Publicidade
Carnaval
CARNAVAL 2017

Cantando a sustentabilidade, Reino Unido apresentou a missão de conscientizar

A escola foi a quarta a desfilar e deixou o presidente emocionado com o resultado e confiante na possibilidade de título 26/02/2017 às 00:13 - Atualizado em 26/02/2017 às 06:36
Oswaldo Neto

Uma das atuais campeãs do Carnaval de Manaus, a Reino Unido da Liberdade iniciou seu desfile às 0h05 deste sábado (25). Com o tema "No Reino das fontes de vida, o Morro em movimento sustentável faz a diferença", a escola entrou no Sambódromo com vontade de ser campeã aliando em sua apresentação a genialidade do enredo à garra do povo da Zona Sul. 

O presidente da Reino, Jairo Beira-Mar, destacou a emoção como um ponto forte da escola em 2017, e mostrou confiança no bicampeonato. "A emoção e a criatividade de trazer o povo da floresta pra brincar o Carnaval aqui no Sambódromo é coisa que nunca imaginávamos fazer. Trouxemos as comunidades da FAS, trouxemos alguma pesquisadores nativos, e os próprios nativos das comunidades. Mais somado à emoção do desfile da Reino Unido e agora é esperar o título", analisou ele.

A escola foi a quarta a desfilar e entra no Sambódromo com 3 mil componentes distribuídos em 27 alas, todos divididos em três carros alegóricos. A bateria, conhecida como "Furiosa", comandada pelo experiente Mestre Nica, desfilou com 300 ritmistas, acima da média de 250 pessoas. 

A Rainha de Bateria é Vanessa Costa, a Madrinha de Bateria Erika Leão e a Musa de Bateria Josiane Valle - o trio é idolatrado como “As Furiosas”, tanto pela beleza, quanto pelo samba no pé, graça e simpatia.

A comissão de frente da Reino Unido usou e abusou da riqueza de detalhes. Ela foi composta por bailarinos que representam seres mitológicos como A Mãe Natureza e Mapinguari.

Com muito verde, simbolizando a sustentabilidade, a Reino Unido trouxe no carro abre-alas animais e plantas amazônicas. Duas onças pintadas que movem as cabeças impressionam o público presente. A alegoria é uma das maiores vistas no desfile deste ano e tem cerca de 30 metros de comprimento.

O segundo carro da agremiação mostrava espécies encontradas nos rios amazônicos. Os artistas reproduziram nos carros a figura de um peixe-boi, uma tartaruga e um pirarucu. Dele, bolinhas de sabão encantaram o público no entorno do Sambódromo.

As fantasias do início do desfile da Reino Unido fazem um passeio pela história, mostrando os nativos da floresta e os colonizadores. Em seguida, o primeiro casal mirim de mestre-sala e porta-bandeira representou um curumim e cunhatã.

A Reino Unido apresenta em seu desfile dois momentos coreografados. O primeiro com casais simbolizando migrantes nordestinas e sua vegetação local. O segundo trouxe brincantes interagindo com bailarinos que sobem em totens a três metros do chão. Eles se apresentaram vestidos de animais da floresta.

O segundo carro da agremiação mostrou espécies encontradas nos rios amazônicos. Os artistas reproduziram nos carros a figura de um peixe-boi, uma tartaruga e um pirarucu. Dele, bolinhas de sabão encantaram o público no entorno do Sambódromo.

As alas seguintes da Reino Unido entraram na floresta e associam ribeirinhos, pássaros, borboletas e outros animais ao tema sustentabilidade. Tribos indígenas concluíram o desfile sendo representados tanto nas fantasias como no último carro alegórico, dando ênfase à figura nativa no conceito do meio ambiente.

Publicidade
Publicidade