Publicidade
Carnaval
FOLIA

Baby Rizzato será madrinha da segunda feijoada do Cordão da Bola Preta

Evento acontece no dia 16 de fevereiro, no Clube do Trabalhador do Sesi, e terá show do cantor Sombrinha 02/02/2019 às 22:58 - Atualizado em 03/02/2019 às 09:04
Show baby1 d883bc97 e78f 4d6b 9cf1 824c1991b908
Baby Rizzato participa pela segundo vez da festa. Foto: Junio Matos
Rosiel Mendonça Manaus (AM)

A comemoração dos 100 anos do Cordão da Bola Preta em Manaus, no ano passado, deixou os foliões da cidade com gostinho de quero mais. Mas o jejum já tem data para acabar, porque no dia 16 de fevereiro acontece a segunda edição da feijoada do tradicional bloco carioca. A festa será no Salão Nobre do Clube do Trabalhador do Sesi (Alameda Cosme Ferreira, 3295, São José), com início a partir das 12h e uma lista de atrações de respeito. 

Entre as participações confirmadas estão a do cantor Sombrinha (ex-Fundo de Quintal), dos músicos Edu do Banjo, Dudu Brasil, Casquea e Mestre Caio, além da bateria da Aparecida e da banda oficial do Bola Preta, formada por 16 integrantes. Outra estrela da festa será a Kamélia, ícone do Carnaval manauara. Os ingressos estão à venda na VR Collezioni do Manauara Shopping e dão direito a camisa padronizada e um lugar na mesa.

Quem volta a assumir a faixa de madrinha da folia é a apresentadora Baby Rizzato. “A Baby é meu ícone, uma amiga que eu adoro. No dia em que pensei em trazer o Bola Preta para Manaus também pensei nela, que é uma pessoa que representa a alegria e tem uma história na cidade, assim como o bloco tem uma história no Rio de Janeiro”, comenta o produtor Juca Semen, da Manaós Entretenimento, está por trás do evento desde a primeira edição e comemora o sucesso que o Bola fez na capital amazonense. “Essa feijoada também abre a agenda do projeto ‘Rio Samba Show’ em Manaus. Posso dizer que é um sonho realizado”.

Com muitos carnavais no currículo, Baby agradece a honraria e diz que Manaus estava precisando de uma festa como essa. “Os clubes entraram numa fase de declínio faz tempo, então não tínhamos mais um baile de Carnaval onde pudéssemos brincar com segurança e tranquilidade. Essa feijoada é como se fosse uma ida às festas de outras épocas, uma coisa animadíssima e democraticamente social”.

Publicidade
Publicidade