Publicidade
Especial
Especiais

Parintinenses esbanjam criatividade na hora de criar figurinos e alegorias

Um time de artistas é mobilizado para que os bois, Caprichoso e Garantido, causem o maior impacto visual possível no Bumbódromo 26/06/2013 às 11:07
Show 1
Autodidata, Iran Martins (à esquerda) desenha para o Garantido há oito anos. Erick Nakanome desenha figurinos da Sinhazinha e Rainha do Folclore
Rosiel Mendonça ---

Ao longo do ano, Parintins transpira criatividade e espírito artístico. O Festival Folclórico é um espetáculo feito a muitas mãos, onde cada artista dá sua contribuição para que os bois bumbás continuem atraindo públicos de todos os lugares. Para que Caprichoso e Garantido causem o maior impacto visual possível no Bumbódromo, um time de artistas é mobilizado para pensar em cada detalhe das grandiosas alegorias e ricos figurinos.

Geralmente, é a definição das toadas do ano que inaugura o processo criativo em ambos os bois. De acordo com o pesquisador do Conselho de Artes do Caprichoso, Erick Nakanome, em cima desse material é que o bumbá azul define as suas “faces de apresentação” para as noites.

“Apresentamos uma proposta para a alegoria, que evoca o sentido do item. A partir daí, o artista tem liberdade para trabalhar”, explicou. Segundo ele, nos últimos cinco anos, o Caprichoso só tem conhecido os efeitos das alegorias e figurinos com o festival prestes a começar.

Como nascem

O que mais chama atenção no projeto de figurinos e alegorias é que todo o trabalho é feito à mão livre, revelando o talento nato do parintinense. É o caso do desenhista do Garantido, Iran Martins. Autodidata, ele atua no boi vermelho há oito anos, mas antes disso já dava vazão à sua criatividade pintando telas.

Segundo ele, um figurino pode ser riscado em um dia, enquanto uma alegoria leva uma semana. “Nunca imaginei que chegaria a ‘fazer’ o boi. Depois desses anos de experiência, com certeza, a sintonia com a comissão é maior”.

Roberto Reis, que coordena o setor dos figurinos coletivos do Garantido, mas eventualmente também projeta alegorias, conta que até cinco desenhos chegam a ser feitos para mostrar as várias dimensões dos carros. “Antes de executarmos, fazemos uma planta baixa, com todas as escalas e quantidade de módulos”.

No Caprichoso, a tecnologia também dá as caras no momento da criação. De acordo com o artista de alegoria do bumbá, Juarez Lima, o trabalho começa no papel, passa para a maquete e ganha as telas do computador em uma animação 3D, para simular iluminação e efeitos. Apesar disso, ele garante que o trabalho continua sendo o mesmo de 30 anos atrás - o tempo em que ele atua no bumbá.

O que está em jogo

O lado torcedor de Nakanome, responsável pelas indumentárias da Sinhazinha da Fazenda e da Rainha do Folclore, desperta o lado perfeccionista dele. “Não gosto de vir com nada que já foi apresentado. É algo que envolve a parte intelectual e a visão do efeito que o figurino vai causar na galera”, disse Erick Nakanome, que estudou Artes Visuais em Manaus.

Poder atuar na construção do boi também é motivo de satisfação pessoal, garante Juarez Lima. “Só a experiência dá ao artista essa habilidade de transformar as coisas. É fabuloso materializar as ideias no papel e depois deslumbrar a sua criação na arena”, finalizou.

Publicidade
Publicidade