Publicidade
Carnaval
Especiais

Ciranda Tradicional levou a Grécia Antiga ao Parque do Ingá na 2ª noite de festival

A 2ª noite do Festival de Cirandas 2015 focou nas personificações primordiais, deuses e a própria civilização na Grécia Antiga por meio do bailado gracioso da ciranda 30/08/2015 às 11:06
Show 1
Cirandeiros fizeram a festa durante a segunda noite de festival
Luana Carvalho Manacapuru (AM)

CONFIRA TRANSMISSÃO / VEJA GALERIA DE IMAGENS

Buscando seu quarto título, a Ciranda Tradicional  abriu a segunda noite do 19° Festival de Cirandas de Manacapuru, na noite deste sábado (29), expondo os medos,  anseios e curiosidades que levaram a espécie humana a buscar explicações sobre sua própria existência. 

Os cantadores estreantes da Tradicional, Abrain Lincoln e Edson Júnior, deram início ao espetáculo quando chegaram na arena do Parque do Ingá a bordo da alegoria de um fênix - suspensa por um guindaste -,  cantando e encantando deuses e homens no parque mitológico enquanto sobrevoavam a torcida do bairro Terra Preta, onde a associação nasceu.

No primeiro ato, a agremiação encenou a origem de tudo: o Caos e a personificação  dos Deuses, encenados pelo cordão  de cirandeiros. Caos é o segundo Hesíodo,  a primeira divindade a surgir no universo.  Personificado,  Caos se torna no maior entre os Titãs. O duelo entre Deuses e Titãs também foi encenado, pelo cordão de entrada da Tradicional, e arrancou aplausos da torcida.

Na terceira parte do primeiro ato,  a porta-cores Joelma Barroso chegou em um guindaste em forma de águia,  representando Zeus.

No segundo ato do espetáculo, a princesa cirandeira Alessandra Mendonça representou Perséfone (a Primavera), trazida por um módulo alegórico em forma de uma grande borboleta. Uma batalha entre Deuses e Titãs também foi encenada.

Personagens da Ciranda original como o seu Honorato, o galo e o cupido foram resgatados e entraram na arena bailando junto com o cordão. A apresentação da Ciranda Tradicional acabou às 23h29 deste sábado (29), na arena do Parque do Ingá, em Manacapuru. Ao todo foram 2 horas e 20 minutos de apresentação.


A cirandeira bela Anne Santana, que também fez sua estreia nesta noite, encenou um dos grandes momentos da noite, quando encarnou a deusa Pandora. "Saiu tudo como eu esperava, graças a Deus. Todos os detalhes que foram acertados nos ensaios eu consegui passar para o público", disse.

Publicidade
Publicidade