Publicidade
Entretenimento
Vida

Profissionais alertam sobre uso de suplementos alimentares em atividades físicas

Médicos explicam que cada produto deve ser direcionado a um tipo de estrutura física. Mau uso afeta rins e resulta em insuficiência renal, dizem especialistas 06/12/2014 às 15:59
Show 1
Produtos ajudam fisiculturista Geider Simões Jr. a suprir necessidades
RAFAEL SEIXAS Manaus (AM)

Quando os ponteiros da balança começam a assustar, as pessoas procuram fazer (normalmente) algum tipo de dieta associada com a musculação. Ao entrar na academia, procurando um resultado mais satisfatório, elas opta por utilizar também algum tipo de suplemento alimentar – há vários tipos no mercado. Mas será que esses produtos fazem bem à saúde?

De acordo com Geider Simões Jr., administrador da Amazon Nutri, atleta e tri-campeão amazonense de fisiculturismo, sempre é importante, se possível, procurar um nutricionista ou nutrólogo para melhorar a performance e a dieta de cada pessoa. “Os profissionais de Educação Física falam somente o básico em relação às vitaminas, sais minerais e aminoácidos. (...) Nós, da Amazon Nutri, somos, além de formados, atletas. Esse é o nosso estilo de vida”, garante Geider Simões, que também é biólogo.

“A suplementação vai suprir a necessidade de cada pessoa e atleta. Temos uma gama de suplementos. Eles são divididos conforme os tipos de dietas e atletas. Digamos, por exemplo, um cara magro que quer ganhar peso, ele precisa de suplementos mais calóricos. Pessoas que querem mais qualidade no exercício, baixar o percentual de gordura e ter um abdômen definido, ela terá que optar por um suplemento sem sódio, sem lactose, glúten, o que é totalmente diferente do outro. Há pessoas que só querem o bem-estar, vitaminas como ômega 3, entre outros”, explicou.

O atleta toma diariamente Whey Protein, caseína, termogênico, BCAA, multivitamínico, butamina, ômega 3, colágeno, cálcio, zinco, magnésio, entre outros.

Mudança de vida

O cantor e empresário Marcos Paulo utiliza alguns suplementos em sua dieta e na hora da musculação. A sua mudança física é aparente, mas já está nesse processo há quase dois anos.

“Pesava 89kg, aí comecei a me dedicar ao meu corpo. Tirava fotos e via que a situação estava feia. Para começar, pedi que a minha esposa fizesse uma dieta para mim, ela é nutricionista. Fiz essa dieta durante seis meses e perdi 8kg. Emagreci, mas estava perdendo massa muscular e tive que procurar ajuda com outras pessoas. Corri atrás de uma academia e comecei a malhar por conta própria, só que não estava vendo resultado. Depois, comecei a treinar com um amigo meu, o Bruno Wilson (atleta fisiculturista e preparador físico) e ele me passou uma dieta diferenciada e um treino de alta intensidade, mais suplementação. Nesse período de oito meses, ganhei massa muscular (8kg) e perdi gordura”, disse Marcos Paulo, que hoje pesa 79kg e mede 1.70 de altura.

Assim como de muitas pessoas, o dia do jovem empresário começa com o café da manhã, mas no lugar de pães entra peito de frango grelhado com batata doce, depois toma BCAA, durante o treino Maximum Whey, após o treino proteína isolada. Fora isso, é imprescindível comer de três em três horas. Marcos Paulo não quer ser atleta, somente ficar de bem com o seu corpo.

Cuidados

A médica nutróloga Isolda Prado informou que muitas pessoas vão ao seu consultório querendo utilizar suplementos. “Algumas já estão usando e não obtiveram o resultado esperado, ou algumas têm receio da utilização. Querem saber também a maneira correta de utilizá-lo, com acompanhamento, para evitar efeitos colaterais”, disse a profissional.

“O ideal é que a consulta seja realizada por profissionais habilitados (médicos nutrólogos, nutricionistas, médicos esportivos ou nutricionistas esportivos). Os exemplos descritos em revistas, mesmo nas especializadas, algumas vezes não são adequados à estrutura física e à composição corporal individual (o quanto do peso da pessoa representa massa muscular e gordura), nem às expectativas da pessoa”, acrescentou.

Alerta

De acordo com a médica, somente com a avaliação é que são determinadas as necessidades de energia, proteínas, carboidratos, gorduras e micronutrientes necessários para se obter o resultado desejado, seja somente com a alimentação, seja com o uso de suplementos ergogênicos (substâncias utilizadas com objetivo de melhorar desempenho e recuperação pós-treino). “Desta maneira, na maioria das vezes, recomendo uma alimentação adequada, com suplementação de acordo com a necessidade e proposta”.

Antes de usar qualquer suplemento é de extrema importância procurar ajuda de um profissional, pois existem efeitos colaterais graves. “Pode provocar efeitos prejudiciais. O efeito mais prejudicial é a sobrecarga da função dos rins, podendo evoluir para uma insuficiência renal (excesso de ingestão de proteínas), sobretudo se o indivíduo come muita proteína, suplementa demais, não se hidrata e tem baixo peso”, declarou a nutróloga, complementando que em casos de pacientes com problemas no fígado, rins, com baixo peso, grávidas e crianças os suplementos são avaliados criteriosamente. Usualmente, nestas circunstâncias, são prescritos produtos específicos ou não é recomendada a suplementação.

Publicidade
Publicidade