Publicidade
Carnaval
EMPREENDEDORISMO

Folião fatura dinheiro extra vendendo dindins alcoólicos nas bandas de Carnaval

Para os cinco dias de Carnaval, a produção já está a todo vapor: além de Fábio Marques, cinco pessoas foram contratadas para ajudarem na produção 08/02/2018 às 15:44
Show dindin 1234
Fábio Marques montou uma pequena fábrica de dindim em casa e está faturando. Foto: Edvaldo Ramos/Divulgação
Vanessa Marques Manaus (AM)

A criatividade do brasileiro sempre aflora no período de Carnaval, seja para elaborar divertidas fantasias ou para arrumar um jeito de faturar um dinheiro extra com a folia de Momo. O empreendedor Fábio Marques faz parte do segundo grupo. Ele resolveu ganhar o Carnaval vendendo dindim alcoólico, ou seja, levou a famosa caipirinha e outros drinks para o saquinho de plástico. O resultado? Tem conquistado clientes nos blocos pela cidade.

“Eu viajei para o Rio de Janeiro e vi que lá é muito comum eles venderem bebidas assim, na praia. Como aqui em Manaus o dindim é super popular e o clima é muito quente, achei que daria supercerto fazer para vender nas bandas de Carnaval”, conta.

São mais de 20 sabores de dindins, entre gourmet e alcoólico que custam R$ 3. Além da caipirinha e da caipirosca, que são os mais procurados, ainda há as batidas de vinho e  whisky que podem ser feitas com  frutas como abacaxi, morango, kiwi, cupuaçu, manga, maracujá e jenipapo.

Vendas em crescimento

A ideia dos dindins surgiu no início do ano, e logo no primeiro fim de semana o produto foi testado durante ensaio de uma escola de samba. Mas a novidade foi vista com desconfiança pelo público.

“A primeira vez que coloquei os dindins para vender foi no ensaio de Carnaval. Levamos 200 unidades e só vendemos 50. As pessoas tinham curiosidade, mas não queriam arriscar em uma coisa que não conheciam”, conta Fábio.

Mas não demorou muito para a barreira da desconfiança ser quebrada. “Quando alguém experimenta, logo comenta com outra pessoa que resolve provar também e assim a gente vai conquistando os clientes”, explica o empreendedor, que chegou a vender mais de 500 dindins  durante a Banda do Boulevard, que aconteceu no último domingo.

Para os cinco dias de Carnaval, a produção já está a todo vapor: além de Fábio, cinco pessoas foram contratadas para ajudarem na produção. A expectativa é vender até mil unidades por dia, até a Terça-feira Gorda de Carnaval.

Pausa no turismo

Fábio Marques trabalhava com turismo, tinha um hostel e com a crise financeira que atingiu o país, foi obrigado a fechar as portas e trabalhar apenas com passeios turísticos, mas, com a baixa temporada nesse início de ano, ele precisou novamente se reinventar e decidiu vender dindins.

Kit com isopor, placa e camisa para bloco

Com o novo negócio crescendo, Fabio Marques já está gerando renda para outras pessoas. Como não poderia estar em todas as bandas  ao mesmo tempo e ainda dar conta da produção, ele fornece os dindins para revendedores autônomos.

“Eu já possuo 10 pessoas que estão trabalhando com os meus dindins, forneço a caixa de isopor, a camiseta, o cartaz e faço um preço de revenda. Eles compram o dindim comigo e vão vender nos blocos para tirar o lucro deles”, explica o empreendedor,  que revela ainda que há vagas  para mais revendedores que quiserem vender os dindins alcoólicos durante a folia.

Para garantir a produção para o Carnaval, ele também contratou cinco pessoas para trabalharem apenas na fabricação e embalagens dos dindins.

A ideia é fornecer não só para os vendedores autônomos, mas para pequenos comerciantes. “Tenho mais de vinte sabores, agora, no Carnaval, o foco são os alcoólicos, mas tem outros sabores goumert e em breve vou lançar uma linha de dindins detox, para vender em academias”.

Para comprar, se tornar um revendedor ou saber onde encontrar os dindins no Carnaval,  é só ligar para o número de telefone (92) 99353-3667. Em breve ele irá lançar a marca nas redes sociais.

Publicidade
Publicidade