Publicidade
Entretenimento
Vida

Sonho e realidade: as festas cenográficas de Júnior Carvalho

No início sem conhecimento técnico e com improvisações, hoje o empresário Júnior Carvalho, do ramo de decoração de festas, colhe sucessos que plantou 31/07/2015 às 16:11
Show 1
Com 138 festas cenografadas ao longo de sua carreira, Carvalho garante que estas não se perderão com o passar do tempo
Laynna Feitoza Manaus, AM

Há 20 anos, o dentista Júnior Carvalho queria algo marcante para o primeiro aniversário da filha, Gabriela. “Nós queríamos fazer algo baseado nos parques da Disney e fomos procurar pela cidade, mas ninguém tinha”, coloca ele, que não se deu por vencido e começou a esculpir – sem conhecimento técnico nenhum sobre a área – casas e castelos de isopor para o aniversário.

“Quando fizemos a festa, os convidados ficaram assustados, perguntaram como eu tinha feito”, relembra. A partir do repasse de informações dos convidados aos amigos e conhecidos, uma semana depois da festa já tinha gente interessada no aluguel dos cenários. E hoje, aos 50 anos, ele colhe os sucessos que a sua empresa, Júnior Carvalho Festas, plantou com festas cenográficas.

Ele afirma que aprendeu a esculpir naturalmente, só observando vídeos e fotos de outros cenários. Nas festas cenográficas – das quais faz de três a quatro por mês – são feitos castelos inteiros com escadarias decorando portas ou o interior do salão, bem como peças e esculturas em movimento. “Colocamos as fadas da Bela Adormecida dançando na festa e o seu dragão soltando fumaça e mexendo as partes do corpo”, revela. A maioria das esculturas são projetadas em 3D.

Célebres

Os lugares mais famosos do mundo também não poderiam passar despercebidos. “Em uma festa temática de Paris, fizemos uma réplica da Torre Eiffel de 5 metros, uma estátua do Louvre e esculpimos as dançarinas de Cancan. Também fazemos festas temáticas árabes, de Hollywood... tentamos levar a magia desses locais para a festa”, lembra ele, cuja empresa hoje tem cerca de 5 funcionários que confeccionam os cenários. Na época em que Júnior começou, fazia tudo sozinho. “Trabalhava como dentista durante o dia, e à noite confeccionava os decorativos e bonecos”, recorda.

E numa sociedade que adere mais e mais às festas minimalistas, há algum risco da magia da cenografia se perder nas celebrações? “As festas do Rio e São Paulo são todas com bonecos esculpidos, e a maioria com temas. Há atores, dançarinos para dar mais realidade. Há muitas festas de 15 anos tematizadas. De vez em quando recebo pessoas de 60 anos pedindo festa cenográfica”, revela, quebrando o mito de que só crianças e adolescentes solicitam cenografia.

Com 138 festas cenografadas ao longo de sua carreira, Carvalho garante que estas não se perderão com o passar do tempo.

“Com o avanço da tecnologia é possível ter uma festa do jeito que você quer. Com PVC, adesivos e totens, um arranjo de flores e uma mesa de madeira já se tem uma festa”, destaca ele, lembrando que os temas mais pedidos nas festas infantis estão ligados às princesas e à Disney, que nunca sai de moda. “Temas de palhaço e circo também. As pessoas não abrem mão no primeiro ano dos filhos”, encerra.

Publicidade
Publicidade