Segunda-feira, 14 de Outubro de 2019
Especiais

Mulheres realizam o sonho de ser mãe com o ‘auxílio’ da ciência

Inseminação artificial e fertilização são algumas das opções para quem tem problema para engravidar mas quer seguir com o desejo da maternidade



1.jpg O sonho de ser mãe logo após o casamento foi adiado quando Dezirée descobriu problemas para engravidar. Com uma 'ajudinha' vieram trigêmeas
10/05/2015 às 13:19

Enquanto mães abandonam filhos recém-nascidos nas ruas, maternidades e até gastam com  aborto, há mulheres que fazem tudo que é possível e investem verdadeiras fortunas para realizar o sonho de ser “mãe”. Em boa parte dos casos, a mulher descobre o problema após certo tempo de casada, quando o casal decide ter um filho. O desespero bate na hora da revelação, mas especialistas garantem que há soluções simples e acessíveis que vão da fertilização artificial à barriga de aluguel.

Histórias como essa refletem o caso da analista de sistema Dezirée Lima Tapajós, 34, mãe das trigêmeas Maria, Andressa e Rafaela. Dezirée noivou com o atual marido, o professor André Soares, quando tinha 24 anos. Antes mesmo de casar, a analista procurou um ginecologista e decidiu suspender o anticoncepcional. “Não queria só casar, sonhava logo em construir minha família”, revelou. Um ano depois, o sonho do casamento se concretizou. “Logo que retornamos da lua de mel já sonhava com a gravidez e esperava voltar com um filho no meu ventre, mas infelizmente não foi na primeira tentativa”, lembrou.



Depois de dois anos sem conseguir engravidar, Dezirée procurou um especialista e descobriu que estava com ovário micropolicístico - distúrbio que interfere no processo de ovulação em virtude de um desequilíbrio hormonal e leva à formação de cistos e até endometriose, condição que causa dor, sangramento irregular e possível infertilidade.

Foi então que ela decidiu procurar formas alternativas para engravidar. “Procurei uma clínica, fiz vários exames, tomei a medicação e fui no rumo da fertilização. Gastamos o que foi preciso, mas não tivemos êxito. E nem imaginava que toda aquela situação pudesse me fazer mal”, contou. O resultado de tantas tentativas fracassadas foi que Dezirée teve mesmo que procurar ajuda profissional, mas para tratar da depressão, consequência da inseminação frustrada.

Nova tentativa

Cinco anos após o casamento e ainda sem conseguir engravidar, Dezirée decidiu tentar novamente. “Marquei a consulta e decidi que deveria tentar mais uma vez a fertilização, e mais uma vez não tivemos êxito. Foi quando resolvemos fazer a inseminação artificial e, por meio dela,  conseguimos realizar o sonho da gestação”, relembrou.

Com o sucesso da fertilização ‘in vitro’ - inseminação artificial - Dezirée iniciou o pré-natal. Durante uma ultrassonografia, veio a surpresa: ela estava grávida de trigêmeas. “O médico me esplicou que o normal é usar três óvulos para aumentar as chances de sucesso. Em nenhum momento passou pela minha cabeça que a inseminação fosse dar tão certo”, contou.

Escolheram engravidar mais tarde

A bióloga especialista em reprodução humana assistida e mestre em doenças tropicais Lia Pontes Morais, que trabalha na clínica de reprodução La Vitta, onde Desirée fez o tratamento para engravidar das trigêmeas, explicou que os casos de infertilidades são considerados comuns, pois as mulheres do século 21 estão engravidando mais tarde. “Os óvulos e todo o sistema reprodutor envelhecem com o corpo e por isso há essa dificuldade na reprodução”, esclareceu.

Segundo a especialista, a idade ideal para uma mulher engravidar é até os 35 anos. Depois desse período a gravidez é considerada de risco. A bióloga também conta que há casos em que, mesmo antes dos 35 anos, a mulher não consegue engravidar. Os motivos são diversos e podem estar ligados a doenças ou à genética. “No último caso, sugerimos a barriga de aluguel, porém conforme a legislação de biotecnologia, que permite o procedimento até a quarta geração. Para amigos, conhecidos ou outras pessoas não é permitido”.

A especialista disse que na clínica só pode realizar este procedimento com a liberação do Conselho Regional de Medina (CRM). “Até o momento não tivemos nenhum caso de barriga de aluguel, porém houve um casal homoafetivo que chegou a nos procurar”, revelou. Em oito anos de funcionamento, a clínica realizou 500 procedimentos, que geraram 200 bebês.

Valores

Em Manaus, os valores cobrados pelos procedimentos de fertilização e inseminação artificial podem variar de R$ 5 a R$ 20 mil, dependendo da complexidade. Com os custos de exames, medicação e internação podem ultrapassar esses valores, como foi o caso de Dezirée, que investiu R$ 40 mil na gravidez das trigêmeas.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.