Publicidade
Entretenimento
GASTRONOMIA

Feita por comunitários da RDS Mamirauá, farinha 'Ribeirinha' é lançada em Manaus

A farinha está disponível no supermercado Pátio Gourmet na apresentação na caixa, com o valor de R$ 8,99, e também a ovinha em saquinhos nos mercantis Nova Era e restaurantes do grupo Dedé e Novotel 25/06/2018 às 15:16 - Atualizado em 25/06/2018 às 15:35
Show farinha
Fotos: Winnetou Almeida
Lucy Rodrigues Manaus (AM)

Produzida por comunitários da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) de Mamirauá, com o apoio da Fundação Amazonas Sustentável/BNDES, chega ao mercado local a farinha “Ribeirinha”, que tem como selo de origem Uarini-AM, região reconhecida pela qualidade do produto. O lançamento aconteceu  na última quinta-feira (21), no restaurante Pátio Gourmet, e reuniu além de lideranças comunitárias, presenças com o ator Victor Fasano, o poeta amazonense Celdo Braga e diversas personalidades amazonenses em um menu servido pelo chef Marcos Pompeu.

“Nós estamos agregando valor a um produto tradicional da produção rural do Amazonas, que tem um grande simbolismo, que é a farinha de origem controlada e de uma certa forma é como se estivéssemos aqui criando uma champanhe amazônica, e estamos colocando isso aqui como um produto de alta qualidade e por isso fazendo o lançamento no Pátio Gourmet”, explicou o Superintendente Geral da Fas, Virgílio Viana.

O projeto beneficia 68 produtores  de 18 comunidades da RDS de Mamirauá, no município de Uarini, e a intenção é aumentar esses números.

"A gente tem o programa Bolsa Floresta Renda e, por meio dele, conseguimos construir a infraestrutura. Foram 260 mil reais investidos em um galpão mais equipamentos. A partir daí, eles passaram a ter um espaço para empacotar a farinha. Hoje são 68 produtores que fornecem o produto, a empacotadora compra a farinha, embala e acessa o mercado. Eles tomam conta da gestão, dos canais de venda e conseguem tirar os atravessadores do processo e deixar uma margem mais justa para eles. A intenção é que até o final deste ano sejam 200 produtores beneficiados”, explica o coordenador de empreendedorismo da FAS, Wildney Mourão.

Para o ator, ambientalista e consultor da Fas, Victor Fasano, o produto tradicional agrega à mesa e ao meio ambiente. “O mais importante é que esse produto, que é tão amazônico e que todas as famílias se utilizam desse alimento, com todo esse processo de coleta que é cultural e tão bacana, vai servir para que as pessoas enxerguem que aqui se produz esse alimento e, mais que isso, ele evita com que florestas sejam cortadas. Então a atuação dessa comunidade produzindo esse produto que já é todo assimilado pela população regional deve se tornar também um emblema, o produto que vai ajudar a floresta a continuar em pé que é o nosso desejo maior”.

A Ribeirinha será vendida, a princípio, no supermercado Pátio Gourmet na apresentação na caixa, com o valor de R$ 8,99 e também a ovinha em saquinhos nos mercantis Nova Era. Além disso, estará também à venda e no cardápio  dos restaurantes do grupo Dedé e Novotel.

“Nós já usamos a ribeirinha em alguns pratos que são sucesso do nosso cardápio, como o filé de pirarucu empanado na farinha e também em um prato que tem no Boteco chamado ‘Velhos Tempos’, que faz sucesso e nada mais é que uma farofinha de conserva”, explica Dedé Parente. 

Serviço

O quê: Farinha Ribeirinha
Onde: Pátio Gourmet, av. Djalma Batista, 1203 – Nossa Senhora das Graças, restaurantes do grupo Dedé e Novotel
Quanto: preço sugerido de R$ 8,99

Publicidade
Publicidade