Segunda-feira, 17 de Fevereiro de 2020
SHOW

Projeto ‘Beatles Bossa Clube’ faz releituras da banda britânica

Projeto que revisita grandes clássicos dos 'Beatles' em ritmo de Bossa Nova ganha o palco do Teatro Amazonas com apresentação no sábado (8), às 20h e no domingo (9), às 19h



bv0305-001f_3A96FD68-1EDE-427B-9BED-4B4322C770D9.jpg As cantoras Mírian Abad, Nay Souza, Lívia Prado e Giselle Menezes são as vozes por trás do Beatles Bossa Clube neste final de semana (Foto: Divulgação)
06/06/2019 às 15:40

A virada da década 60 foi marcada por uma revolução musical. Em 1958, pela orla de Copacabana, violões começaram a ecoar uma mistura diferente de jazz e samba, batizada de Bossa Nova. Dois anos mais tarde, pelo lado europeu do Atlântico, cinco meninos de Liverpool fariam a Inglaterra ficar pequena para o fenômeno ‘The Beatles’ - e o resto da história você já conhece bem.

Ambas as ondas avassaladoras acertaram em cheio o coração da cantora Lívia Prado. Apaixonada pela trupe liderada por John Lennon e pelo gênero eternizado por Jobim, Vinícius e companhia, ela convocou as também cantoras Gisele Menezes, Mirian Abad e Nay Souza para darem voz ao Beatles Bossa Clube, projeto com releituras de clássicos da banda britânica em formato de Bossa Nova. O projeto ganha o palco do Teatro Amazonas com duas apresentações, uma no sábado (8), às 20h e outra no domingo (9), às 19h.



O show é uma forma de homenagear os 59 anos do surgimento dos Beatles e 61 anos da criação da Bossa Nova. Com previsão de 1h30 de duração, o ‘Beatles Bossa Clube’ contará com 21 canções no repertório. Além das consagradas “Hey Jude”, “Yesterday”, “Something” e “Come Together”, o repertório ainda inclui a última inspiração dos Beatles, “Blackbird”, lançada após a morte de John Lennon.

“Tentamos trazer ao palco do Teatro Amazonas as canções mais emblemáticas dos Beatles, além de adaptar também àquelas que se encaixam melhor na proposta, então o repertório ficou proporcional aos sucessos mais marcantes de cada disco lançado”, revela Lívia.

Adaptações

Mergulhando em uma proposta totalmente inusitada, o ‘Beatles Bossa Clube’ esbarrou no desafio que é deixar o rock britânico com os trejeitos da bossa nova brasileira. O responsável por fazer as adaptações nos arranjos é o pianista Carlinhos Bandeira, conhecido por compor a formação original da banda Carrapicho nos anos 1990. A direção geral do espetáculo fica por conta do ator, jornalista e produtor Michel Guerreiro. 

“Nosso maestro, Carlinhos Bandeira tem dito que alguns compassos simples do rock se tornaram complexos no formato de bossa. Para nós, as cantoras, assim como os músicos, temos que nos adaptar ao que nos propomos. Temos naipes vocais diferentes então casamos nossas vozes e assim pudemos trazer a leveza dos arranjos vocais dos Beatles para a reeleitura bossa nova das canções”, pontua Lívia.

Os ingressos para as duas apresentações do Beatles Bossa Clube já estão a venda pelo valor de R$40 (inteira) e R$20 (meia), disponíveis na bilheteria do Teatro Amazonas ou através do site bilheteriadigital.com.br
 

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.