Quinta-feira, 23 de Maio de 2019
SANEAMENTO

Águas de Manaus pretende elevar cobertura de esgoto para 80% da capital até 2030

Manaus possui 536 quilômetros de rede coletora, interceptores e coletores tronco de esgoto, o que atende 20% da cidade. Atualmente, cerca de 1.5 milhão de metros cúbicos de esgoto são tratados por mês



esgoto_39CDAD19-7AC2-41B8-BBDD-F0EF33106204.jpg
Tratamento dos esgotos passa por cinco etapas antes da água ser devolvida aos igarapés. Foto: Euzivaldo Queiroz
21/03/2019 às 22:04

Já imaginou tratar toda a água que você utiliza dentro de casa e devolvê-la limpa, sem resíduos, para natureza? Parece impossível e fora da realidade, mas isso já é feito pela Águas de Manaus nas 82 Estações de Tratamento de Esgoto (ETE’s) espalhadas pela capital. Um bem para o meio ambiente e para os moradores de Manaus que podem se beneficiar do serviço.

Atualmente, cerca de 1.5 milhão de metros cúbicos de esgoto são tratados por mês em Manaus nessas ETE´s. Esse volume é suficiente para encher 3 milhões de caixas d’água de 500 litros.

O processo para transformar o esgoto em água limpa dura entre 24 e 48 horas, até que o mau cheiro e os resíduos sólidos sejam retirados antes da devolução para um dos igarapés que cortam a cidade. 

Na Estação de Tratamento Timbiras, localizada na Cidade Nova, considerada a maior ETE da região Norte, são tratados 220 litros de esgoto por segundo. Inaugurada no ano passado, a estação pode atender até 100 mil moradores da Zona Norte.

O esgoto tratado no local retorna para o igarapé Goiabinha (um dos maiores afluentes do Mindu) com mais de 95% de pureza. É o que afirma o líder da equipe que atua na estação, Wiliam Stiverson. “A qualidade de eficiência do tratamento é comprovada toda semana nas analises que fazemos no nosso laboratório. Neste processo, a gente analisa a qualidade do tratamento e faz os ajustes necessários para sempre manter a qualidade da água dentro dos padrões”, explicou.

Ampliação

Atualmente Manaus possui 536 quilômetros de rede coletora, interceptores e coletores tronco de esgoto na cidade. A previsão da concessionária é elevar a cobertura de esgoto para 80% da capital até 2030, ampliando em cinco vezes a capacidade atual de tratamento.

“O esgoto é o grande investimento a ser feito na cidade de Manaus. Hoje, tem só 20% com cobertura. Então nós estamos falando em chegar, em 11 anos, a um patamar semelhante ao do abastecimento de água. Uma dificuldade hoje é fazer as pessoas entenderem a importância do tratamento do esgoto. Primeiro a gente tem o trabalho de fazer com que as pessoas usem a água tratada, já para melhorar a questão da saúde e qualidade de vida delas, com a redução das doenças e tudo isso. O segundo passo é fazer elas entenderem o valor do esgoto”, frisa o diretor presidente da Águas de Manaus, Renato Medicis.

Segundo ele, a empresa realiza um trabalho de conscientização para que as pessoas entendam o valor de ter aquilo retirado da porta de casa.

Trabalho Socioeducativo

Segundo o diretor da Águas de Manaus, Renato Medicis, a empresa tem um trabalho de conscientização para que as pessoas entendam o valor de ter a água suja tratada.

“A água é algo que todo mundo precisa para viver. Já com o esgoto, as pessoas ainda não têm essa ligação. Estamos falando de saúde, qualidade de vida, dignidade, redução das doenças relacionadas à veiculação hídrica. Tem um trabalho grande de conscientização, aliado aos investimentos que vamos fazer. Muitas pessoas ainda conectam a rede de esgoto na rede de drenagem”, explica.

Ainda segundo Medicis, existe todo um trabalho socioeducativo que precisa ser feito. “Quando se fala em saneamento, isso é uma coisa mais ampla: água, esgoto, coleta de resíduos, drenagem. Um conjunto de ações”, completou Medicis.

Tratamento em cinco etapas 

O processo aos nossos olhos parece simples, mas conta com um aparato cientifico e tecnológico que os especialistas entendem bem. Cientifico pela forma natural como as bactérias presentes na  água fazem um trabalho de “limpeza” em uma das cinco etapas do processo de tratamento. São elas: 


1 - Quando o esgoto sai da residência e chega em uma ETE, ele entra em uma espécie de peneira para que o material solido, que muitas vezes é jogado junto com a água suja, seja filtrado.  

2 - Depois que já sem algum dejeto sólido, ele passa pela bomba de elevatório onde acontece o pré-tratameto (retirada de alguns resquícios de areia que podem ter ficado junto com a água). 

3 - Dessa etapa, a água entra em um dos tanques de aeração onde um tubo injeta microbolhas de ar, que ativam microorganismos a se alimentam da matéria orgânica dissolvida no esgoto (podemos dizer que bactérias boas destroem as bactérias ruins). 

4 - Em seguida a água já sem lodo entra na fase da decantação onde acontece a separação das  misturas heterogêneas (separação por diferença de densidade entre os compostos presentes na água). 

5 - Por fim, antes de ser despejada de volta a natureza, essa água passa pelo processo final, chamado de cloragem. Onde produtos químicos (cloro) são colocados para matar o que pode ter sobrado de bactérias.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.