Publicidade
Carnaval
FANTASIAS

De árabe a Mulher Maravilha: veja fantasias usadas pelos foliões no Galo de Manaus

Também teve folião com biquíni de fita, inspirado no clipe de Anitta, e fantasiado de Adão. De acordo com os organizadores são esperadas mais de 100 mil pessoas no bloco que, este ano, foi para o Sambódromo 13/02/2018 às 18:47 - Atualizado em 13/02/2018 às 20:42
Larissa Cavalcante Manaus (AM)

Mulher Maravilha, índio, bailarina, árabe, unicórnio e líder de torcida foram apenas algumas das fantasias presentes no Bloco Galo de Manaus, realizado na tarde desta terça-feira gorda de carnaval (13), no Sambódromo, na Zona Centro-Oeste da capital.

No carnaval deste ano, muitos foliões optaram por customizar e produzir a própria fantasia aproveitando o que se tem em casa. Exemplo disso é a dona de casa Nielly Mendes que gosta de brincar o carnaval fantasiada e sem comprometer o orçamento familiar.

“Gosto muito da personagem Mulher Maravilha e está muito em alta. Já tinha o body (maiô) então só incrementei com uma saia de tule e os demais acessórios produzi a partir de materiais escolares que sempre sobram da minha filha. É uma forma de economia”, disse.

A estudante Laysa Campos contou com o auxílio da internet e dos vídeos de “Faça você mesmo” ou “Do It Yourself” para produzir a fantasia de líder de torcida.

“Pesquisei fotos de inspiração e não tinha nada fácil. Então peguei um tecido de tnt que já tinha em casa e com a ajuda de vídeos montei a fantasia hoje mesmo”, contou.

Para o personal trainer Kaio Prado, a folia também é o momento para quebrar estereótipos e preconceitos. Neste carnaval, ele se fantasiou de Adão e também optou por produzir a própria indumentária.

“Eu vi a fantasia em uma pessoa e decidi abusar da criatividade na hora de confeccionar. Chama muita atenção e ao mesmo tempo quebra o preconceito porque as pessoas não veem como uma barreira. Elas se aproximam e pedem para tirar foto deixando de lado o preconceito no carnaval”,comentou.


Foto: Evandro Seixas

O técnico em eletrocomunicações Robson Braga e mais quatro amigos se fantasiaram de “Vai, Malandra” – o “biquíni” de fita isolante usado pela cantora  Anitta no clipe de seu último funk (veja na galeria de imagens). De acordo eles, além de chamar atenção nas festas de carnaval o intuito da fantasia é fazer uma crítica social.

“O carnaval é uma palhaçada, em que geralmente os homens se vestem de mulheres, e também  ocorre no Congresso Nacional. Precisamos trocar os nossos representantes e fazer algo para não continuar do jeito que está. Todo tipo de protesto é válido não sendo agressivo”, afirmou.

Este ano, o Galo de Manaus deixou de ser feito na Avenida das Torres para abrigar quatro palcos, uma tenda eletrônica, três trios, além de uma área VIP no Sambódromo.

De acordo com a organização, a mudança visa garantir a segurança do público evitando a entrada de armas, garrafas de vidro e espetos de churrasco. Ao todo, são esperadas mais de 100 mil pessoas.

 

Publicidade
Publicidade