Publicidade
Carnaval
Especiais

As águas e a bola vão rolar no Peladão Brahma 2015

Time do São José foi buscar no Lago Janauari cinco feras para levar o título 18/09/2015 às 16:22
Show 1
Força de vontade: cinco da manhã eles estão de pé para jogar futebol
equipe peladão 2015 ---

Formado por jovens estreantes no Peladão Brahma 2015, o time Atlética Batista Canaã, do São José 1, Zona Leste, está com todo gás para ser uma das revelações na categoria Peladinho, com jogadores que percorrem o rio Negro até chegar ao local de treino, na Liga do São José 1, e outros que se destacam nos campeonatos comunitários. Tem até um boleiro que está de malas prontas para jogar nas categorias de base do Fluminense (RJ).

Comandado pelo professor de educação física José Roberto, o clube jogou o Peladinho em 2012 e retorna neste ano determinado a buscar o título. A maioria dos boleiros moram no São José 1 e bairros adjacentes, mas têm cinco jogadores que fazem um grande sacrifício para jogar futebol. Eles são da comunidade São Pedro, no Lago do Janauari, em Iranduba, e às quartas e sextas têm que acordar às 5h para poder sair às 5h30, utilizam um bote e atravessam o rio Negro até a Manaus Moderna, de onde pegam um ônibus coletivo para chegar no local do treino.

José Roberto destaca que a escolha dos jogadores do interior foi graças a indicação de um ex-jogador e amigo, que se mudou para o Janauari. “O pai de alguns alunos foi morar lá (Janauari) e me indicou esses jogadores. A gente viu eles jogando, os moleques são bastante esforçados tem vontade, então resolvemos colocá-los no time”, lembra o treinador.

Ruan Almeida, 14; Jessé Vasconcelos, 14; Bruno Teixeira, 16; Guilherme Braga, 13; Wendel de Azevedo, 13; e Yann Vinícius, 13 prometem dar o melhor de si para se destacarem na competição. Os ribeirinhos resumem em uma frase o que os motivam a acordar de madrugada, atravessar o rio e a cidade para poder treinar futebol: “A vontade de jogar é muito grande”.

O pai do atacante Guilherme é dono de um bote, na qual leva os jogadores, duas vezes na semana, para treinar em Manaus, percorrendo 20 minutos de viagem pelo rio Negro e mais de uma hora até chegar ao campo da Liga do São José 1. Estou ansioso para jogar, pois é a primeira vez que vou disputar uma competição em Manaus. Tenho muita força de vontade, estou otimista”, confessou o jovem jogador ao acrescentar que os pais trabalham com artesanato, na confecção de máscaras, bonecos e colares produzidos com sementes de açaí, cuia e outros produtos da região.

O boleiro Yann Vinícius estuda à tarde no Lago do Janauari, mas a paixão pelo futebol o faz passar por alguns sacrifícios, até mesmo ficar em almoçar. “Como eu estudo à tarde, nos dias de treino às vezes não almoço porque não dá tempo, mas nunca pensei em desistir”.

Preparação

O técnico José Roberto prepara o Atlética Batista Canaã há dois meses para o Peladinho e a base da equipe veio do futsal, na qual ele é professor de uma escolhinha na Liga do São José 1, na ativa desde 2000, com faixa etária dos atletas entre 8 a 17 a anos. Experiente na função, ele fez parte da equipe técnica do Panair FC, na qual foi campeão do Peladão no ano de 2012.

Adson no Fluminense

Craques de renome nacional também são encontrados no Atlética Batista Canaã, como o camisa 9, Negueba. Qualquer semelhança com o ex-craque do Flamengo é mera coincidência. O manauense Negueba, ou Rian Moreira, 14, mora no Nova Floresta, Zona Leste.

Estudante do 9º ano do ensino fundamental, na Escola Municipal Madre Tereza de Caucutá, ele estreia no Peladinho todo empolgado. O craque acumula títulos em campeonatos disputados no Nova Floresta e Tancredo Neves. “Estou com bastante expectativa, sempre com humildade e pé no chão”, disparou.

Já o talento de Adson dos Santos despertou interesse de um “olheiro” que o indicou ao coordenador de captação do Fluminense, Carlos Júnior, para treinar nas categorias de base do Fluminense (RJ). “Ele já está de malas prontas e após o Peladinho ele embarca para a Cidade Maravilhosa”, disse o observador técnico Paulo Nascimento.

Publicidade
Publicidade