Publicidade
Carnaval
Especiais

Jair Mendes: o ‘pai’ dos bumbás

Artista introduziu movimento biônico no boi e foi o primeiro a pintar o famoso coração na testa do Garantido. No Caprichoso, ele também deixou a sua marca 25/06/2015 às 11:18
Show 1
Dom divino é uma das justificativas que Jair Mendes acredita para criar e produzir novos formados nos bois
Kelly Melo Parintins

Com as mãos sujas de tinta e cola, Jair Mendes, 75, recebeu a equipe de A CRÍTICA no galpão que recebe o nome dele, na sede do Caprichoso, em Parintins. Embora hoje esteja defendendo as cores azul e branco, Mendes é considerado o “pai” tanto do Garantido quanto do Caprichoso pois, por meio de suas mãos, os bois de pano ganharam um novo formato e movimentos precisos, que parecidos com um boi real.

O artista plástico também é respeitado como um dos principais artistas da Ilha por ter revolucionado e ter dado movimento biônico às alegorias das associações folclóricas.

Jair Mendes sabe qual é o sabor de estar do lado do contrário. Por mais de 30 anos ele foi um dos principais artistas do Garantido. E foi lá que a sua primeira “invenção” ganhou destaque: criou o boi biônico (que reproduz os movimentos de um boi real, em 1976), e até hoje os mesmos mecanismos são utilizados pelos tripas dos bumbás.

Ele acredita que recebeu  dos céus o dom de pintar. Com apenas 15 anos foi convidado pelo fundador do Garantido, Lindolfo Monteverde, para pintar o boi. “Eu já nasci com esse dom e o mestre Lindolfo pediu permissão do pai e desde daí eu comecei a fazer o Garantido. A pedido dele, pintei o coração na testa, que ficou até hoje”, afirmou, lembrando que  também foi tripa da nação encarnada.

Ainda jovem e à frente de seu tempo, Mendes chegou a morar no Rio de Janeiro e ficava impressionado com os carros alegóricos e fantasias da escolas de samba. Apaixonado pela Portela, trabalhou na agremiação e lá aperfeiçoou sua técnica. “Chegaram a dizer que não existia carnaval em Parintins, mas eu acreditei que os mecanismos poderiam ser usados no boi e assim fiz”, explicou.

Atualmente Jair é artista do Caprichoso e no Jubileu de Ouro do Festival Folclórico de Parintins, a sua marca vai ficar marcada com as suas obras. Este ano, pela primeira vez, ele o filho Teco Mendes foram incubidos de  confeccionar as alegorias  Figura Típica e Exaltação Folclórica, que entram na arena do Bumbódromo, no domingo, no encerramento da apreserntação do Caprichoso.

No entanto, preferiu continuar fazendo mistério sobre o segredo que guarda a sete chaves. “Posso dizer que vamos trazer uma grande inovação e as pessoas vão se surpreender, ficar emocionadas. Esse trabalho nunca foi visto na arena e estou muito feliz de ter dividido essa obra com um dos meus filhos”, comentou Jair Mendes.

Boi Biônico

As mudanças começaram a acontecer na década de 70, no Garantido. Cansado de dançar com o boi feito de carcaça de boi de verdade, Jair Mendes inventou o “Boi Biônico”, feito de pano, esponja e outros materias. Além dos movimentos precisos, que imitavam um boi, o Garantido também ficou mais leve, diminuindo o peso do boi de de 30 kg para 12 kg.

Nivelando os bois

O artista plástico fez a primeira alegoria no Garantido com movimentos. Depois de mais de 30 anos no boi da Baixa de São José, em 1986 migrou para o contrário e  emplacou as novidades no “Boi da Sociedade”, onde passou quatro anos. “O festival precisava ser nivelado porque o Garantido mexia tudo e o Caprichoso não. Hoje fico muito feliz porque fui o primeiro artista de Parintins e vejo meus discípulos fazendo história”, finalizou.

Publicidade
Publicidade