Publicidade
Entretenimento
Vida

Site de relacionamento entre pessoas com mais de 40 anos completa dois anos de existência

A iniciativa do empresário e jornalista Airton Gontow surgiu dada a dificuldade de pessoas com 40 anos ou mais em encontrar uma cara metade  23/11/2014 às 13:25
Show 1
O cadastro no Coroa Metade é gratuito e pode ser feito através do www.coroametade.com.br
JONY CLAY BORGES MANAUS (AM)

Se você acha que buscar um namorado ou namorada num site de namoros só fica bem para gente mais jovem, precisa rever seus conceitos. Assim como outras mais novas, muitas pessoas com idade a partir de 40 anos estão fazendo da Internet uma aliada na busca por uma relação. Prova disso é o Coroa Metade: primeiro do gênero no Brasil, o site de relacionamentos voltado a esse público completou ontem dois anos de atividades. E os números comprovam o sucesso: o endereço hoje tem mais de 75 mil cadastros e 7,6 mil assinaturas, e ultrapassa 992 mil visitantes e 13,7 milhões de páginas vistas.

“O site é procurado basicamente por homens e mulheres que não têm tempo a perder em encontros sem sentido, mas que ainda acreditam que é possível encontrar sua coroa metade”, afirma Airton Gontow, de 52 anos, idealizador e diretor do site. Para ele, que além de empreendedor é jornalista, as histórias dos usuários também falam do sucesso da iniciativa: “Temos 21 casos de pessoas que saíram do site porque estão namorando firme. É gratificante. Digo sempre que devo ser um caso raro de empresário, porque festejo a cada cliente que perco”.


NOVOS COROAS

A ideia do Coroa Metade surgiu quando Gontow, que viveu a dificuldade de encontrar pessoas para uma relação estável após se separar, aos 43 anos, notou que seus amigos, solteiros ou separados acima dos 40, encaravam o mesmo dilema. “Decidi fazer o site quando vi que havia um público carente, gente que conseguia encontrar companhia, mas não um companheiro”.

Levou ainda alguns meses para o site ser lançado. O motivo? O idealizador tinha dúvidas quanto ao nome. “Quando tive a ideia, achei um baita nome, que a mídia iria adorar. Mas pensei, ‘Será que as pessoas vão se ofender de serem chamadas de coroas?’”, recorda ele, que foi às ruas fazer pesquisa sobre marcas fictícias com a palavra ‘coroa’ no nome. “E 84% das pessoas aprovaram, por gostar ou por se diferenciar da garotada”.

Gontow avalia essa aceitação como prova da mudança no perfil das pessoas de mais idade hoje. “Ser coroa se tornou uma coisa cult. Por exemplo, eu tomo bom vinho, leio bastante e tenho mais saúde que muita gente de 28 anos. Minha esposa, aos 50 anos, acaba de mudar de emprego. As pessoas vivem mais e melhor”.


FERRAMENTA SOCIAL

Com o site no ar, o público carente que Gontow detectara logo aderiu à ferramenta social. “Esqueça a história de que só entra em sites assim quem é feio, tímido ou antissocial. Há desde a mulher linda de 42 anos, com filhos e sem tempo para sair, ao empresário viúvo que vai de casa para o trabalho e não tem onde procurar uma companheira”, assinala.

No Coroa Metade, o número de homens e de mulheres é equivalente: eles são 47% dos usuários, e elas, 53%. Segundo o diretor, eles são mais arredios a buscar o site. “Se uma mulher gosta do site, fala para 20 amigas e elas entram também. Se um homem entra, não fala para ninguém, por medo de ouvir algo como, ‘Você não é homem o bastante para pegar mulher num bar?’”, explica ele, que busca se dirigir mais aos homens em suas entrevistas: “Sempre tento convencê-los de que isso não é nenhum constragimento”.

No balanço de dois anos do Coroa Metade, Gontow destaca um aprendizado importante: o de que um site de relacionamentos é apenas uma ferramenta moderna para satisfazer necessidades antigas e essenciais do ser humano. “O site é um lugar para se criar relações e encontrar alguém que se encaixe no seu perfil. Existe ainda a questão do pessoal: o encontro, o beijo, essas coisas ainda são importantes. Graças a Deus, não somos máquinas”.


Publicidade
Publicidade