Publicidade
Entretenimento
Buzz

‘Se pudesse, teria feito diferente’, diz Andressa Urach ao lançar livro ‘Morri para viver’ em Manaus

Grupos de amigos, famílias e jovens de todas as idades foram até uma livraria da cidade para conseguir um autógrafo da ex-prostituta que virou evangélica 12/09/2015 às 16:44
Show 1
Lançamento do livro ocorreu na livraria Saraiva, no Manauara Shopping
Natália Caplan Manaus

VÍDEO DA ENTREVISTA 

A expectativa era receber 300 pessoas para o lançamento do livro “Morri para viver”, que conta a história de Andressa Urach, na manhã deste sábado (12) em Manaus, na livraria Saraiva, no Manauara Shopping. Porém, 250 fãs da ex-modelo já estavam na fila em menos de dez minutos após a abertura do evento. No fim, quase 900 fãs conseguiram o autógrafo. 

Grupos de amigos, famílias e jovens de todas as idades chegaram cedo para garantir um lugar. A industriária Jacqueline Gomes, 21, conseguiu ser a primeira a ter a publicação autografada. “Eu já acreditava na transformação que Deus pode fazer na vida das pessoas. Mas a história dela me fez acreditar ainda mais”, disse. Manaus foi a quarta cidade a receber o lançamento do livro.

Logo após chegar à livraria, a ex-modelo Urach atendeu a imprensa e falou sobre as críticas que recebeu por conta das informações reveladas no livro, como ter feito programas sexuais com empresários de Manaus. “Eu mesma, se não fosse da igreja e visse, não ia acreditar. Eu tenho muita vergonha do meu passado e, se pudesse, teria feito tudo diferente”, afirmou.


Urach é ex-modelo, ex-prostituta, ex-participante do reality show A Fazenda, da TV Record, e vice-miss Bumbum 2012. Após quase morrer devido a problemas causados por aplicação de hidrogel nas pernas, ela se converteu e hoje é evangélica. “Eu precisei passar por tudo isso para mudar e se eu puder tocar apenas uma vida com a minha história, terá valido a pena”, completou.

Na semana passada, o Portal A Crítica publicou uma matéria, na qual ela revelou, em entrevista exclusiva, ter sido uma das prostitutas mais bem pagas do Brasil. A ex-prostituta chegou a receber até R$ 30 mil por um programa de duas horas, inclusive, na capital amazonense. No último fim de semana, porém, Andressa se mostrou uma mulher discreta e garantiu: quem não acredita hoje, se surpreenderá no futuro.

“Fazer essa obra foi muito difícil. De fato, são coisas horríveis. Eu me envergonho muito, muito, muito do meu passado, mas elas precisavam estar no livro justamente para ajudar aquelas pessoas que também já passaram por isso” declarou. “Algumas pessoas ainda duvidam e dizem ‘não, isso aí é só mais um golpe de mídia; ela está fazendo isso para aparecer’. Mas eu digo que o tempo vai mostrar”, completou.

“Tem alguns assuntos que impactam um pouco, né? Algumas pessoas dizem ‘poxa, não precisava ter colocado isso’, ‘se Deus já te perdoou, você não deveria contar, simplesmente viver a tua vida’. Mas o que aconteceu foi tão maravilhoso que eu não posso deixar de ajudar outras pessoas. Eu precisei passar por tudo isso para mudar e se eu puder tocar apenas uma vida com a minha história, terá valido a pena toda essa exposição”, enfatizou.


Sem limites, em meio às festas, sexo, bebidas e muito dinheiro, ela lembrou o quanto se sentia infeliz e deprimida. Apesar de afirmar que passou por muita dor e sofrimento em conseqüência das escolhas que fez — e das quais se diz “envergonhada” —, a ex-prostituta reconheceu que tudo foi necessário para ela recuperar os “valores que eu havia perdido no decorrer da minha vida”. Ela se declara outra pessoa.

“Eu precisei sofrer muito. Algumas pessoas dizem, ‘se você não tivesse passado pelo que passou você não teria mudado’. Realmente, porque eu não tinha limites para nada. Foi na dor, estar de frente com a morte, que eu consegui dar valor às pequenas coisas da vida. Hoje, eu sou outra Andressa Urach, uma nova Andressa Urach. Se você decidir fazer a escolha certa, é possível, sim. É exatamente essa a mensagem do livro”, disse.

Aspas de Andressa Urach

“Acho que se eu estivesse no lugar delas, talvez eu pensasse da mesma maneira. Imagina: a pessoa comete todos esses erros durante 27 anos (eu sofri muito, só eu, Deus e minha mãe sabem) e, de uma hora para outra, em tão pouco tempo, muda totalmente, ao extremo. Mas é porque elas não conhecem o Deus do impossível. Eu entendo essas pessoas, mas o tempo que vai mostrar se eu mudei, ou não. Os incrédulos, aqueles que duvidam, daqui a um ou dois anos, eles vão se render. Eles vão dizer ‘realmente, esse Deus existe’”, disse Andressa.


“Todos têm uma segunda chance. Não importa o que a pessoa tenha feito. Quando você conta as coisas que fez, de onde você saiu e como se reergueu, ajuda outras pessoas a ter foco. Dá força para você vencer o seu eu. Os maiores inimigos são os nossos próprios pensamentos. Mostrar o quanto a minha vida mudou, a transformação que houve, é maravilhoso. Eu me envergonho, sim, muito, muito, muito do meu passado.  Se eu pudesse voltar no tempo e fazer tudo diferente, eu faria. Mas eu não posso. O que eu posso é começar uma nova história e eu vou fazer isso”

Público marcou presença

Para a autônoma Sinara Simões, 25, que leu apenas alguns trechos da obra enquanto aguardava a vez, a história é “pesada”, mas dá “forças” para quem acha que a vida não tem mais sentido. “É meio assustador, mas interessante. Mostra a realidade oculta de muitas pessoas, que vivem uma alegria momentânea e se sentem sem perspectiva. Mas, daí, você lê e pensa ‘ela viveu tudo isso e conseguiu’. É um ânimo a mais”, afirmou.

Já a supervisora de qualidade Maria Leula Nogueira, 45, comparou a ex-prostituta ao apóstolo Paulo que, segundo a Bíblia, perseguia e matava cristãos. “É um testemunho muito forte de vida. Eu comparo com Saulo, que se tornou Paulo, sofreu uma transformação muito grande. Se ele mudou um assassino, por quê não Andressa Urach? Deus perdoa aqueles que demonstram arrependimento genuíno”, enfatizou.

Com sete exemplares nas mãos para presentear amigos e parentes, a dona de casa Gerlane Costa, 34, revelou que o marido nem precisou ler o livro para tomar a decisão de ir à igreja. “Estou há 20 anos na igreja e trabalho com evangelização. Sei que muitas pessoas podem ler e acreditar também. Só de acompanhar a história da Andressa pela mídia, meu esposo decidiu ir à igreja comigo, buscar mais a Deus”, enfatizou.

Publicidade
Publicidade