Publicidade
Carnaval
NA TELINHA

Daniela Assayag e Clayton Pascarelli falam dos bastidores da transmissão do Carnaval

Apresentadores da TV A CRÍTICA visitaram quadras das escolas de samba para conferir os trabalhos de perto 19/02/2017 às 15:01 - Atualizado em 19/02/2017 às 15:46
Show 1195964
Vila da Barra foi uma das escolas visitadas (fotos: Antonio Lima)
Rosiel Mendonça Manaus (AM)

Enquanto as escolas de samba de Manaus aquecem os tamborins, a equipe da TV A Crítica/Record intensifica os preparativos para mais uma transmissão oficial dos desfiles do Grupo Especial, marcados para o próximo sábado, dia 25, no Sambódromo. Desta vez, a apresentadora Daniela Assayag terá o reforço de outra prata da casa, o jornalista Clayton Pascarelli, que fará sua estreia em um trabalho do tipo.

Eles estão percorrendo há uma semana as quadras das escolas para conhecer detalhes e conversar com os carnavalescos e pessoas diretamente ligadas à folia, como mestres de bateria, portas-bandeira e rainhas. “Conhecer a comunidade é uma parte importantíssima dessas visitas, afinal, essas são as pessoas que estão ali trabalhando e vivendo o samba”, comenta Daniela, que vai para seu segundo ano como apresentadora do Carnaval. “Também é um contato para absorvermos o sentimento e a emoção de quem faz a festa e, de certa maneira, participar juntar com eles”.

Com 11 anos de carreira no jornalismo, Clayton aproveita a experiência para tirar o máximo de aprendizagem. “É minha primeira transmissão e estou aprendendo muito com a Daniela, que já conhece muita gente das escolas e sabe os pormenores do que acontece. Se eu não tivesse uma tradutora como ela, talvez fosse um pouco mais difícil. Cada minuto que passamos nas escolas tem sido muito valioso”, comenta.

Enquanto administra o volume de informações captado nos últimos dias, o apresentador encara com otimismo a maratona de 12h de trabalho que espera por ele no dia dos desfiles – os apresentadores da TV A Crítica estarão no Sambódromo a partir das 19h. “Imagino que será um desafio novo passar a madrugada acordado, mas sou do tipo que gosta de desafios. É o que acaba me movendo, senão fico estagnado”.


Blogueira Carol Heinrichs é uma das comentaristas convidadas

Como funciona

Segundo a diretora de programação da emissora, Gisele São Thiago, a transmissão deste ano tem tudo para ser ainda melhor que a anterior. Para isso, o setor de criação da TV trabalha em novos grafismos e efeitos de realidade aumentada para que o telespectador curta a folia e não perca nenhum detalhe.

Para Gisele, que também dirige a transmissão do Festival Folclórico de Parintins, cada festa exige uma dinâmica de produção própria. “Boi e Carnaval são coisas totalmente diferentes, apesar de as pessoas acharem que, por tudo ser cultura, a transmissão é a mesma. Mas ambas têm suas especificidades, como enquadramento, timing do comentário, etc. No Carnaval, os apresentadores da TV falam praticamente do início ao fim, porque eles são os narradores de fato do desfile, enquanto no boi existe um item dentro do espetáculo que exerce essa função”.

Daniela Assayag completa a diretora: “Outra diferença grande é que o boi acontece numa arena, como se fosse um palco, então as pessoas fazem tudo na nossa frente. Já o Carnaval tem uma passarela, então por muitos minutos os apresentadores não sabem o que está vindo lá no início. Por isso tem que haver uma sintonia entre a cabine de transmissão e a equipe que manda as imagens para os nossos monitores, senão corremos o risco de narrar uma coisa o que o espectador não está vendo”.

Publicidade
Publicidade