Domingo, 17 de Novembro de 2019
Vida

Tenor José Luis Sola rouba a cena na ópera 'Rei Roger', do FAO

A primeira vez de José Luis como “Pastor” foi em 2012, em Bilbao, na Espanha. Ele considera a ópera, que será apresentada em Manaus em formato concerto, musicalmente complicada, mas impactante



1.jpg O tenor espanhol José Luis Sola (à esq.) se apresenta pela primeira vez no Brasil pelo FAO
11/04/2013 às 09:49

Pela primeira vez no Brasil, o tenor espanhol José Luis Sola viverá pela segunda vez o papel do “Pastor”, da ópera “Rei Roger”, uma das peças mais importantes do polonês Karol Szymanowski. O tenor é um dos destaques do elenco de solistas da abertura do XVII Festival Amazonas de Ópera (FAO), no dia 14 de abril, às 19h, no Teatro Amazonas. O FAO há 17 anos é promovido pelo Governo do Estado, com realização da Secretaria de Cultura, e este ano tem patrocínio máster do Bradesco.

A primeira vez de José Luis como “Pastor” foi em 2012, em Bilbao, na Espanha. Ele considera a ópera, que será apresentada em Manaus em formato concerto, musicalmente complicada, mas impactante. “A composição tem muitos atrativos, apesar das exigências vocais para os solistas. Mas a música tem algo diferente, além da linguagem, de ser cantada em polonês”, diz o espanhol, que está nos ensaios noturnos com a Amazonas Filarmônica.



Impacto

Sobre a personagem, José Luis explica que o “Pastor” exige muito preparo vocal e que em muitas encenações pelo mundo a ópera recebe o subtítulo do nome do seu papel, devido a importância que ele tem na trama. “Ele desencadeia todo o drama da ópera, é a peça-chave para muitos acontecimentos em cena. Tecnicamente é uma ópera de grande força e atração”, diz o tenor.

Sobre o FAO, o espanhol, vencedor de um prêmio especial do Governo de Navarra, tinha curiosidade de conhecer o evento, mundialmente famoso e já relacionado internacionalmente quando se fala de Brasil e Amazônia. “Estou ansioso para essa nova troca de experiência e também por conhecer o rio Amazonas e o rio Negro, após o trabalho”, fala o tenor. “Rei Roger” terá mais duas récitas dias 18 e 20 de abril e contará com a participação da Amazonas Filarmônica, com regência de Luiz Fernando Malheiro, Coral do Amazonas e Coral Infantil do Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro. Os ingressos para o espetáculo já estão à venda na bilheteria do Teatro Amazonas.

Ópera “Rei Roger”

Ato I - ato Bizantino

O pastor é apresentado ao Rei Roger e sua corte em uma missa na catedral de Palermo. Apesar de apelos de punição como herege pelo arcebispo, Roxana, esposa do rei, convence Roger a não matá-lo. Roger ordena que o jovem apareça no palácio à noite, onde ele irá explicar-se e submeter-se ao julgamento do Rei.

Ato II - ato Oriental

Como instruído, o pastor aparece nos portões do palácio. Roxana canta uma canção sedutora que é claramente uma resposta ao visitante, causando grande inquietação em Roger. Com o pastor tendo sua entrada permitida, ele descreve sua fé em detalhes e logo quase toda a corte se junta a ele em uma dança estática. Roger tenta prendê-lo, mas o pastor facilmente se solta e deixa o lugar com quase todos o seguindo. Por um momento, o rei e seu assessor árabe, Edrisi, são deixados sozinhos, mas logo é decidido que Roger vai juntar-se ao pastor.

Ato III - ato Greco-Romano

Em um antigo teatro grego, Rei Roger e Edrisi reencontram Roxana, que informa seu marido que apenas o pastor pode deter seu medo e inveja. Uma chama se acende e os seguidores do pastor começam outra dança, enquanto o pastor transforma-se em Dionísio. Quando a dança termina e os participantes deixam o palco, Roger deixa-se transformar pela experiência e canta um alegre hino na alvorada.

Serviço

o que é:  XVII Festival Amazonas de Ópera (FAO)

quando:  De 14 de abril a 26 de maio

onde:  Diversos espaços culturais do Estado

 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.