Segunda-feira, 14 de Junho de 2021
Cinema

Filme documental retrata as 'Itacoatiaras' do Brasil

Projeto do cineasta Sérgio Andrade e da artista visual Patrícia Gouvêa pretende mostrar o elo entre as cidades homônimas, uma localizada no Amazonas e outra em Niterói, no Rio de Janeiro



BV0115-03F__1__884941B1-A9B5-4649-9ED7-73B01E42991A.jpeg Filmagens na Itacoatiara fluminense já foram realizadas (Foto: Divulgação)
17/05/2021 às 21:15

Distantes a quase três mil km em linha reta e a mais de quatro mil km em uma possível condução por terra, elas carregam o mesmo nome, Itacoatiara, e ainda mais semelhanças do que se possa imaginar: elos de ancestralidade indígena e social. Cientes disso, o cineasta amazonense Sérgio Andrade e a artista visual carioca Patrícia Gouvêa resolveram ‘desbravar’ as localidades homônimas – uma no Amazonas e outra em Niterói, Rio de Janeiro – dando origem ao filme “Itacoatiaras”. As gravações da obra iniciaram em janeiro e têm previsão de encerramento entre agosto e setembro deste ano.

Após finalizarem as filmagens no bairro/praia de Itacoatiara (Niterói/RJ), em outros pontos da cidade (Itaipu, Camboinhas, Centro) e nos arredores de Maricá – em uma aldeia do povo Guarani – a equipe dá início ao registro da Itacoatiara amazonense e dos seus arredores (rios Amazonas e Urubu e regiões rurais do município).

O projeto de documentário experimental envolve diversas entrevistas, tanto com nomes desconhecidos quanto populares, como do escritor Rafael Freitas da Silva, autor do livro “O Rio antes do Rio”, e da ativista, historiadora e intelectual indígena Márcia Mura. “Fomos em busca dos primórdios de nossa história, no Amazonas e no Rio de Janeiro, seguindo a trajetória de duas localidades homônimas e seus polos comunitários, surgidos a partir dos deslocamentos Tupi e Guarani”, detalha Andrade, que divide a direção e o roteiro de “Itacoatiaras” com Patrícia.

O amazonense Sérgio Andrade e a carioca Patrícia Gouvêa uniram forças nesta jornada (Foto: Divulgação)

 

Ponto de Partida

O projeto para o documentário surgiu de uma conversa entre Andrade e Patrícia, que se conheceram em 2017, durante uma residência artística no Amazonas, o LabVerde. Natural do Rio de Janeiro, Patrícia possui família na Itacoatiara fluminense e sempre expressou curiosidade pelos dois locais homônimos, o que despertou o interesse em firmar a primeira parceria com o cineasta amazonense e, consequentemente, iniciar o seu primeiro trabalho na área do cinema stricto senso, visando um circuito de festivais e salas de cinema.

De acordo com a artista visual, fotógrafa e pesquisadora – que coordenou a pesquisa do filme e trabalhou em conjunto com a antropóloga Julia Franceschini – a Itacoatiara de Niterói (RJ) é seu santuário desde os dois anos de idade. “Estou a vida inteira olhando para este lugar e sentindo toda a energia especial daqui desde então. Eu já viajei por quase o Brasil inteiro e muitos lugares do mundo e posso afirmar que é um local raro e único. Quando conheci o Sérgio, em 2017, e ele falou da Itacoatiara do Amazonas, eu comecei a pensar em como dois lugares distantes milhares de km podiam ter a mesma toponímia. Daí começou a nascer este projeto, de uma indagação e uma pergunta”, pontua.

Patrícia comenta que a grande novidade de “Itacoatiaras” é falar sobre os apagamentos da história que liga os dois lugares. “Fizemos uma grande pesquisa e foi muito surpreendente até para mim, que sempre estive na Itacoatiara de Niterói, descobrir como este pequeno bairro se insere num contexto maior da história dos povos indígenas do Brasil. Este trabalho é sobre os elos da ancestralidade indígena que ligam as duas Itacoás e sobre o que herdamos dos povos originários brasileiros, mesmo que o projeto de País tenha os dizimado e tentado silenciar”, especifica.

O filme – que conta com apoio da Lei Aldir Blanc para sua execução, após ser contemplado pelos editais culturais da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Amazonas e da Secretaria Especial da Cultura do Rio de Janeiro – ainda não tem previsão de lançamento ‘comercial’, mas terá seu primeiro corte completo até dezembro deste ano, em cumprimento aos entes realizadores dos editais.

 

Ficha Técnica

Direção e Roteiro:  Patricia Gouvêa e Sérgio Andrade

Assistente de Direção:  Lucas H. Rossi dos Santos

Pesquisa:  Julia Franceschini, Patricia Gouvêa e Frank Chaves

Consultoria:  Márcia Mura

Desenhos e Pinturas:  Sérgio Andrade

Direção de Produção:  Lucas H. Rossi dos Santos

Montagem:  Lucas H. Rossi dos Santos

Produção Executiva:  Henrique Amud e Cris Ferreira

Direção de Fotografia:  Valentina Ricardo (AM) e Andrea Capella (RJ)

Assistente de Fotografia:  Robert Coelho (AM) e Marina Carneiro (RJ)

Fotografia de Drone:  Yago D'Ávila (RJ)

Som Direto:  Heverson Batista (Batata) (AM) e Dudu Falcão (RJ)

Platô:  Matheus de Andrade Cordeiro (AM) e Fábio Ottoni (RJ)

Assistente de Produção:  Hernane Marques de Soza (AM) e Nikolas Lamprecht (RJ)

Produção de Base:  Mateus Chernicharo (RJ)

Motoristas:  Rogério Carvalho (AM) e Nelio de Assis (RJ)

Apoio:  Museu da Amazônia (Musa), Parque Estadual da Serra da Tiririca (PESET), Pousada Itacoatiara Inn, Regine's Hotel, 602 Filmes



Repórter

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.