Publicidade
Entretenimento
Vida

Projeto artístico ‘Abaporutação’ segue com nova performance nesta sexta-feira (04)

Natural de Manaus, Dimas Mendonça iniciou sua carreira profissional como ator no Grupo de Teatro do Sesc (TESC), em 2004, tendo recebido diversos prêmios na capital 02/12/2015 às 15:44
Show 1
Artista amazonense Dimas Mendonça realiza nova ação para o público no Lugar Uma nesta sexta-feira (04)
acritica.com* Manaus (AM)

O quintal do Lugar Uma de Artes recebe mais uma performance de “Abaporutação” nesta sexta-feira (04) às 17h. O trabalho é aberto ao público e faz parte do processo de construção artística visual e performática desenvolvido por Dimas Mendonça, que inclui também uma instalação em processo e uma série de oficinas.

O projeto artístico integra a agenda da Ocupação Lugar Uma, iniciativa do Projeto Cênica Corporal Uma contemplada pelo Prêmio Manaus de Ocupação Artística 2015, da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult).

“Abaporutação” explora elementos do cotidiano manauara e amazônico, expostos e reorganizados a partir da ideia de morte. O verde da flora amazônica e as estruturas construídas pelo homem em degradação servem como elementos-conceito para as ações do processo, entre elas as performances no quintal do Lugar Uma.

“Esses conceitos se traduzem na repetição extrema de movimentos no espaço, até que esses espaços naturais, de vegetação sejam minimizados devido a ação do corpo humano”, explica Dimas. Depois do dia 4, o projeto artístico terá performances nos dias 11 e 12 de dezembro, todas seguidas de bate-papo com o público.

As atividades da iniciativa Uma incluem ainda uma instalação no pátio, com painéis, textos e outros objetos, expondo o processo de montagem e pesquisa. Há ainda convivências com o público, que pode acompanhar o processo artístico de segunda a sexta-feira, sempre a partir das 14h, até o dia 13 de dezembro.

“Abaporutação” faz parte do projeto “Processo Natimorto”, por meio do qual Dimas promove experimentações cênicas em torno da ideia de morte e vida.

“Morte das ideias, das estruturas institucionais, dos corpos, do meio ambiente, dos modos de organização social, moral e como esses organismos se decodificam e se transformam em outras possibilidades de existência”, define ele, que realiza o projeto desde 2010.

Antropofagia e arte

“Abaporutação” evoca o movimento antropofágico do início do Modernismo brasileiro, na referência a “Abaporu”, personagem de tela de Tarsila do Amaral – do tupi guarani, “gente que come gente”.

“Abaporutação responde a essa ação de comer o outro, comer o espaço, comer as ideias, comer se a si mesmo, e como efeito, outras configurações de existência aparecerem”, explica Dimas.

O caráter antropofágico se reflete no projeto também na exploração de outras linguagens a partir das artes cênicas, num processo como o de deglutir, absorver e criar outras formas de expressão.

“Nessa experimentação à procura de conceitos, linguagem e uma identidade para o trabalho, em vários momentos aparecem referências das artes visuais, da dança, do teatro físico e da performance”, declara Dimas.

“No ‘Processo Natimorto’ há um esforço de intestigação e pesquisa em outras possibilidades de interação com o público, e do público com a obra. Essa é a inquietação, a motivação inicial para esse processo que vem acontecendo nos últimos cinco anos”, conclui.

Quem é

Natural de Manaus, Dimas Mendonça iniciou sua carreira profissional como ator no Grupo de Teatro do Sesc (TESC), em 2004, tendo recebido prêmios pelas montagens de “Rodrigueanas amazônicas” e “O fiscal federal” do grupo no Festival de Teatro da Amazônia.

Em 2010, começou a desenvolver o “Processo Natimorto”, promovendo performances nas praças do Centro de Manaus. Graças ao projeto, foi selecionado para residência artística na Cia Club Noir, do diretor Roberto Alvim, em São Paulo, em 2015, por meio do programa “Conexão Cultura Brasil de Intercâmbios”, do Ministério da Cultura.

Colaborou em trabalhos de outros artistas e companhias de Manaus, entre eles as performances “BloCorpo” e “Chãu”, de Francisco Rider; “Por que pular degraus se a gente pode voar”, de Francis Madson, então da Cia Cacos de Teatro; e “Malu”, processo de teatro documentário de Daniely Peinado.

SERVIÇO

“Processo Natimorto: Abaporutação” – Ocupação Lugar Uma

No Lugar Uma de Artes, avenida Joaquim Nabuco, 1.436, Centro

Performances na sexta-feira, dia 4, às 17h; e nos dias 11 e 12/12, às 19h; oficinas de 30/11 a 4/12, e de 7 a 10/12; convivências com o público de segunda a sexta-feira, a partir das 14h

Todas as atividades gratuitas e abertas ao público

*Com informações da assessoria de imprensa

Publicidade
Publicidade