Publicidade
Carnaval
30 anos depois!

Mocidade de Aparecida volta no tempo para recontar enredo clássico sobre Maués

De forma ousada e impactante, e buscando beber na fonte riquíssima dela mesma, a agremiação vai reeditar, para esse Carnaval, um dos seus enredos mais históricos, de 1988 09/02/2018 às 14:21 - Atualizado em 09/02/2018 às 22:47
Show aparecida20183
Apaixonado pela Aparecida, o presidente da escola, Saulo Borges, ressuscitou o enredo de 30 anos atrás / Fotos: Márcio Silva
Paulo André Nunes Manaus (AM)

Trinta anos depois a Mocidade Independente de Aparecida, de forma ousada e impactante, e buscando beber na fonte riquíssima dela mesma, vai reeditar, para esse Carnaval, um dos seus enredos mais históricos. Com “Os Maués – Origem Divina, Destino Humano – Trinta Anos Depois...”, a agremiação verde e branca ressuscita o clássico enredo e, também, o icônico samba-enredo de 1988.

Vamos ouvir novamente ecoar na passarela do Sambódromo trechos como “De Maués foste buscar a energia, e é com pó de guaraná que eu arrebento neste dia”. Outro trecho - “Por seis vezes já fui rei, vou tentar mais uma vez / Ninguém vai me segurar” terá uma alteração, para deixar a letra atual, informa o presidente da Aparecida, Saulo Borges.

“Em 1988 tínhamos seis títulos do Carnaval; hoje temos 22. Então, decidimos trocar esse trecho por ‘Tantas vezes já fui rei, vou tentar mais uma vez / Ninguém vai me segurar”, explicou o dirigente, que é um dos carnavalescos da escola junto com Fabiano Fayal.


A cultura do guaraná, de Maués, é um dos motivos que serão exibidos na apresentação

Segundo Saulo Borges, na releitura do famoso enredo a Aparecida também vai procurar estender a temática “indígeno-turística”.

“Em 1988 falamos dos índios Maués, e é claro que vai ter a linha de falar dos índios, mas pretendemos estender um pouco isso, falando, também, das belezas naturais, da vocação turística”, explica ele.

“Temos uma grande expectativa porque esse enredo que escolhemos mexe com os brios do torcedor da Aparecida por ser uma reedição de um  Carnaval antológico da escola, onde ela foi campeã do Carnaval e, inclusive, encerrando o desfile arrastando a multidão quando a apresentação ainda era na avenida Djalma Batista. E desde que anunciamos o tema recebemos mensagens, principalmente em redes sociais e aplicativos, de pessoas que desfilaram e participaram da construção daquele Carnaval nos parabenizando e elogiando pela escolha”, destaca Saulo Borges.

Na ficha técnica do enredo, um trecho justifica a importância da Mocidade de Aparecida trazer para a avenida um tema tão histórico: “Passaram-se trinta anos de um momento inesquecível da escola. Nada mais justo que a Aparecida relembra aquele carnaval, fazendo uma reedição daquela proposta, para marcar posição de uma tradicional escola, para marcar no tempo, mais ainda, aquele desfile de 88 e homenagear, sobretudo, aquele samba enredo, de autoria de Marinho Poeta, já falecido, do irmão dele, Alcides Queiroz, o “Cid Poeta” e do arquiteto e urbanista Mário Toledo. Era impossível, para a Aparecida, para uma nação do samba, que 2018 passasse sem que a escola de samba fizesse a justa homenagem àquele acontecimento de trinta anos atrás”.

Coreografias e segredos estão guardados a 'sete chaves'

Fabiano Fayal, que é carnavalesco da Mocidade Independente de Aparecida junto com o presidente Saulo Borges, contou que tudo foi elaborado seguindo o o cronograma programado pela escola de samba, e que a agremiação vai “mostrar um Carnaval de qualidade como sempre apresentou na avenida”.

“Nossas alegorias sempre vêm destacadas pelo seu tamanho, pela sua altura, e com certeza paa sagrar-se mais uma vez campeã”, afirma o carnavalesco.


O carnavalesco Fabiano Fayal, o presidente Saulo Boirges e o artista de criação Zickson Reis

Um dos momentos mais importantes da escola de samba do bairro de Aparecida no desfile vai ficar concentrado no primeiro setor, onde todo ele será coreografado e, em determinado momento, determinada ala vai se transformar em formigas tucandeiras. E é aí que virá uma surpresa que promete ser um dos grandes momentos da “Pareca” neste Carnaval. No entanto, isso só será revelado na hora para quem estiver acompanhando no Sambódromo ou ao vivo pela TV A Crítica.


Detalhe de alegoria da Aparecida para o desfile deste sábado no Sambódromo

“A responsabilidade é muito grande pois é um Carnaval que marcou uma época, sendo antológico, histórico, e fizemos um trabalho de pesquisa muito grande para buscar elementos para esse desfile. Há alas que você vai olhar para a avenida e lembrar do desfile de 1988”, explica Fayal.

Frase

"A responsabilidade é grande, pois é um Carnaval que marcou época. Há alas que você vai olhar para a avenida e lembrar do desfile de 1988"

Fabiano Fayal, carnavalesco da Mocidade Independente de Aparecida

Em Números

3.800

É o número de componentes médio com que vai desfilar a Mocidade de Aparecida neste sábado. A tradicional e campeã escola vem com 23 alas, 4 carros alegóricos e 2 tripés.

Raio-X

Nome: Moc. Indep. De Aparecida

Enredo: “Os Maués – Origem Divina, Destino Humano – Trinta Anos Depois...”,

Data de fundação: 15 de março de 1980

Componentes: 3.800

Entra na avenida às: 22h40

SAMBA-ENREDO MOCIDADE INDEPENDENTE DE APARECIDA

‘Os Maués – Origem Divina, Destino Humano – Trinta Anos Depois…’

 Compositores: Cid Queiroz e Marinho Poeta

Sinto um aroma no ar

O cheiro bom da minha terra

É a Aparecida a exalar

Raro perfume na passarela

Essência que me seduz

E alivia a minha dor

Fragrância que me alucina

Me faz sonhar o bom tempo que passou

Tô numa boa

Desta não vou despertar

Já fui guerreiro e dei a mão à Tucandeira (refrão)

Não vai ser qualquer tristeza

Que vai me fazer chorar

Tantas mudanças…

Que nem mesmo eu sei quem eu sou

Nem pra onde vou

Eu não sou mais filho da terra

Meu futuro é uma quimera

Meu passado se apagou

Chega de perenidade

Eu esta noite sou a Mocidade, olha aí

Tantas vezes já fui rei

Viu tentar mais uma vez

Ninguém vai me segurar

Quebrei patuás

Aos deuses fiz chorar             (bis)

Nem figas do Bonfim me fez parar

Me leva, amor

Me embala na folia

De Maués foste buscar a energia  (refrão)

É com pó de guaraná

Que eu arrebento neste dia

Publicidade
Publicidade