Quarta-feira, 17 de Julho de 2019
GRAMMY

Rap brilha no Grammy, mas noite é do empoderamento feminino

“This is America”, de Childish Gambino, se tornou a primeira faixa de hip hop em 61 anos a vencer gravação e canção do ano. Mas os troféus foram dominados pelas mulheres, Kacey Musgraves, Cardi B, Lady Gaga e Dua Lipa



Cardi-B-Offset_AFE7798B-2831-40BE-8381-DB972BB03738.jpg Cardi B e Offset (Foto: Reuters)
11/02/2019 às 09:08

“This is America”, canção em que Childish Gambino denuncia a brutalidade policial e o racismo, conseguiu um feito inédito para o rap na premiação do Grammy neste domingo (10), quando o principal troféu foi para a artista country Kacey Musgraves.

Escolhida como gravação e canção do ano, “This is America” se tornou a primeira faixa de hip hop a vencer uma das duas principais categorias do Grammy em 61 anos, levando ainda os prêmios de melhor vídeo e melhor performance de rap.

Mas Childish Gambino, o alter ego musical do ator Donald Glover, não estava presente para receber a honraria. Tanto ele quanto o principal indicado, Kendrick Lamar, se ausentaram do espetáculo, o que foi visto como uma rejeição dos rappers motivada por decepções anteriores, quando canções de rap com críticas sociais perderam para o pop e o R&B na maior premiação da indústria da música.

“Eu realmente gostaria que ele (Glover) estivesse aqui agora. Tudo isto foi sua visão e ele merece este crédito”, disse o compositor Ludwig Goransson, que trabalhou com Glover na canção. “Ela toca as pessoas, denuncia a injustiça, celebra a vida e nos reaproxima a todos ao mesmo tempo”, afirmou Goransson, que aceitou o prêmio em nome de Glover.

O Grammy de disco do ano foi para “Golden Hour”, de Kacey Musgraves, refletindo uma apresentação e um ano dominados por apresentações e prêmios de mulheres de vários gêneros. “Eu não teria nada sem canções. Tudo tem a ver com as canções”, disse Kacey, que ganhou outros três prêmios.

A popular rapper Cardi B, que usou um traje preto e prateado de corpo inteiro para interpretar sua canção “Money”, recebeu seu primeiro Grammy – melhor disco de rap para “Invasion of Privacy”.

A nova-iorquina desbocada pareceu estranhamente atordoada com a conquista. “Ai, os nervos estão abalados”, disse ao aceitar o Grammy. “Talvez eu devesse começar a fumar erva.”

Lady Gaga ficou com três troféus e a cantora pop britânica Dua Lipa foi escolhida como melhor artista nova. O rapper canadense Drake, que tampouco era esperado, surpreendeu ao aparecer para receber o Grammy de melhor canção de rap por “God’s Plan”.

Drake, artista campeão de streamings em 2018, disse aos músicos para não se preocuparem em ganhar prêmios. “A questão é que vocês já venceram se existem pessoas que cantam suas canções palavra por palavra, se você é um herói em sua cidade-natal”, disse.

*Jill Serjeant e Alex Dobuzinskis

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.