Domingo, 19 de Maio de 2019
TRATAMENTO

Água passa por transformação antes de chegar às torneiras dos moradores

Técnicos fazem aproximadamente 30 mil análises mensais na água tratada por concessionária. Processo de “transformação” da água bruta em água potável é concluído em pouco menos de duas horas



zAGUA_C301-22-03_F3606A90-71E4-4953-92AA-E4F9D07BEAAC.jpg
Técnicos fazem aproximadamente 30 mil análises mensais na água tratada pela concessionária (Euzivaldo Queiroz/AC)
22/03/2019 às 11:59

Quando você liga a torneira para lavar uma louça, encher uma garrafa, lavar as mãos ou escovar os dentes, consegue imaginar qual o processo que ocorre para que essa água, transparente, límpida e potável chegue até sua casa? As etapas fazem parte de um verdadeiro processo químico e logístico, desde  o momento em que ela é captada no Rio Negro até a distribuição para as mais de 500 mil residências espalhadas em todos os bairros da capital.

Após a captação, feita em uma profundidade de mais de 30 metros, a água chega por meio de adutoras (tubulações gigantescas) até os tanques de uma das Estações de Tratamentos (ETAs). O processo de “transformação” da água bruta em água potável é concluído em pouco menos de duas horas, após o produto coletado passar por todas as etapas de tratamento e ficar no ponto certo de distribuição.

Nas estações da Ponta do Ismael, no bairro Compensa, responsáveis pela a maior parte do abastecimento da cidade, o processo tem cinco etapas, conforme explica Marcelo Avelino, supervisor de produção da Estação de Tratamento 1. “A etapa um é a própria captação. A dois, chamamos de adução e por fim, vem o tratamento. Sendo que o tratamento se divide em vários processos como a coagulação, decantação ou flotação. Depois desses processos iniciais, vem a filtração, a desinfecção e a fluoretação, onde a gente acrescenta uma quantidade de flúor na água”, descreveu.

Análises

O procedimento é tão minucioso que os técnicos fazem aproximadamente 30 mil análises mensais na água tratada pela concessionária. São monitoradas desde a característica que mede o grau de coloração e turbidez (transparência) da água, a presença de metais pesados e bactérias. “O monitoramento desse tratamento tem que ser feito de forma eficaz e sistemática, de uma forma muito justa e detalhada, para que você consiga fazer esse tratamento de forma eficaz. Por isso, temos todo um cuidado, onde o resultado é avaliado de hora em hora”, comentou Marcelo. 

O processo é todo automatizado, desde a captação até o monitoramento da qualidade da água, que é feito em uma sala específica. Nela, é possível detectar qualquer falha no processo de tratamento, antes mesmo da água chegar ao consumidor.

Os técnicos da concessionária avaliam, ao longo do dia, a água já tratada. A partir de alguns reagentes químicos, é possível saber se ela está dentro dos padrões de potabilidade.

“Isso é feito para garantir que a população receba uma água de qualidade. Muita gente olha para água do Rio Negro e pensa que é uma água tão limpa e tão boa. Ela é limpa sim, não tem problema nenhum, mas existe uma série de materiais orgânicos no rio que precisam ser retirados para tornar esta água adequada para o consumo”, esclareceu o diretor presidente da empresa Águas de Manaus, Renato Medicis. 

Peculiaridades

Sobre este aspecto, o supervisor Marcelo Avelino explica que a água do Rio Negro possui algumas peculiaridades, que tornam o tratamento ainda mais detalhado.

“O Rio Negro tem uma água difícil de ser tratada, mas é uma água tratável. É difícil por ter uma elevada taxa de coloração proveniente de uma matéria orgânica. É uma água aparentemente limpa, mas com uma coloração muito alta. Por causa dessa coloração, usamos uma quantidade elevada de coagulantes, como o sulfato de alumínio e os polímeros, para conseguir dar uma aparência transparente a água”, esclareceu.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.