Publicidade
Entretenimento
Vida

Suco verde é fonte de energia e boa forma para crianças

Para inserir o suco verde na alimentação dos filhos, porém, é necessário estar alerta a alguns cuidados. A couve-flor é essencial e frutas cítricas (como limão e laranja) só podem ser introduzidos após o oitavo mês de vida 27/02/2015 às 14:31
Show 1
O pequeno Artur Lima, 4, chama o suco verde de Ben 10
Laynna Feitoza Manaus, AM

Felizes são os pais cujos filhos comem de tudo: sabemos o quanto é comum crianças pequenas torcerem o nariz para determinadas frutas e legumes. O que poucos sabem é que quanto mais cedo se introduz estes alimentos na vida dos pequenos, mas fácil será para que eles se adaptem e desenvolvam um gosto natural por hábitos saudáveis. Uma ótima alternativa para unir crianças e uma boa alimentação é o suco verde, que reúne em um só copo nutrientes indispensáveis para o organismo infantil e que são um pontapé inicial para a boa forma da criançada.

A administradora Ruth Lima, 29, inseriu o suco verde na vida do pequeno Artur Lima, 4, aos seis meses de idade. “Ele sempre foi difícil de se alimentar, mamou muito pouco o leite materno. Procurei trabalhar com os sucos e frutas, e sempre procurei explicar os benefícios destes alimentos. Deixo ele preparar o suco comigo e é muito legal”, pondera ela, que é proprietária da creche Anchieta e que ministra ativamente o líquido no estabelecimento. “Foi um ponto positivo ele ver as outras crianças tomando também”, coloca.

A mãe só vem notando benefícios desde então. “Artur não tem problema intestinal. Ele tem alergia à medicações, então o suco entra como forma de tratamento para gripe. Os médicos sempre o elogiam por ele ser magro, porém mais hidratado. A dentição toda saiu no tempo certo e não há nenhuma cárie e até mesmo mau hálito”, diz ela. E energia o filho dela tem de sobra. “Ano passado passamos 15 dias no Nordeste conhecendo as estradas. Chegávamos a passar seis horas no carro e ele não adoeceu”, confessa, lembrando que os sucos verdes preferidos do filho envolvem couve, água mineral ou de coco, limão, pepino, abacaxi e hortelã. “Ele chama o suco de Ben 10”, diverte-se Ruth.

Considere

Para inserir o suco verde na alimentação dos filhos, porém, é necessário estar alerta a alguns cuidados. A couve-flor é essencial e frutas cítricas (como limão e laranja) só podem ser introduzidos após o oitavo mês de vida. É o que coloca a nutricionista Teresa Cristina. “A couve mexe com o metabolismo da criança e auxilia na eliminação de toxinas junto com o limão, mas o limão só pode ser ingerido após o oitavo mês devido às paredes estomacais do bebê serem muito sensíveis à acidez, além de sua imunidade não estar madura”, pontua.

Ela explica que as crianças nascem com a chamada primeira imunidade, obtida com o aleitamento materno. A segunda imunidade vem com a alimentação, e o suco verde reforça isso. “O suco verde aumenta o apetite de maneira geral. Com a eliminação das toxinas, ele desperta o desejo da criança por frutas e demais legumes, o que pode amenizar ou reduzir um pouco a dependência por fast-foods e comidas não saudáveis”, assegura ela.

A partir dos cinco meses, a criança está apta a comer frutas não-cítricas e com dois anos já tem discernimento para determinar o que gosta e escolher o que quer comer. “Quanto mais cedo você apresentar a criança a uma fruta ou legume, mais se ampliam os níveis de aceitação dela ao alimento no futuro”, destaca Cristina. A queixa da profissional se refere justamente às crianças que não são apresentadas a estes alimentos cedo, e que por conta disso agem com repúdio aos alimentos mais saudáveis com o passar do tempo.

Além do limão e da couve, que são ingredientes essenciais no suco verde infantil, a nutricionista indica como complemento o alface, que também elimina toxinas; o maracujá, que ajuda a tranquilizar a criança e o abacaxi, por ser rico em fibras. “Junto com a couve, a ação é potencializada, e ajuda bastante crianças que tem prisão de ventre”, relata. Por outro lado, o organismo dos pequenos não é como os dos adultos, e alimentos como rúcula e gengibre são pouco recomendados.

“Não aconselhamos, porque a imunidade da criança ainda é fraca. Para eles, fazemos um suco verde na forma de refresco, não na forma de sumo grosso, conforme é feito para os adultos. Para uma criança, um limão faz um litro de suco verde, enquanto para os adultos um limão faz apenas um copo. E o organismo da criança não consegue digerir adequadamente alimentos como rúcula e gengibre, porque deixam o metabolismo lento, fazendo com que o corpo deles trabalhe demais para eliminar os ingredientes. Quando isso acontece, o suco verde acaba fazendo efeito contrário: ao invés de aumentar a energia, a reduz”, complementa Cristina.

Contra a obesidade

Para a nutricionista Flávia Amaro, a obesidade na infância ou adolescência é um problema que vem crescendo a cada dia em nosso País e que exige atenção da família, escola e profissionais de saúde. Amaro aponta que uma forma de incentivar os pequenos a gostarem de alimentos mais saudáveis são justamente as receitas de sucos naturais que fazem a combinação entre frutas e hortaliças, como exemplo o suco da horta (o verde), que é uma forte arma contra o ganho de peso em excesso.

“É importante lembrar que o consumo de suco em caixinha deve ser moderado devido ao seu alto teor de açúcar. O mais nutritivo é o suco preparado com frutas in natura, em que podemos controlar a quantidade de açúcar ou até mesmo não acrescentá-lo dependendo da acidez do suco. O ideal é consumir os sucos naturais logo após o preparo, pois com o passar das horas vai perdendo seus nutrientes”, encerra.


Publicidade
Publicidade