Publicidade
Entretenimento
Vida

Produtora carioca Cinthya Graber apresenta espetáculo em Manaus

Ela assina produção de “Chuva constante” e de outras recentes montagens de peso no circuito brasileiro  18/11/2015 às 11:34
Show 1
A carioca já soma 25 anos de trajetória na produção teatral
Jony Clay Borges Manaus, AM

Com 25 anos de carreira na produção teatral, a carioca Cinthya Graber leva no currículo montagens de peso no circuito naciona. Exemplos são “Deus da carnificina”, texto da francesa Yasmina Reza encenado em 2011 com Paulo Betti e Julia Lemmertz no elenco, e “Vênus em visom”, do norte-americano David Ives, que estreou em 2013 com Bárbara Paz no papel principal. “Chuva constante”, em cartaz esta semana no Teatro Amazonas, é o mais recente trabalho com a assinatura da produtora.

“É uma montagem linda, ao mesmo tempo muito sofisticada e muito simples, que tenho muito orgulho de ter produzido. Tem dois grandes atores em cena, o Augusto (Zacchi) e o Malvino (Salvador), que se entregam aos papéis. E o Paulo de Moraes, um diretor maravilhoso, e que fez um espetáculo lindo”, destaca ela.

Cinthya conta que ficou encantada pela peça desde que viu uma montagem na Broad- way (com Hugh Jackman e Daniel Craig), em Nova York, e outra em Buenos Aires. A produtora, que também atua há 13 anos como agente literária, representando autores como Reza e Ives, logo licenciou o texto de Keith Huff, também produtor e autor de séries de TV como “House of cards”. Salvador foi o primeiro nome na cabeça da produtora, que ainda esperou por um ano até o ator amazonense se livrar dos compromissos com a TV.

“Mandei para ele, ele adorou e assim foi. Acabou que Malvino depois entrou comigo na produção, e viramos produtores associados, eu, ele e o Luiz Erlanger. Foi uma experiência que nunca tinha tido”, conta Cinthya.

Crime e amizade

“Chuva constante” enfoca a relação entre dois amigos de infância, que trabalham juntos como policiais. Um momento de peso da trama é quando os dois policiais inadvertidamente entregam um garoto de volta a um serial killer canibal, que se faz passar por tio do menino. A descoberta do erro mais tarde irá ameaçar a amizade de uma vida inteira entre os dois policiais.

Cinthya comenta que optou por não fazer adaptações no texto de Huff. “Optamos por não adaptar, tanto que a peça se passa mesmo nos Estados Unidos, os personagens são norte-americanos”, explica ela.

Serial killer à parte, a produtora assinala que o foco principal é a relação entre os dois personagens. “Amizade, traição, medo, tudo o que envolve a relação entre duas pessoas. O espetáculo envolve muito o espectador por isso. Você se identifica muito. E eles (Zacchi e Salvador) fazem com muita verdade. Você não desgruda os olhos”, avalia.

No palco, os diálogos entre os dois personagens são entrecortados por monólogos individuais que revelam o ponto de vista de cada um. “O espetáculo usa também recurso de vídeo de uma forma muito bonita”, adianta.

A montagem de “Chuva constante” está hoje em sua reta final. “Encerramos em dezembro após um ano e meio, passando praticamente por todas as capitais”, resume a produtora, que se diz feliz por ter Manaus no roteiro: “Estou feliz porque é a terra do Malvino, e por ser nesse teatro lindo, maravilhoso! Estamos todos muito empolgados!”.

Oficina em Manaus

Cinthya Graber chega hoje a Manaus para compartilhar um pouco de sua experiência como produtora teatral com artistas e profissionais locais. De hoje a sexta-feira, ela participa da ação “Workshops Vivo EnCena: Produção Teatral e a Cultura na Contemporaneidade”, ao lado de Luiz Erlanger e Expedito Araújo. A iniciativa é do projeto cultural Vivo Encena.

No minicurso, Cinthya planeja trocar vivências com o público e falar de forma direta sobre o papel do produtor teatral. “Quero trazer essa experiência objetivamente, explicando de que forma o produtor trabalha, o que faz, qual o primeiro passo, o segundo, o terceiro, e por aí vai”, adianta.

E o que faz um produtor teatral? “Ele é quem faz o projeto acontecer, fornecendo meios, o que não necessariamente significa dinheiro. Ele viabiliza e fornece os meios para que aquele projeto, que começou como um desejo, uma vontade, chegue até o palco”, resume a profissional.

Hoje, afirma Cinthya, muitas pessoas sem experiência vêm buscando atuar no segmento. Para Cinthya, uma característica essencial para quem quer atuar na área é ter firmeza para encarar as dificuldades e seguir em frente. “Fundamental é não ter medo de ouvir ‘não’. A palavra ‘não’ para mim não existe”, sentencia ela.

Palco

“Chuva constante” terá três apresenta- ções no Teatro Amazonas, na sexta-feira, dia 20, e no sábado, dia 21, às 20h; e no domingo, às 19h. Os ingressos têm preços de R$ 80 (plateia, frisas e 1º e 2º pavs.) e R$ 40 (3º pav.), em valores de inteira.


Publicidade
Publicidade