaha Jasserand. “É ela quem me acompanha. Mas nada exagerado. Não sou alucinada com nada disso”, frisa. Apesar de nunca ter feito nenhuma interferência estética tipo cirurgia, Anne é categórica em afirmar que não é contra quem faz. “Sou super adepta. Acho que a pessoa deve fazer quando ela acha que precisa. A medicina está aí e as pessoas hoje em dia podem envelhecer jovens".

Caprichoso

Anne César brinca que “já fez de tudo” no Caprichoso. Sua admiração pelo folclore amazonense, inclusive, foi representada por ela no Miss Brasil de 1987  por meio de um traje típico de índia que na época fez bastante sucesso. Durante os três anos seguintes ao concurso, Anne foi Rainha do bumbá azul até a mudança da posição para Cunhã-Poranga (1989). “Já participei da Marujada, já dancei de índia guerreira, já fiz parte do ritual, já participei das tribos. Então já fui um pouco de cada peça, fazendo história do Boi Caprichoso”. Ela revela ainda que ama Parintins. “Quando não vou, morro de vontade”.

Religião
A religião é essencial na vida da arquiteta. “A base religiosa é muito importante. Sou católica. Esse fortalecimento da fé eu procuro passar para os meus filhos”, frisa. Para ela, o mais importante é agradecer e ir à igreja quando se sente vontade genuína. Na sua casa, há um espaço reservado para um pequeno altar.

Arquitetura
Por ser arquiteta, não é de se espantar o fato da casa de Anne César ser caprichada. Questionada sobre o canto da casa que mais gosta, ela cita a suntuosa escada de vidro na sala. “Eu amo essa escada! Fui eu que projetei. Ela é iluminada de LED e precisou de vários fornecedores - de mármore, de ferro, de vidro, de iluminação. É um diferencial aqui de casa”.

Avó apaixonada
Anne César fez questão de chamar os netos gêmeos Arthur e Analú, de 7 anos, para participarem da sessão de fotos desta coluna. Ela foi avó aos 38 anos. “Na época em que o meu filho [Renan] foi pai, eu tomei um susto enorme. Não pelo fato de virar avó, porque isso nunca me incomodou, mas por não estar esperando essa situação. Hoje eles são a razão da nossa vida aqui em casa”. E vó mima mesmo? “Ah, isso é verdade. Pai e mãe educam. Vó é para mimar, brincar, passear”.

Publicidade
Publicidade