Publicidade
Entretenimento
Vida

Primeiro filme da Cia. Nissi aborda vício em crack

O ator Caíque Oliveira está em Manaus para divulgar o primeiro projeto da Cia Nissi no cinema, o filme “Metanoia”, uma história de dor e esperança 23/05/2015 às 09:33
Show 1
O filme está em cartaz no Cinépolis Ponta Negra e Cinemark de Manaus
Rosiel Mendonça Manaus (AM)

A luta de uma mãe para livrar o filho do vício em crack compõe o enredo do filme “Metanoia”, em cartaz no Cinépolis Ponta Negra e Cinemark de Manaus. O ator paulista Caíque Oliveira sentiu esse drama na pele para interpretar o protagonista da história, baseada em fatos reais. Ele está na cidade para dar gás à divulgação do longa-metragem e também participa, neste sábado, de um encontro com jovens dançarinos de Hip Hop.

“Em uma viagem a Santarém, no Pará, conheci a história de uma mãe que pediu a ajuda do líder da comunidade para construir uma jaula para o próprio filho, a única maneira de ele não ir para a rua por causa do vício. Fiquei muito impactado com esse relato e comecei a pesquisar outras histórias, então chamei uma produtora do Rio de Janeiro para desenvolver um roteiro que contasse esse drama. Tentamos pegar um assunto pesado e torná-lo um pouco mais poético de modo que incentivasse pessoas na mesma situação a reagir”, conta Oliveira, natural de Ibiúna, no interior de São Paulo.

“Metanoia” marca a primeira incursão da Cia. Nissi, grupo gospel de artes com mais de uma década de atuação e que reúne pessoas de diversas denominações religiosas. Miguel Nagle assumiu a direção do projeto, que ainda conta com Caio Blat e Solange Couto no elenco. O roteiro foi feito a quatro mãos por Nagle e Caíque. “Eu só entendia de teatro, então eu não conseguia roteirizar a história. O Miguel tem casos de vício na família, é uma pessoa que sofreu na pele esse contexto e a direção dele acabou sendo bem sensível”, comenta o ator.

A experiência de Oliveira com o projeto também foi marcante. Dentre os cenários usados no filme está a cidade de Ibiúna, terra natal dele, o bairro Jardim Ângela, na periferia de São Paulo, e a Cracolândia, região no chamado Centro da capital paulista que se tornou nacionalmente conhecida por “abrigar” milhares de dependentes químicos.

“Primeiro, foi um grande desafio atuar ao lado do Caio Blat. Eu pensava: ‘tudo que ele fizer eu vou fazer igual’ (risos). Mas o maior dos desafios foi viver o papel de um craqueiro. O laboratório foi intenso e lento. Fui diversas vezes à Cracolândia, sentei com eles e ouvi suas histórias. Uma coisa é passar por lá e outra é conhecer aquela realidade. Mexeu muito comigo”, revela.

A locação foi um dos motivos pelos quais “Metanoia” levou três anos para ficar pronto. “Como as cenas lá eram complexas, fomos gravando aos poucos. No meio da gravação tinham casos de um viciado querendo matar o outro, então foi bem difícil por esse lado. Porém, não quisemos abrir mão desse lugar, primeiro porque seria muito difícil reproduzir aquele cenário; segundo, esse é um problema de saúde pública no Centro de São Paulo e aquelas pessoas meio que se tornam invisíveis para a sociedade”.

Todos os estratos

No filme, Eduardo (Caíque Oliveira) é mais um em meio aos milhares de usuários regulares e dependentes do crack. Criado na periferia de São Paulo, a boa educação oferecida por sua mãe, Solange (Einat Falbel), não o impediu de ficar preso no mundo das drogas. Ele fica perdido em meio à autodestruição enquanto Solange tenta desesperadamente salvar o filho do vício.

“Ela é uma mãe que usa a fé para ir atrás do filho e não desistir dele. O filme mostra que, quando um dependente tem um membro na família que luta por ele, ele tem tudo para não continuar nessa vida. Uma mãe com fé é capaz de saltar muralhas”, resume Oliveira, para quem “Metanoia” age como um vetor de informação e conscientização, além de trazer uma mensagem de esperança e amor.

Caio Blat é Jefferson, um jovem de classe média que apresenta Eduardo à Cracolândia. “Esse personagem demonstra que o crack não é uma droga de pobres, ele atinge todos os estratos sociais”, completa Oliveira. Outro ator do elenco é Lucas Hornos que participou da série “Sai de Baixo” e do programa infanto-juvenil “Disney Cruj”. Completam o time os atores Thogun Teixeira e Sílvio Guindane.

Saiba +

Projeto social

Parte da renda arrecadada com a bilheteria de “Metanoia” será destinada à construção de uma clínica de tratamento de dependentes químicos em Ibiúna (SP), sede da Cia. Nissi.

Publicidade
Publicidade