Domingo, 15 de Setembro de 2019
CANTOR

Zeca Pagodinho comemora 36 anos de carreira no Passo a Paço

O cantor é uma das atrações nacionais do Festival que acontece de 5 a 8 de setembro no Centro Histórico de Manaus



img_06-970x440_E5FA7861-E864-46FA-BF88-3A0A647C6BFE.jpg Zeca Pagodinho é uma das atrações nacionais do Festival Passo a Paço 2019
05/09/2019 às 10:31

Trinta e seis anos de carreira, 28 discos gravados e uma trajetória marcada por grandes interpretações, parcerias e sucessos. Assim pode ser resumida a história de um dos maiores sambistas brasileiros, o cantor Zeca Pagodinho, uma das atrações nacionais do Festival Passo a Paço 2019, que acontece em Manaus, de 5 a 8 de setembro.

Dono de sucessos como “Bagaço da Laranja", “Coração em Desalinho”, “Judia de Mim”, “Deixa a Vida Me Levar”, “Quando Eu Contar (IaIa)”, entre outros tantos, Zeca diz que o segredo para não deixar o samba morrer é “a cada dia mais, fazer e cantar samba”.

Em seu retorno a Manaus, o sambista se apresentará no dia 7 de setembro, no Palco Plataforma Malcher, a partir das 21h. Ainda nesse dia, o mesmo palco receberá Liniker e os Caramelows, Santaella e Baile da Papaizinha, além da DJ Carol Amaral no comando dos intervalos.

Nascido Jessé Gomes da Silva Filho, Zeca Pagodinho nasceu no Irajá (RJ), em 1959, e foi criado em Del Castilho, onde passou a frequentar rodas de samba. Foi na década 80 que o sambista teve sua primeira música gravada: “Amargura”, em parceria com o flautista e partideiro Cláudio Camunguelo. De lá pra cá, Zeca consolidou sua carreira tornando-se referência no cenário do samba brasileiro.

“Quando comecei não tinha intenção de virar um artista, queria ver minhas músicas tocando nas rádios nas vozes de outros artistas, mas aí chegou Beth Carvalho que fez do Jessé, o ‘Zeca Pagodinho’, e desde então não parei mais. Acho que o público fica feliz com os sambas que canto, tanto quanto com os dos compositores que gravo. Deve ser isso”, comentou Zeca que já teve canções e parcerias firmadas com nomes consagrados da música brasileira como Arlindo Cruz, Jorge Aragão, Maria Bethânia e Marisa Monte, entre outros.

Com uma legião de fãs no Amazonas, Zeca Pagodinho ressaltou o trabalho de artistas locais, entre eles o sambista Paulo Onça e Chico da Silva. “Paulo Onça é amigo, vive com a gente no Rio de Janeiro, em Xerém, é um ótimo compositor. Chico da Silva é nota dez, outro grande exemplo de bons compositores amazonenses”, declarou.

Passo a Paço

Em sua sexta edição, o projeto de ocupação artística do Centro Histórico de Manaus, Passo a Paço, consolidado como o maior festival de artes integradas da Amazônia, promove o encontro de variadas expressões e linguagens artístico-culturais no berço histórico da capital amazonense. O evento integra a programação dos 350 anos da cidade de Manaus e terá quatro dias de música, artes e gastronomia, com programação gratuita.

Este ano, o Passo a Paço acontecerá de 5 a 8 de setembro, e trará como principal atração internacional o cantor CeeLo Green. Na cena nacional, os principais palcos do festival receberão nomes como Jaloo, Letrux, Sidney Magal, Roberta Miranda, Baco Exu do Blues, Liniker e os Caramelows, Ludmilla, Emicida, Fagner e Zeca Pagodinho, além de shows de mais de 30 artistas locais.

News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.