Sexta-feira, 17 de Janeiro de 2020
Evolução de instrumentos

Boi de muitos sons

História das toadas é marcada pela introdução de novos instrumentos musicais



1.png Bené Siqueira levou o Cuatro Venezuelano para a arena
30/06/2013 às 11:53

Um dos principais traços da evolução do jeito de brincar de boi bumbá em Parintins está nos instrumentos utilizados para executar as toadas(músicas que embalam as apresentações de Caprichoso e Garantido) ao longo dos últimos 100 anos.

Pela influência do bumba-meu-boi do Maranhão, no início do século passado, os levantadores de toadas (à época chamados de Amo do Boi) tinham seus versos e toadas acompanhados por tambores de couro.



Dos tambores d emadeira e couro de jibóia, aquecidos no fogo para chegar à afinação adequada, houve a mudança da madeira para a lata.

“Depois, já na metade dos anos de 1950, começam a chegar os tambores com afinação e pele com qualidade melhor”, conta Fred Góes, músico e diretor geral da apresentação do Garantido. Do couro,os tambores passaram a ser confeccionados com pele sintética, como funciona até hoje.

São os instrumentos de cordas, como Charango e Cuatro Venezuelano, que, nos anos 1980, vão dar a virada na forma de interpretar as toadas dos bois de Parintins.

“A rapaziada nova viu que tinha a necessidade de ter novos instrumentos,porque, às vezes, a gente levantava um atoada em um tom muito alto,que no final, tinha que fazer um esforço grande para segurar (atingir as notas)”, afirma Bené Siqueira, músico e Sonoplasta do Caprichoso.

Mas não foi fácil quebrar a supremacia dos instrumentos de percussão e colocar harmonia nas toadas. Quem tentava era acusado de querer desvirtuar o folclore. “A gente veio brincando lá na baixa (doSãoJosé) como Charango, com o Cuatro Venezuelano, mas cantando apenas nas rodas. A gente era praticamente proibido de subir no palanque (antigo palco das bandas no festival)”, diz Fred.

Fred Goés trouxe o Charango para o Festival

Segundo o artista do Garantido, era inegável que mais cedo ou mais tarde os instrumentos de cordas iriam conquistar o público. “Percebíamos isso porque,quando a gente cantava, fora do palanque, a vibração (das pessoas) era maior, por causa da harmonia”, afirma Fred Góes.

Apesar de ser o responsável por trazer o Charango para Parintins e usá-lo para tocar toadas, não foi Fred quem primeiro levou o instrumento para as apresentações dos bois. Segundo Bené, o feito ficou para Sílvio Camaleão,aluno de Fred.

Acompanhando o caminho aberto pelo Charango de Fred, Bené conta que aproveitou para introduzir o CuatroVenezuelano na toada. Segundo ele, o instrumento já era tocado por ele na banda Regional Vermelho e Branco.

“O primeiro instrumento colocado no boi foi o Charango. Depois vim também fazendo um CuatroVenezuelano, que é como se fosse um violão, junto com essa parte andina do Charango”, lembra Bené.

Guitarra ainda está em teste

A guitarra é um dos novos instrumentos que vêm passando por experimentações em toadas pelos músicos da ilha Tupinabarana.  O Garantido tem ousado nos dois últimos anos em solos mais agressivos do instrumento, principalmente no CD 2013.

Segundo Bené Siqueira, o Caprichoso até chegou a gravar um demo com guitarra,mas não gostou do resultado.  “Desde o ano passado, parece que tem alguém querendo empurrar a guitarra.Mas ela não encaixou. Ainda não soou direito”, provocou Bené Siqueira.

Fred Góes responde às críticas lembrando que faz parte da história da música o avanço da sonoridade.  E alfineta: “Nesse processo de aprimoramento musical do espetáculo do boi, houve muita reação, que é natural de quem não conhece música”.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.