Publicidade
Especial
Especiais

Palcos da disputa entre Garantido e Caprichoso também evoluíram

Antes dos bumbás começarem a se apresentar no Centro Cultural Amazonino Mendes – Bumbódromo - eles passaram oficialmente por cinco lugares 26/06/2013 às 12:19
Show 1
Bumbódromo sedia a disputa de Caprichoso e Garantido desde 1988
Evelyn Souza ---

As apresentações do Festival Folclórico de Parintins, que hoje acontecem em um local grandioso, já tiveram seus humildes dias de glória. Antes de Garantido e Caprichoso começarem a se apresentar no Centro Cultural Amazonino Mendes – Bumbódromo - eles passaram oficialmente por cinco lugares.

No passado, outro local foi usado para a apresentação de apenas um dos bois, o Garantido. Mas não era considerado oficial, segundo a historiadora Odinéia Andrade, 72.

“Uma quadra onde hoje é o ‘Ilha Verde’ foi usada no ano de 1978. O que aconteceu foi uma dissidência dos festivais. O contrário não admitia perder e como naquela época ele perdeu três anos seguidos para o Caprichoso, ele se enfezou e decidiu construir uma quadra para se apresentar, mas o festival folclórico oficial era no CCE”.

A festa do boi-bumbá sempre foi realizada nas ruas reunindo famílias para se confraternizarem, mas com a popularização e a rivalidade, perceberam a necessidade de transferir as apresentações para um local onde a disputa pudesse acontecer de forma pacífica, relatou a pesquisadora Irian Butell, membro da equipe de pesquisa do Instituto Memorial de Parintins.

Início

O pontapé para a realização do primeiro Festival Folclórico de Parintins foi dado por Raimundo Muniz, Xisto Pereira, Lucinor e alguns padres da Juventude Alegre Católica (JAC), no ano de 1966.

Uma festa foi realizada na quadra da JAC reunindo danças e quadrilhas. Essa seria a primeira apresentação dos bois Garantido e Caprichoso, mas o boi azul não pôde participar.

Odinéia relata que o boi da estrela vinha de uma comunidade chamada Aninga e não tinha condições de trazer o boi nas costas devido a distância.

A transição de um local para o outro continuou. Entre os anos de 1976 e 1983 a disputa entre os bumbás seguiu pelas quadras do Ipasea, onde atualmente funciona da sede do Centro de Atendimento ao Turista (CAT), a quadra da extinta CCE, conhecida como Urubuzal ou Parque das Castanholeiras, atual ginásio Silvio Miotto. Passou também pelo estádio Tupy Cantanhede e pelo Tabladão do povo, onde permaneceu até 1988, ano da construção do Bumbódramo.

Ainda segundo Odinéia, a mudança dos locais de apresentação dos bois no festival folclórico aconteceu devido à procura de umo esaço mais amplo. Ela relatou que outra cultura do povo parintinense estava sendo prejudicada naquela época, o esporte. Os campos estavam sendo danificados com a construção dos tablados para as apresentações.

A cada ano o Festival Folclórico de Parintins se torna mais grandioso e o número de pessoas que visitam a ilha cresce. A historiadora ressalta que o Bumbódramo já está pequeno e que o povo fica encurralado.

Uma nova solução para esse problema deve ser buscada, na avaliação da pesquisadora. Com a reforma deste ano, o Bumbódromo terá capacidade de 16,5 mil pessoas.

Publicidade
Publicidade