Publicidade
Entretenimento
Vida

Skank apresenta o álbum ‘Velocia’ a Luau M1, na próxima semana

Do álbum, “Esquecimento” é o principal sucesso nas rádios e nas lojas de música digital na atualidade, mas os hits que marcam a trajetória da banda não vão ficar de fora 19/09/2015 às 15:18
Show 1
Com quase 25 anos de carreira, a banda irá se apresentar no próximo final de semana em Manaus
JONY CLAY BORGES Manaus (AM)

Uma das atrações do esperado Luau M1, os mineiros do Skank voltam aos palcos locais na próxima sexta-feira, dia 25, trazendo o show da turnê de seu mais recente disco, “Velocia”.

Do álbum, “Esquecimento” é o principal sucesso nas rádios e nas lojas de música digital na atualidade, mas os hits que marcam a trajetória de quase 25 anos da banda não vão ficar de fora da apresentação.

“Lógico que a gente vai tocar os grandes sucessos”, garante Henrique Portugal, tecladista da banda de Belo Horizonte, em entrevista exclusiva à reportagem por telefone. “Tem muita música que não pode ficar de fora das nossas apresentações, como ‘Vou deixar’, ‘Garota nacional’, ‘Saideira’ e ‘Jackie Tequila’”, complementa o músico.

Ao lado das canções do novo álbum, os hits do Skank vão ajudar a compor um panorama da sonoridade do grupo ao longo de diversas épocas – do estilo reggae dos primeiros anos ao rock tradicional e à psicodelia nos anos 2000. “Nosso estilo musical é meio como a flora amazônica: é uma mistura danada”, comenta Portugal, bem humorado. “Eu ia falar ‘uma feijoada’, mas como estou falando para Manaus, preferi usar uma imagem da região”, diz.

A comparação de Portugal se aplica também a “Velocia”, que ele descreve como um “resumo” das sonoridades que o Skank explorou ao longo de sua trajetória. “Tem a música ‘Ela me deixou’, por exemplo, que é um skazinho. Já ‘Multidão’, que tem a participação do BNegão no disco, é um dub jamaicano, mas com letra brasileira bem marcante. ‘Esquecimento’ é uma balada que foi bem trabalhada, gravamos com uma banda de Londres”, enumera ele. “Acabou de o álbum ser um resumo de nossas referências musicais”.

Manaus na rede

Lançado em meados do ano passado, “Velocia” despontou nos últimos meses com o sucesso de “Esquecimento”. O “estouro” se deu com mais destaque no meio digital, com a faixa tendo chegado a ser a música nacional mais baixada no iTunes, no mês passado.

Para a banda, a transição do CD para a música digital é algo superado. “O que vejo é o seguinte: as pessoas que gostam de música continuarão a comprar o disco físico, mas as que gostam daquela música de sucesso vão mesmo baixar ou comprar por streaming”, opina Portugal.

O sucesso online também é uma mostra do grande apelo do grupo mineiro entre o público nas plataformas digitais e virtuais. “Já ganhamos prêmios por ações no terreno digital. Ganhamos até um Leão de Ouro por mídia social. Conversamos bem com os fãs pelo Facebook, Instagram, Twitter”, assinala o tecladista.

Portugal cita ainda a transmissão de shows do grupo ao vivo como ferramenta de interação com internautas. “Normalmente temos feito pelo Facebook. Vamos fazer um pedacinho da transmissão do show de Manaus também, pode confirmar aí”, antecipa.

Respeito à cultura

A relação do Skank com os fãs, é claro, também mostra sua força nos shows, com a banda sendo uma das mais regulares nos palcos de Manaus. Mas a ligação do grupo com a cidade não se restringe às apresentações, como revela Portugal.

“A história do Skank com Manaus é bem legal, mas tem também a relação do carinho com a cultura do local. E não falamos isso só por falar, não! Eu e Haroldo sempre vamos no hotel de selva Ariaú, toda vez que vamos a Manaus”, conta ele, que também é fã do pescado regional: “Numa das vezes em que estivemos aí, descobrimos um restaurante rústico, meio fora da cidade, para comer pirarucu e tambaqui. Quando se fala de show em Manaus, a gente já pensa, ‘Vamos lá!’”.

Publicidade
Publicidade