Quarta-feira, 24 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Especiais

As histórias de casais que se conheceram na época do Carnaval e estão juntos até hoje

Na festa onde muitos acham que ninguém é de ninguém, é curioso você se deparar com relacionamentos que começaram justamente na “Folia de Momo”


22/01/2016 às 19:31

É comum nessa época de Carnaval você, caro leitor, ouvir casos de pessoas que, em meio à folia, não querem nada sério ou um relacionamento fixo. Na festa onde muitos acham que “ninguém é de ninguém”, quando marchinhas clássicas como “Máscara Negra” (“Vou beijar-te agora /Não me leve a mal /Hoje é Carnaval”) são um convite à diversão descompromissada, é curioso você se deparar com relacionamentos que começaram justamente na “Folia de Momo” e que duram até hoje.

E os casos não são poucos. Foi amor à primeira vista... ou ao primeiro samba! 

Passarela do coração

O enredo romântico, por exemplo, foi em cheio na passarela do coração do casal Francilene Oliveira e Moisés de Oliveira, quando seus olhos se cruzaram nos tempos em que frequentavam o então bloco Reino Unido, em 1984, nos fundos da escola estadual Adalberto Vale, no Morro da Liberdade. Num dos ensaios de domingo, próximo ao Carnaval, ambos se encontraram e não deu outra: ele era passista e ela, torcedora, se apaixonou de primeira. Nota 10 em harmonia até hoje.

“No dia em que nos conhecemos ele estava acompanhado, mas foi deixar a companhia dele em casa e voltou para me ver. E estamos juntos até hoje. Sempre estamos juntos”, disse Francilene. Da união, nasceu Irlane Oliveira e Marlon Oliveira, que é universitário e toca cavaquinho na Mocidade de Aparecida, agremiação do qual ambos fazem parte atualmente (eles também são fundadores da escola de samba A Grande Família). “Quando não estamos juntos, ela faz falta. E as pessoas perguntam...”, conta Moisés, que é um dos intérpretes de apoio da Aparecida.

No ritmo do coração

O samba foi tão bom na vida do mestre de bateria, conselheiro e ex-presidente da Vitória Régia, Didi Redman, que lhe deu até a mulher da sua vida, a esposa e braço direito Cláudia Redman. Eles se viram pela primeira vez há 28 anos, mais precisamente no dia 6 de janeiro, no Clube do Samba quando ela tinha 16 anos e ele se apresentava com a bateria da verde e rosa. “Ele ia se apresentar naquele dia e passou na minha frente e ficamos nos olhando. Falou que queria falar comigo, eu fiquei esperando e até hoje estamos juntos”, conta Cláudia, que era Rainha de Bateria da Acadêmicos de Petrópolis e que, a partir daquele dia, mudou a sua vida para sempre. 

publicidade


“O samba tem muito significado na minha vida. Ele está presente em tudo pois há envolvimento em todas as partes. Só me deu alegria e vai continuar me dando. Se um dia eu cantar para louvor vai ser em ritmo de samba”, fala ele, dizendo que “tira o chapéu para Cláudia” pelos afazeres que tem pelo mundo do samba.

“Eu saio e não tenho horário para voltar. Quando eu visto a camisa para uma coisa eu vou ter que cumprir. Isso é costume, regimento de família, de criação. Quer me encontrar é só ir lá na escola. Eu vivo mais lá do que aqui. E ela segura a bronca e a criação das meninas. Mas estão todos aí, criados”, diz ele, pai de 1 filho e 6 filhas (sendo duas com Cláudia - Suelen e Dayane Redman). Ambos tem dois netos.

Mas o corre-corre não faz “atravessar o samba” entre Cláudia e Didi. “Ele sempre está presente”, diz ela. 

Filha de Lindoca

Ambos com raízes no Quilombo Urbano Barranco de São Benedito, na Praça 14 de Janeiro, o casal Marilúcia Oliveira Fonseca, 53, e Maurílio Figueiredo, 52, se conheceu numa das rodas de samba realizadas aos sábados na antiga quadra da Vitória Régia, na rua Jonathas Pedrosa, onde a mãe dela, a saudosa Raimunda Dolores Gonçalves, a famosa Tia Lindoca, era uma das fundadoras. “Eu conheci o Maurílio através de um amigo dele, que se chamava Júlio”, disse ela.


“Conversa vai, conversa vai, ficamos sozinhos e já estamos há 31 anos juntos”, completa Maurílio. Eles tem o casal Yasmin, 23, e Maurino, 29. Ao que parece, o destino de ambos já estava “meio que traçado”: o pai de Maurílio, o conhecido Mestre Carlos, foi padrinho de Tia Lindoca!

publicidade
publicidade
Mesmo em tratamento contra o câncer de mama, triatleta não deixa esporte
Escola do carnaval de São Paulo irá homenagear artistas de Parintins em 2020
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.